Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

O “BAIXO-ALENTEJO EXISTE!!!” “POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO 0 ATÉ QUANDO?”

Zé LG, 02.03.16

Nasceu em Beja um movimento social a favor do desenvolvimento do Baixo-Alentejo. O “Baixo-Alentejo existe!!!” quer juntar vários cidadãos e mobilizar para a defesa deste território esquecido pelos sucessivos governos, incluindo o atual.

rectangle_290220161818-140-movimento.jpg

Nas razões que levaram à criação do movimento, os seus promotores - entre eles nomes como os de Jorge Serafim, Paulo Barriga, José Pedro Fernandes, Miguel Tavares, Florival Baiôa, Pedro Vasconcelos - chamam a atenção para o facto, dos anteriores governos, e este também, se terem esquecido do Baixo-Alentejo, pelo menos até 2020, na medida em que se conta para estradas 0, para comboios 0, para aeroporto 0 e para o Hospital -1. Perguntam ainda: “Políticas de desenvolvimento 0 até quando?”.
Nesta quinta-feira, dia 3, às 21.00 horas, o movimento dá-se a conhecer, na Casa da Cultura de Beja, apresenta o manifesto com os seus princípios orientadores, para mostrar que esta formação não é contra ninguém, mas sim para unir todos, em defesa dos interesses do Baixo Alentejo e para pressionar a classe política. Na quinta-feira, o movimento vai apelar também, a que muitos se juntem às vozes dos que já o integram.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 02.03.2016

    J. Saramago: leia aqui na internet o estudo da Fundação Gulbenkian sobre Portugal e as suas regiões, nos novos tempos que vivemos e sobretudo em termos futuros.
    E depressa depreenderá que a Zona Metropolitana e Industrial de Beja, se algum dia existir. Tal como agora já acontece no caso de Évora, será a única saída possível para evitar a desertificação humana dos concelhos do seu distrito.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.