Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

O centro do sistema de saúde deve estar sempre no doente, o que nem sempre acontece

Zé LG, 22.12.18

Numa ULS, o caso de Beja, o circuito do doente neste sistema deveria estar completamente assimilado e funcionar eficazmente de modo a colocar mesmo o doente no centro do sistema, daí resultando uma resposta o mais eficiente possível na utilização dos recursos disponíveis, garantindo a necessária e indispensável resposta às necessidades do doente. Para atingir esse desígnio, no Baixo Alentejo, foi criada a ULSBA - o doente está no centro deste sub sistema - deve ter acesso a cuidados de saúde integrados, onde os circuitos e os procedimentos devem estar primorosamente estudados e estabelecidos, cada uma das partes desse todo deve desempenhar o seu papel em beneficio do doente.
Sabemos que nem sempre acontece e que o desígnio para que foi criada a unidade local não foi ainda atingido, conforme análise de factos e pareceres/alguns estudos, com prejuízo para o doente. A discussão que neste blog esta a decorrer, para onde vai este ou aquele equipamento, quem faz isto ou aquilo, vem dar razão ao que acabei de referir. Em suma, o doente no centro do sistema, tem o direito a cuidados de saúde integrados, prestados no tempo, com os prestadores certos nos locais certos. Isso nem sempre acontece, porque o sistema tem falhas, às vezes grandes.
Há que melhorá-lo com organização e gestão adequados.

Mariana Raposo-AH 21.12.2018 20:35, aqui, onde pode ler o comentário na íntegra.

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 22.12.2018

    Quem estiver em risco de morrer precisa de ir a um hospital, e não de empalear num centro de saúde. Os centros de saúde existem essencialmente para fazer a promoção da saúde e a profilaxia de algumas doenças. Mesmo as doenças crônicas mais frequentes em algum momento sofrem agudizações que têm de ser tratadas em hospitais. Agora sou eu que digo: estou certo ou estou errado?
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 23.12.2018

    Se os hospitais não servissem pelos menos para isso, para que é que serviriam?
    Certamente que devem servir para muito mais.
    Agora, parece-me é que estás a reduzir ao mínimo as funções dos centros de saúde. Pensa lá melhor.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 23.12.2018

    Mas a prestacao de cuidados nos centros de saúde e nos hospitais está definida há muito tempo ,conforme legislação em vigor.Tambem as funções dos médicos com as várias especialidades estão definidas em múltiplo e variado portefolio legislativo e respectiva prática.Entao estão a querer aqui discutir e reinventar o quê?Nao me digam que posso pensar na velha dicotomia centro de saúde /hospital,de quem é mais importante,manifestação de mau exercício do poder e da iletracia em saude(como diz Ana Matos Pires)que nos tem conduzido nesta Unidade Local de Saúde ao precipício? E não será possível acabar com esta Unidade Local que afinal estes velhos do restelo nunca quiseram e que têm impedido que progrida e faça o seu caminho na prestação de cuidados integrados como é referido no post? Mas saberão o que são cuidados integrados e missão de uma Unidade Local?
    É que o nosso hospital começou o seu declínio com a criação e gestão da Unidade Local.Os profissionais a sério, e o poder central conhece bem o que aqui está e onde chegamos.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 23.12.2018

    Já aqui alguém comentou que os poderes políticos da nossa região esquecem que as grandes empresas de prestação de serviços são um fator importante para o desenvolvimento económico. Um hospital, pela sua estrutura, pela complexidade tecnológica e pela empregabilidade de grande número de recursos humanos indubitavelmente faz mexer a economia circundante. Num tecido económico essencialmente terciário, é um erro que se paga caro ignorar essa possibilidade. Por isso, o ónus da irresponsabilidade política tem nomes.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 23.12.2018

    Concordo totalmente com o anónimo das 10:58. O poder político e consequentemente a responsabilidade política existe,é conhecida e tem nomes.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.