Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
19
Fev 18

 Foi diligente o suficiente para que a obra se concretizasse, mas foi negligente em demasia quando se tratou de lhe dar um fim.

Quem para o novo Frankenstein?

Após um investimento de mais de 2,5 mil milhões de euros, Alqueva, a par das suas vertentes ditas “menores”, como o turismo, o abastecimento público de água ou a produção energética, transformou-se no novo el dorado agrícola europeu. Há, até ver, 120 mil hectares de terrenos infraestruturados e prontos a produzir e as plantações instaladas geram já a fatia de leão das exportações agrícolas nacionais. Alqueva é um fator gerador de riqueza. E o Estado português, embora com um atraso de quatro décadas, fez a aposta correta ao definir no coração do Alentejo uma das suas maiores criações do pós-25 de Abril. O problema é que, também em Alqueva, o Estado acabou por se revelar igual a si próprio. Foi diligente o suficiente para que a obra se concretizasse, mas foi negligente em demasia quando se tratou de lhe dar um fim. Alqueva, no essencial, está concluído, mas não há um projeto para o uso harmonioso da terra, não há uma definição de política agrícola para o seu perímetro, não há normas, nem limites, nem convénios de boas práticas rurais. O Estado tratou de levantar betão, mas em nenhum momento se interessou pelo dia seguinte. E, nisto, a bela criação foi-se transformando num monstro. Ou, numa linguagem mais campesina, foi-se transformando num verdadeiro faroeste. Sabe-se hoje, pela voz de alguns dos maiores produtores de azeite da região, que para plantar um olival não são necessárias licenças, nem vistorias, nem passar cartão seja a quem for. A lei vigente é a do mercado, na sua mais elementar e cega acessão: a da oferta e da procura. Quem chega com dinheiro instala-se a seu bel-prazer, não passa cavaco a ninguém, usa a preços de saldo um bem finito e comum que é a água, e ataca a terra com ganância canina. Sem necessidade de licenciamento nem sujeição a fiscalização. E assim se percebe que as estações arqueológicas arrasadas que têm vindo ultimamente a público serão apenas uma infimidade neste recente mar de oliveiras. Estima-se que mais de 50 mil hectares estejam cobertos de olival, o que perfaz já mais de 55 por cento do território de Alqueva em produção. É de recear o pior. É de temer que esteja em curso o maior atentado patrimonial da história recente de Portugal. E é de desconfiar que a impunidade possa prevalecer neste País do vale tudo. Inclusivamente tirar olhos.

Editorial de PAULO BARRIGA, in Diário do Alentejo de 2 de Fevereiro de 2018.

 

publicado por Zé LG às 14:08
bem visto
Anónimo a 19 de Fevereiro de 2018 às 21:56
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
Contador de visitas

Desde 15.01.2011
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Quanto ao relevante disse... nada.Então vamos lá:1...
Incompetência,incompetência...nada fazer nem nada ...
Para o inefável Adalberto, está tudo no melhor dos...
E quem é agora o administrador da Resialentejo? E ...
É uma tendência que se agravará ainda mais, pois o...
Será bom perguntar ao sr Arquiteto José Falcão e s...
Mais valia substituírem este deputado pelo profess...
O deputado João Dias avançou à Voz da Planície, as...
Já não seria sem tempo. Ufffffff
Cuidado, é perigoso comentar. O Ministério Público...
Aquisição de Serviços de Reengenharia e gestão Tra...
É perguntar ao professor Picado. De certeza que el...
E alguém sabe o que é isto?http://www.base.gov.pt/...
A juntar a estes 134 mil.http://www.base.gov.pt/Ba...
Vai aconselhando o jovem autarca nas contratações ...
blogs SAPO