Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

O ESTILO “SOMOS PORTUGAL” NAS AUTARQUIAS LOCAIS

Zé LG, 18.09.17

jmr cópia.jpg

As tardes de domingo televisivas são assombradas por programas tenebrosos. Cantores de quinta categoria enquadradas por “dançarinas” da quarta divisão guincham slogans que querem parecer canções. De vez em quando aparece o apresentador, que entrevista artesãos e entidades locais. Há, sempre, lugar à inevitável entrevista do autarca. O custo financeiro destas coisas é sempre muito mais alto que o verdadeiro interesse que possam ter. Saem caro e é dinheiro deitado à rua. Sempre me recusei, enquanto presidente da câmara, a trazer a Moura programas que saem caro e nos quais metade do tempo é gasto a promover concursos (“ligue para o 700” etc.).

 

Pior é hoje a ideia que este estilo do “Somos Portugal” está no centro da atividade autárquica. Substituem-se intervenções de fundo (obras de reabilitação e de reequipamento) por coisas efémeras (mega-caminhadas e festas e festinhas). Deixa-se a política social para segundo plano e adotam-se práticas que pouco têm a ver com solidariedade. A feirização da política é uma tragédia e a falta de preparação que por aí campeia outra tragédia.

Fazer da política local um “tele-show” de sorrisos de plástico e de discursos xaroposos em que se tratam as pessoas por “amiguinhos” é um equívoco e um perigo. Há quem tenha essa tentação e não conheça os seus limites.

O que é uma Câmara Municipal? Uma máquina de 350 pessoas, 17 milhões de euros de orçamento, dezenas de viaturas, responsabilidades na área da educação, da limpeza urbana, na reparação de estradas e caminhos municipais (169.350 metros...), mais o dever de manter e melhorar equipamentos culturais e desportivos. Mais aquilo que tem de ser feito em termos de habitação. E que tem sido feito, com determinação.

O que nos espera a partir de outubro?

O arranque de obras de mais de 5 milhões de euros. Mais o projeto para o Convento do Carmo, no qual fomos pioneiros no âmbito do programa REVIVE. E mais o desenvolvimento de novos projetos, que necessitam conhecimento e preparação. Pensar que isso pode ser subsituído por uma política de festinhas, cabazes e coisas soltas é um erro sério...

 

Uma Câmara é uma máquina complexa e cuja gestão exige trabalho duro. Não é uma pequena estrutura de 10 funcionários. Os próximos anos serão de grande exigência. Tão exigentes como estes que acabam de passar. E isso implica, passe a imodéstia, preparação e conhecimentos. E, já agora, boa educação.

 

Artigo publicado em "A Planície" de 15.9.2017 e AQUI, por Santiago Macias.

Fotografia de José Manuel Rodrigues

 

4 comentários

Comentar alvitre