Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

MARIANA

243.jpeg

Eis a que tudo deu e nada tem 

senão as cartas que a si mesma escreve. 

Nelas só arderá por quem não vem 

a eternidade do seu corpo breve. 

 

Escreve cartas de amor para ninguém 

seu nome de mulher é Mariana 

escreve cartas e reza como quem  

está mais perto de Deus por ser humana. 

 

Amou talvez o amor mais que o amante. 

Escreve cartas e dói-lhe um corpo ausente 

em seu corpo tão perto e tão distante.

 

O resto é nunca mais haver depois. 

Escreve cartas de amor a si somente 

como quem só a si ama por dois. 

 

Poema de Manuel Alegre, in Alentejo e Ninguém.  Litografia da quinta carta de Mariana Alcoforado, de Henri Matisse.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Um bom registo fotográfico, que é quase uma pintur...

  • João Espinho

    Boa!

  • Anónimo

    Anónimo das 19:20, por mais que nos queira baralha...

  • Anónimo

    Boa resposta! Então os que cá estão nada devem ou ...

  • Anónimo

    Já vens atrasado...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds