Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Empresas da distribuição de alimentos com lucros milionários à custa dos produtores e consumidores

Zé LG, 11.03.23

Sem nome (11).pngO cabaz alimentar, composto por bens essenciais, nomeadamente peixe, carne, legumes, frutas, massas, arroz, azeite, óleo, ovos açúcar, leite, pão e farinha, definido para calcular pela ASAE a evolução dos preços, aumentou quase 29%, desde 2022 e até fevereiro deste ano, ou seja mais 96 euros e 44 euros.

Perante os dados, não será de estranhar que a inflação nos produtos alimentares se mantenha acima dos 20 por cento, mesmo quando a inflação geral está nos 8,2 por cento. Mas se hoje grande parte da população tem enormes dificuldades financeiras para pôr comida na mesa, não são os agricultores que estão a tirar proveitos, muito pelo contrário.

Tendo em conta que o rendimento dos agricultores desceu 11,8% em 2022, segundo o INE, por não conseguirem escoar a produção a preços justos e capazes de compensar os aumentos dos custos de produção, percebe-se quem fica com a fatia de leão. Basta olhar para os crescentes lucros milionários – e escandalosos – das empresas da distribuição de alimentos, denuncia a CNA.

2 comentários

Comentar post