Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

E os outros?

Zé LG, 20.02.21

em 09/02/2021, aqui:

202102011824137297.jpgO Conselho de Administração da ULSBA tinha esclarecido que todos os seus membros, à exceção de um que não quis, foram vacinados depois de todos os profissionais de saúde da linha da frente, elegíveis para vacinação, o terem sido, excepto os que recusaram a toma da mesma.

Também esclareceu que, face à necessidade de aumentar a resposta no combate da pandemia COVID, tomou a decisão de libertar o espaço do 6º piso do edifício hospitalar, onde se encontrava instalado, passando para uma estrutura provisória, composta por módulos de contentores pré-fabricados e usados, o que permitiu ter disponíveis mais 10 camas de internamento de Medicina COVID.

João Sardica, coordenador regional do DICAD da ARS Alentejo, também esclareceu que foi “vacinado no final do mês de Janeiro”, depois de ter sido “contactado” pelo seu “médico de família”, por ter “64 anos” e por ser “um doente de risco” - “na primeira fase do plano, que contempla como grupo prioritário de vacinação, os pacientes com 50 ou mais anos com pelo menos insuficiência cardíaca, doença coronária”, entre outras, por ser o seu caso. João Sardica revelou, ainda, que não pertence à direção do Nobre Freire "há mais de dois anos".

 

É importante lembrar e divulgar estes esclarecimentos. Até prova em contrário, tenho-os como bons.

Quanto aos outros casos, envolvendo detentores de cargos políticos, repito o que já aqui escrevi: "É imperioso e urgente que seja cabalmente esclarecida a situação! Porque não o fazem? Para além dos envolvidos e da avaliação e das consequências a nível local, é todo um processo em que se joga a vida das pessoas que está posto em causa. Até quando?"

18 comentários

Comentar alvitre

Pág. 1/2