Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Francisco do Ó Pacheco apresenta "Searas Vermelhas de Abril" em Sines

f3ebf710f11f562bede75b1a58a10af4_L.jpgPelas 16:00 do dia 06 de Dezembro é apresentado, no Centro de Artes de Sines, o novo romance de Francisco do Ó Pacheco, "Searas Vermelhas de Abril".
A acção do livro desenrola-se em 1975, durante a Reforma Agrária no Alentejo, relatada pela perspectiva de um prospetor bancário e de uma jornalista.
"Searas Vermelhas de Abril" segue o início da reforma agrária, as primeiras ocupações das herdades abandonadas, a formação das cooperativas e o intenso e duro trabalho desenvolvido para transformar terras incultas em terras produtivas.
Em simultâneo, "Searas Vermelhas de Abril" centra-se na ocupação da Empresa de Concentrados de Alvalade pelos seareiros e agricultores de tomate da zona, acontecimento real que ocorreu em Fevereiro de 1975 e que Francisco do Ó Pacheco acompanhou pessoalmente.
O título do livro é evocativo deste período da história contemporânea portuguesa a vários níveis, recordando o período revolucionário do 25 de Abril, a designação dada às searas de tomate e o nome de uma união de 22 cooperativas agrícolas, com mais de 2000 cooperantes, criada na altura na região de Alvalade, lê-se na nota de imprensa.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Comentários recentes

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds