Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

«HOJE IMPERA NO JORNALISMO A TEORIA DO “RESPEITINHO”»

 

 

2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_2_

...

Mesmo o mais pequeno jornal de província, ou principalmente esse, sofre diariamente as mais vis sevícias contra a sua autonomia editorial. Não nos iludamos do contrário. A dependência crónica dos meios de comunicação social face aos poderes económicos e políticos cria um tipo de terrorismo invisível e indizível que chega a ser sufocante. Confrangedor. Manhoso. É triste constatá-lo, mas a liberdade de imprensa não tombou a 7 de janeiro de 2015, em Paris. Como agora a choramos. A liberdade de imprensa, se é que alguma vez tenha existido em toda a sua plenitude, há muito que estava enterrada. E agora, pela violência dos factos, apenas foi feito um elogio póstumo à sua memória. Mais nada. Desde o dia em que as notícias passaram a ser simples produtos de mercearia. Desde a altura em que os jornalistas mais “incómodos” foram afastados e as redações se encheram de estagiários e de trabalhadores precários. Desde o preciso instante em que as direções dos meios de comunicação passaram a ser meros fantoches nos dedos das administrações, a liberdade de imprensa sucumbiu. E esse instante, esse dia e essa altura aconteceu há muito tempo atrás. Sem ser necessário disparar um único tiro de metralhadora. Hoje impera no jornalismo a teoria do “respeitinho”. Da dependência. Do medo. Do terror. Da autocensura.
Paulo Barriga, in: http://da.ambaal.pt/noticias/?id=7051

20 comentários

Comentar post

Comentários recentes

  • Ana Matos Pires

    Tem dias.

  • Anónimo

    Isso dependerá dos gostos e orientações pessoais! ...

  • Anónimo

    Concordo que a deslocação a Bruxelas possa provoca...

  • Anónimo

    A política é deveras interessante! Eu, ignorante m...

  • Ana Matos Pires

    Precisamos pois, com indicação precisa. Nunca deve...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.