Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
30
Nov 16

Na sequência da intervenção que expressei no debate promovido ontem pela Ordem dos Médicos em Beja, importa clarificar aqui a minha posição. É de todos conhecida a situação de carência de recursos - humanos, materiais e financeiros - que sendo antiga na nossa Região se tem no entanto vindo a agravar nos últimos anos. Quero manifestar publicamente a minha convicção de que a solução para ultrapassar essas dificuldades passa por uma profunda reorganização da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo. A deixar perder-se a oportunidade governativa atual, mantendo-se inalterados hábitos de ineficiência, estruturas estagnadas, profissionais desmotivados e aceitação do 'status quo', tudo na ULSBA definhará e o Baixo Alentejo perderá o seu SNS. É este o desafio que os profissionais da gestão da ULSBA têm de saber superar. É este também o desafio a que a Comunidade Intermunicipal terá de responder.

Munhoz Frade a 30 de Novembro de 2016 às 14:06, AQUI.

publicado por Zé LG às 13:41
E o que disse a Sra. Directora Clinica nesse debate sobre a saude no interior?
Podia ter dito que as escalas do mês de Dezembro parecem uma renda e que anda procurando médicos de fora,pagos mais caros no valor hora,de outros hospitais onde já completaram o número máximo de horas semanais estipulado por lei,para vir tapar esses buracos. Os médicos de cá ou não querem ou não podem fazer mais horas.Esta é a politica de saude no interior.
Anónimo a 30 de Novembro de 2016 às 15:28
Já agora tenha a coragem de dizer que não fazem cá, mas vão fazer em nome de empresas a outros hospitais
Anónimo a 30 de Novembro de 2016 às 15:48
Sim, sim!
E digam também que não querem operar porque não têm material adequado, que está velho e usado como o pessoal.
Anónimo a 30 de Novembro de 2016 às 16:12
O Hospital chegou a um ponto em que há operações adiadas por faltas de material e há doentes que vão para o Bloco e esperam horas lá dentro até chegar o material necessário!
Anónimo a 30 de Novembro de 2016 às 16:23
A Sra. Directora Clinica não foi à reunião promovida pela ordem a que pertence porque teve que ir trabalhar para a urgencia a tapar os buracos da escala que esta muito arrendada no mês das festas. Fez se representar , tal como todo o CA , pela PCA Margarida da Silveira.
Anónimo a 30 de Novembro de 2016 às 16:47
Desculpa esfarrapada.
Anónimo a 30 de Novembro de 2016 às 17:06
Apetece me dizer"O rei vai nu"na ULSBA e "a guarda não vê isto".
Atento 2 a 30 de Novembro de 2016 às 19:52
A ULSBA continua em grande...
- Não pagaram ao Hospital de Serpa as mensalidades de Agosto até Novembro para o serviço de urgência;
- A Santa Casa de Serpa atrasou o pagamento dos ordenados e ainda não pagou o subsídio de Natal aos seus funcionários (segundo dizem, porque a ULSBA não lhes paga...)
- O sr. Enf. Director tem na sua posse há alguns meses a lista do concurso de enfermeiros e não a liberta porque os enfermeiros do hospital de Serpa estão nos primeiros lugares;
- Os membros do CA continuam a usar os motoristas a seu belo prazer para actividades pessoais...
E NINGUÉM FAZ NADA... NINGUÉM OS PÕE NA RUA!!!
Anónimo a 30 de Novembro de 2016 às 20:12
E a PCA passeia...passeia como se fosse a maior.A heroína que levou a ULSBA para o fundo do poço.E só ela e os seus apaniguados não veem isso, aquilo que toda a gente vê.
Atento 2 a 30 de Novembro de 2016 às 20:36
Desculpe, ela é o seu consultor Machado Caetano.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 14:30
É sabido que a atual Presidente do Conselho de Administração da ULSBA enferma de uma deformação burocrática das funções de gestão de topo. Nem ela nem a Dra. que ocupa o cargo de Diretora Clínica dos Cuidados Hospitalares sabem o que fazer para atenuar o problema do caos do Serviço de Urgência do Hospital. O Dr. que ocupa o cargo de Diretor Clínico dos Cuidados Primários não atua coordenadamente com a sua congénere de modo a contribuir para a integração funcional dos vários níveis de cuidados na ULSBA. O que ocupa o cargo de Enfermeiro Diretor, para além do enriquecimento curricular e académico que aproveitou em benefício da sua carreira política, nenhuma ação sua relevante para a instituição se pode referir. O Vogal, desconhecedor da complexidade da gestão das Unidades de Saúde, até atropelos jurídicos terá cometido. Um Conselho de Administração destes não serve para a ULSBA. Todos os seus elementos devem ser dispensados de continuar a má qualidade dos seus serviços.
Munhoz Frade a 30 de Novembro de 2016 às 20:22
Caro Dr. Munhoz Frade:

Peço desculpa mas não posso concordar consigo ,no que respeita ao Sr. enfermeiro director quando menciona que "nenhuma acção sua relevante para a instituição se pode referir". Então não é relevante para a instituição um conjunto de ações permanentes que têm conduzido ao descalabro do grupo de enfermagem que dirige no que respeita à sua motivação e desempenho funcional?É que nunca se assistiu na ULSBA a uma coisa destas ao nível dos enfermeiros!
Anónimo a 30 de Novembro de 2016 às 20:55
O pior dos piores, esse gestor público de referencia.
Anónimo a 30 de Novembro de 2016 às 21:39
O Enfermeirinho de Moura é um pau mandado do Conde , do Simões , do Araújo e do Zé Raul Santos.
anonimo a 30 de Novembro de 2016 às 22:27
Querem ver que o Zé Raul dos Santos quer terminar a sua carreira, com voos mais altos , na saúde.onde começou. Espera ir para o CA do hospital com a sua amiga de peito Conceição.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 14:27
O problema para o declinio do SNS não é apenas politico mas principalmente financeiro. Enquanto existirem médicos a exigirem o pagamento de €50, €60 ou mais por cada hora de trabalho não há nem haverá SNS que resista. É muito facil culpar as administrações e não obstante lá estejam para tomarem decisões e encontrarem soluções perante tamanha chantagem não há, de facto, quem resista. Se fizermos um exercicio de memória matemática, existe actualmente um despacho que permite que os médicos com especialidade em regime de prestação de serviços aufiram a quantia de €30/hora; agora imaginem se fizerem 8 horas/dia, 40 horas/semana, perfazendo a quantia de €1.200/semana, €4.800/mês, pelo que pergunto. É um mau ordenado? Naturalmente que os que se encontram inseridos numa carreira auferem menos mas por outro lado têm direito a férias e outras regalias que os prestadores de serviços não têm, ainda assim penso que se deveria regulamentar a carreira no sentido de haver de facto uma actualização de remunerações associada a uma politica efectiva de progressão, de incentivos, de acordo com o mérito e tendo em conta a disponibilidade orçamental. Porém jamais chegando aos valores pornográficos que não poucas vezes têm de ser suportados muito menos num momento de grave austeridade em que tais valores não só se mantiveram como alguns atá aumentaram. Justifica-se por exemplo um enfermeiro auferir 3 vezes menos que um médico em inicio de carreira? Não terem as mesmas possibilidades de progressão, quando comparados? E os Técnicos??? E depois se faltar o médico desta ou daquela especialidade cai o carmo e a trindade quando nem sequer vos passa pela cabeça que para ter o tal médico tem de se pagar por cada turno de 24 horas mais de €1.400, agora imaginem se fizerem 8 turnos por mês... são mais de €11.500!!! E a maioria deles são autênticos saltibancos que por conta de empresa unipessoas ou enviados por empresas de colocação de recursos humanos não comem, não bebem, não dormem pelo que eu ficaria preocupado com a prestação de cuidados de saúde de muitos desses profissionais! Turnos de 24 horas??? Várias vezes por mês??? Enfim, abram os olhos, não se limitem a criticar sem conhecimento de causa; o Dr. Munhoz Frade fala e às vezes até fala bem mas é muita prosa e retorica para os meus ouvidos quando na verdade o busilis da questão também passa pelo que acabei de referir. Haja coragem para regulamentar, limitar ou até impedir certas obscenidades mas para tal é imperativo que os utentes saibam o porquê!!! É legitimo e expectável querer ter cuidados de saúde, médico de familia, mas não a qualquer custo e por muito que me custe dizer isto é a realidade pois se o continuarmos a fazer de forma cega não só a fonte secará como garantidamente os cuidados de saúde ficarão piores!!!
preocupado a 1 de Dezembro de 2016 às 02:26
Existem casos e situações de grande exagero quanto ao custo suportado para garantir atendimentos de urgência. Com demasiada frequência, diga-se. Como é óbvio, isso resulta da existência do mecanismo de mercado para contratação dos recursos humanos necessários. Note-se que as condições de trabalho na urgência são muito duras, e as administrações não podem pretender ter trabalhadores em regime próximo da escravatura.
Mas na verdade o problema tem origem em disfuncionalidades do sistema, que têm como consequência um exagerado afluxo de utentes às urgências hospitalares. Uma percentagem significativa dos utentes aí atendidos apresenta problemas que podem ser resolvidos noutros locais. Por não se terem tomado medidas para resolver as causas dessa perversão de utilização dos serviços de urgência, a dita "chantagem" continua.
Mas diga-se também que mesmo no caso do Hospital de Beja, nem sempre foi assim. Reveja-se o que foi feito no final dos anos 90. Portanto, entendo que será com mais organização e funcionalidade que o SNS poderá ser financeiramente sustentável.
Munhoz Frade a 1 de Dezembro de 2016 às 08:01
Onde foi o "preocupado" buscar essa de médicos no início da carreira a ganhar três vezes mais do que enfermeiros?
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 08:24
Não digam asneiras! Consultem as tabelas salariais.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 08:48
Nem sequer em relação aos enfermeiros recém-formados, e é porque estes últimos ainda não conseguiram ser nesta fase equiparados a licenciados.
Penso eu de que...
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 12:28
E estou a falar de idênticos vencimentos em inicio de carreira para médicos e enfermeiros.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 12:30
Se os enfermeiros querem ganhar o mesmo que os médicos é "só" fazer o curso de Medicina...
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 12:45
Enfermagem - €1020
Medicina - €2.746
Médico Interno - €1.853

Topo de Carreira
Enfermeiro - €2.900
Médico - Entre €3090 e €5.600

Perguntar-me-ão se ganham bem? Não, ganham os dois mal, a minha comparação era feita relativamente aos médicos que vão muito além destes valores.

ps: até há pouco mais de 1 ano os enfermeiros tinham como base €920 e ainda há quem não aufira os €1.200 de base mas sim os €1.020.
preocupado a 1 de Dezembro de 2016 às 14:07
É bom que se saiba. Porque a imaginação é delirante.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 14:20
Não sei quem é que aqui põe estas mentiras, e sobretudo o porquê das mesmas.
Ódio aos médicos???
O ordenado bruto no inicio de carreira de um licenciado em medicina é 1.566,42 € por 40 horas semanais, o que dá cerca de 9,04 €/hora.
E isto é verdade.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 17:50
Não se pode pôr em pé de igualdade as carreiras médicas e de enfermagem, isto sem desprimor algum por estes últimos, antes pelo contrário.
Isto porque há variáveis nas carreiras médicas ao contrário das de enfermagem, ou seja depende se trabalha apenas para o sector público ou não, ou seja se exerce também medicina privada.

As carreiras médicas quanto muito, estão equiparadas às dos professores universitários, quer os das universidades quer os dos politécnicos. Mas apenas se os médicos apenas trabalharem para o Estado e abdicarem de exercer medicina privada.

O hilariante desta relação médico-enfermeiro em termos de vencimentos. É que se compararmos o vencimento de um médico com o de um enfermeiro do serviço nacional de saúde e ambos no topo da carreira, mas em que o médico também possa exercer medicina privada, o enfermeiro ganha mais do que o médico.
Daí que é uma falácia e uma rigorosa mentira tudo o que aqui em cima foi dito. Isto porque os vencimentos brutos dos 5.000 euros são apenas os dos médicos no topo da carreira e que abdicaram de exercer medicina privada.
Já que um médico no topo de carreira e que exerça medicina privada, ganha por mês cerca de 1.500 euros
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 18:30
Pelos vistos o senhor é que é mentiroso ou não sabe o que diz. Esta tabela é de 2014, quer que lhe apresente uma mais actualizada?
http://simuploads.simedicos.pt/9bbfe9295.pdf
preocupado a 1 de Dezembro de 2016 às 20:56
Sim, e quantos é que chegam ao topo?
E então ponha lá agora a dos enfermeiros.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 21:11
Enfermeiro, nivel remuneratório 57, o que equivale a mais ou menos €3.600.

Quanto aos poucos que chegam ao topo, esse é um problema transversal e comum a ambas as carreiras (como a quase todas da AP).

Finalmente, sabe quanto pode ganhar um enfermeiro a exercer funções privadas? E um médico?

Não estou a dizer mentiras, naturalmente que há variantes, nem quero fomentar a competição e muito menos desrespeitar nenhuma das classes, apenas constato factos e uma vez mais digo, ambos são mal pagos, o que me revolta são os abusos que infelizmente não são assim tão poucos!!!

Se vocês próprios ficam revoltados com o colega que vem da empresa para ganhar €60/hora e agora armam-se em vitimas perante os enfermeiros? Vá lá, sejam coerentes e interpretem correctamente o que escrevo.
preocupado a 1 de Dezembro de 2016 às 21:28
Refere-se ao ano comum, certo? Ano de formação. Não vamos por ai pois há cursos que implicam uma vertente prática que nem sequer é remunerada. E reitero, os médicos são mal pagos, o que me repugna são os abusos de muitos entre muitos e isso é verdade. Outra coisa que me surpreende é que tudo quanto possa ser dito que vá contra a classe ou que ponha em causa certos aspectos é logo sinónimo de ódio. Sinceramente...
http://simuploads.simedicos.pt/9bbfe9295.pdf
preocupado a 1 de Dezembro de 2016 às 20:53
Deixem-se dessa treta de classe, pois na profissão médica há muitos proletários e poucos barões.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 21:12
Tudo bem. Mas se são homens. Não se esqueçam é de pôr aqui também a tabela salarial dos enfermeiros. E já agora assim como a dos enfermeiros que desempenham funções de professores universitários nas escolas de enfermagem.
Ou têm medo?
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 21:19
Comparados com o que pagamos aos gestores da Caixa Geral de Depósitos, são trocos.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 21:24
Acabou de dizer tudo e tenho vindo a dizer que ambos são mal pagos embora os enfermeiros muito pior, é um facto indesmentivel. Não percebo é porque aparecem logo umas madalenas ofendidas quando não há razão para tal e tudo o que aqui foi escrito tem por base factos. Sinceramente...
preocuopado a 1 de Dezembro de 2016 às 21:32
Ó homem, mas medo do quê???
Tome lá, mas agora procure você a TRU ou tenho que lhe fazer a papinha toda?
http://www.ordemenfermeiros.pt/sites/madeira/informacao/Documents/ARTIGOS%20ENFERMEIROS%202013%20A%202015/DecLei%20122%20CarrEnfGrelhasTransR%C3%A1ciosImpostaMS%2011Nov10.pdf

Mas pronto, sempre lhe acrescento que a posição remuneratória 57 corresponde a mais ou menos €3.600
preocupado a 1 de Dezembro de 2016 às 21:34
Sugiro que se faça a comparação com os salários auferidos pelas mesmas categorias profissionais nos vários países da União Europeia.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 21:40
Deixem se de discussões de carreiras profissionais , matéria sindical .
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 21:45
Eu não sou médico.
Mas este blog sempre foi um blog anti-médico.
E basta dar uma olhadela cá para trás, para se verificar este facto.

Aliás o próprio LG é o primeiro a fazê-lo e não perde uma oportunidade para aqui o demonstrar.
Sempre que pode aqui está ele sempre de faca afiada para o efeito.

Parece pois que ganham mais que os enfermeiros e pelos vistos, indevidamente, pois para aquilo que fazem , não o merecem.
Todos têm consultórios, para onde desviam os doentes dos hospitais. Porque aí só vão passear e depois há listas de espera como aquela que LG aqui citou há dias.
Se não há médico numa terra do Alentejo é porque estes "cabrões" que tiram o curso à nossa custa não querem vir para o interior.
E até mesmo este assunto que já cheira mal sobre o CA do hospital, implicitamente já ele encerra uma critica constante e persistente aos médicos que lá trabalham.

Não é que não haja médicos e hospitais que não devam ser criticados. E que os haja corruptos e desonestos. Agora porque é que só eles é que vem aqui à baila.

Sim, por exemplo alguém já aqui leu alguma vez uma noticia sobre a corrupção dos autarcas e ou nas autarquias?
Não. Aí são todos sérios, não há corrupção alguma, apenas diferenças em termos políticos e ganham se calhar ainda menos do que um enfermeiro no topo da carreira.

Chateia, mesmo a quem não tem nada a ver com isso, que sejam uma e outra e ainda outra vez sempre e sempre os médicos na berlinda aqui neste blog.

Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 22:28
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 22:28: Ou anda muito distraído(a) ou é mal intencionado(a). Onde é que me viu / leu a criticar os médicos? Sempre que a eles me tenho referido, designadamente aos que a tenho recorrido, sempre os tenho referido positivamente, porque sempre tenho sido bem tratado. E se fizer uma pesquisa com certeza que encontrará notícias e opiniões críticas de autarcas envolvidos em casos de corrupção ou de outros crimes. Não confunda o que eu escrevo com os comentários que aqui são feitos, designadamente por Anónimos.
Zé LG a 2 de Dezembro de 2016 às 10:13
Não, LG. Não confundo comentários anónimos com as ideias e a visão do dono do blog sobre este facto.
E é claro que no seu caso não se trata de denegrir e difamar constantemente tudo o que soe ou cheire a médicos, como é aqui frequente.
Mas digamos que está sempre bem atento e atuante em relação a estes, e quase sempre quando se trata das piores razões, como se eles tivessem que ser todos puros e impolutos. E que seja normal que tudo o que os envolva direta ou indiretamente tenha que ser publicitado até ao tutano, mesmo que despois se verifique que afinal eram tudo mentiras.

Atitude bem diferente e até ao contrário do que se passa em relação aos seus colegas ou ex-colegas autarcas, sobre os quais têm uma atitude de compreensão desmesurada a ponto de que tudo lhes seja justificado, com a exceção de algumas picardias, aliás bem necessárias para manter a acesa a luta política.

Dou-lhe como exemplo a conversa interminável sobre o CA do hospital.
Ora você que é um politico experimentado e que desempenhou durante anos e anos funções executivas, acredita que alguma vez um ministro da saúde ou quer que seja que esteja em idêntica posição, irá demitir alguém, só porque num blog se fartam de dizer cobras e lagartos de forma compulsiva, quase sempre debaixo do anonimato sobre essa ou essas pessoas.
Pelo contrário, a tendência será fazer exatamente o inverso. Daí que a critica acéfala e maldizente neste blog, seja até o melhor seguro para se manter em funções.

Por isso digo-lhe que fiquei até mais preocupado depois de ler a sua mensagem anterior. Isto porque o tenho por um homem frontal, e que sempre assumiu as suas posições em relação àquilo que pensa e acredita.

Daí chegar até há triste conclusão que se trata de algo bem fundo do seu inconsciente.
Aliás assuntos como este não têm lógica ou coerência alguma; são emoções que não raramente nem sequer sabemos explicar+. Porque é que gostamos tanto de um cube de futebol e detestamos um outro, tão digno e respeitável como o nosso, assim como o ódio aos ciganos, aos árabes ou aos judeus.

Pelo que lhe lanço um repto.
Vamos lá contabilizar aqui quando tempo é que demora até há primeira alfinetada nos médios.
E depois contabilizar durante uma semana, quantas vezes é que aparece a palavra médico e autarca pelas piores razões neste blog.
Vamos a isso?
Anónimo a 2 de Dezembro de 2016 às 16:24
Desculpe me ,caro anónimo, mas o seu comentário não ê correcto, enos ainda pelo exemplo que da do CA da ULSBA.Entao esse CA é constituído só por médicos? Então questionar a pratica e a gestão desse CA é dizer mal dos medicos?
Anónimo a 2 de Dezembro de 2016 às 17:45
Tudo o que é demais, acaba por se tornar desagradável, mesmo que porventura se tenha razão.
E será que não haverá sitio melhor para se discutir este assunto?
Anónimo a 2 de Dezembro de 2016 às 18:13
O sítio melhor para discutir esse assunto pode ser o mesmo onde vêm outros, ou os mesmos,discutir as ruas alcatroadas, os buracos,as máquinas,as festas e por aí das autarquias.Entao não têm um lugar próprio para essas minudencias?E os candidatos às Câmaras não são discutidos em sede própria dos órgãos dos respectivos partidos? Nas concelhias nas distritais.Nao é essa uma função dos partidos?Mas mesmo assim acho natural que um blog como este do LG também sirva de comentários às escolhas ,sobretudo as já efectuadas! Qual o espanto de ser utilizado para aquilo que os blogger entenderem? Ah , as coisas da ULSBA estão-lhe vedadas?
Atento 2 a 2 de Dezembro de 2016 às 20:32
Sr ou Sra. anonimo das 16:24

A "conversa interminável sobre o CA da ULSBA" não serve Não serviu , nem servirá para dizer mal dos médicos.Serve, serviu e servirá para desnudar publicamente a gestão incompetente da maior empresa do Distrito. Essa sim , com grandes impactos negativos dos cuidafos de saúde e como tal na actividade clínica dos médicos da ULSBA.Esses sim têm sido vítimas dessa gestão que tem levado à tal" conversa interminável". Essa conversa também não serve para demitir e nomear órgãos.Quem o faz é o Sr. Ministro da Saúde ,conforme avalia a pratica e os resultados desse órgão de gestão.
Não diga mais palermices como aquela de saber quantas vezes se dizem as palavras médico e autarca pelas piores razões.
Anónimo a 2 de Dezembro de 2016 às 18:22
Nada tenho a ver com esta conversa, mas será caso para dizer. Que mau!
Se algum dia for para o CA, que se cuide quem lá estiver.
Anónimo a 2 de Dezembro de 2016 às 18:26
Como eu não irei com certeza, posso vir aqui e falar da ULSBA , deste ou do próximo CA,a não ser que o LG me bloquei.
Anónimo a 2 de Dezembro de 2016 às 20:34
Mas que tolice, pensar que se fazem aqui comentários na expectativa de que ministros os leiam!
Quem os faz concerteza pensa que serão os seus concidadãos a lere debater.
Anónimo a 2 de Dezembro de 2016 às 19:59
Concordo e que haja aqui pessoas que sejam defensores do CA e que escrevam as maiores enormidades contra.
Sempre houve serviços de contra-informação, e que importantes foram sempre.
Anónimo a 2 de Dezembro de 2016 às 20:28
"O problema para o declínio do SNS não é apenas político mas principalmente financeiro", diz o preocupado.
Digamos que o problema desse declinio, tal como outros grandes problemas, nao têm uma ...mas sim múltiplas causas, enquadradas/motivadas por alterações significativas demo sócio economicas, que exigem , por conseguinte, as adaptações dos sistemas e das organizações que os integram nas sociedades em mudança.E é ao nível da gestão e organização que o desafio se faz, com maior ou menor sucesso na resolução dos problemas que nasceram e cresceram por várias causas intrínsecas a essas alterações/mudanças.
E por causas, por demais, estudadas e diagnosticadas, o nosso SNS exige-nos , a todos, a cada nível de responsabilidade e acção no sistema , a capacidade de o regenerar, de o reinventar, de o gerir com as necessárias adaptações às mudanças na base desse grave problema do seu "declínio". Queremos mantê-lo com o sucesso que teve, com as respostas que deu às necessidades de todos e às particulares de alguns. Só que o desafio exige agora mais saberes , mais empenho porque as necessidades são outras e os contextos bem diferentes.Precisamos de fazer mais e melhor com recursos que não crescem na mesma progressao das necessidades em saúde de hoje.Queremos viver e morrer mais tarde, mas com qualidade de vida que deveremos ter...devemos ter assistência mais cuidada/paliativa se adoecemos gravemente durante algum tempo..devemos ter um diagnóstico, o mais célere possível, quando, de repente estamos com uma "grande maleta" que nunca esperamos ter mas sim resolver rapidamente...e ainda ter médico quando nos sentimos doentes...E PARA RESOLVER ESSE NOSSO PROBLEMA, QUE É GRANDE PARA CADA UM,VAMOS À URGÊNCIA DO NOSSO HOSPITAL. Ora, as respostas do sistema a estas nossas necessidades nem sempre nos deixam satisfeitos, embora com diferentes gradientes dessa percepção,menos ainda são sempre eficazes e RARAMENTE SAO RESPOSTAS EFICIENTES.
Este é sobretudo o grande desafio do SNS e por conseguinte da Unidade Local (está foi a forma de organização de cuidafos que a gestão do sistema encontrou para o Baixo Alentejo)para os próximos anos.Tem que ser rápido, dizem uns, não é já possível, dizem outros! Mas é indispensável se queremos as respostas para todos, e não só alguns, os mais diferenciados do sistema. Refundar o SNS , e fazê-lo na ULSBA para as pessoas, pode e deveria ser um desafio em outro paradigma de gestão, com profissionais conhecedores, interessados nessa missão e empenhados no sucesso da organização .Mas têm que estar cientes que o trabalho a fazer supõe os tais recursos financeiros limitados que exigem respostas cada vez mais eficientes e por conseguinte lideranças intermédias fortes ,comprometidas e porque não criativas.




Mariana Raposo-AH a 1 de Dezembro de 2016 às 12:55
O problema da ULSBA é político e financeiro porque quando há muito dinheiro não precisamos de bons gestores, qualquer um armado em político local vai fazer de gestor, assinando o que os técnicos competentes lhe preparam.Acabou-se o dinheiro com os desaforos de gestão ,mandam vir mais do nosso ao governo que lá os pôs.
Anónimo a 1 de Dezembro de 2016 às 13:04
Sr. Munhoz Frade, em vez de andar a criticar fosse trabalhar? Onde está o senhor nas urgências internas?
Se está preocupado, porque não vai ajudar no serviço de urgência? Ou participar na formação dos internos?
Fechar-se em gabinetes no interior do hospital a comentar em blogues, não respondendo quando é solicitado, é uma vergonha.
Bejense a 3 de Dezembro de 2016 às 14:14
O Bejense é chefe dele?
Anónimo a 3 de Dezembro de 2016 às 15:29
Há quem ache normal ler jornais ou revistas no trabalho, mas não se for na internet. Um bocadinho atrasados, não?
Anónimo a 3 de Dezembro de 2016 às 18:37
O problema não é esse. O mau é fazer críticas.
Anónimo a 3 de Dezembro de 2016 às 18:38
A AMP vai por as barbas de molho...
Anónimo a 3 de Dezembro de 2016 às 18:13
Ah, mas ela pode, porque é chefe e amiga da PCA.
Anónimo a 3 de Dezembro de 2016 às 18:30
Sr. Bejense, bem sabe que ele já excedeu em muito o limite legal de idade para trabalhar na urgência geral. Formação de internos? Todos os que levou a exame passaram. Com a experiência que tem, bem pode fazer as críticas que entenda. Isso também faz parte das suas funções.
Anónimo a 3 de Dezembro de 2016 às 21:04
''
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 07:27
Então ninguem comenta o que se passa na ULSBA ?
Terá sido proibido por algumas forças partidarias por não acharem o momento conveniente, ou o LG apaga os comentarios aqui postados , por não interessar que se saiba.
É impossivel que os habituais comentadores deste blog não saibam o que se passou há mais de uma semana na medicina interna.
Ameaças e agressões verbais que não chegaram a fisicas por pouco e que levaram o CA a demitir um dos diretores da medicina.
Provavelmente no momento politico actual em que começam as manobras para substituir o actual CA, não interessa aos habituais deste blog comentar nada, nem sequer que o demitido se recusou a aceitar a demissão
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 07:40
A coisa já veio no Diário do Alentejo. Mais uma trapalhada de um CA incompetente. Agora, um episódio do tipo "zangaram-se as comadres...".
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 10:02
O decreto que ontem saiu desfaz a trapalhada pois tem efeitos a 1 de janeiro.
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 10:41
"ou o LG apaga os comentários aqui postados , por não interessar que se saiba", escreveu este Anónimo, às 07:40. Afastada a hipótese de não ser visitante do Alvitrando, este Anónimo só escreveu aquilo como provocação, por andar muito distraído ou por estar a confundir o autor deste blogue consigo próprio. Gostava que indicasse quem conhece que se tenha queixado de de lhe ter apagado um comentário e, ainda por cima pelas razões que apontou..
Zé LG a 11 de Fevereiro de 2017 às 19:07
Como se pode constatar no decreto ontem publicado, conclui-se que o Dr. Munhoz Frade já em Novembro estava bem informado.
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 10:21
O decreto foi aprovado pelo governo em 15 de dezembro de 2016 e assinado por António Costa em 6 de fevereiro de 2017.
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 10:37
Então Srs Autarcas, ninguém responde ao repto do Dr.?
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 11:32
Mas que repto?
O de indicarem um vogal para o
novo CA?
Com tempo e obrigados pode ser que os boys do PCP avancem.
Mas talvez avancem os do PS.
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 14:04
O repto, assim o entendi, é um desafio à cooperação, a assumir responsabilidades.
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 14:17
Quem é que quer saber disso? Cooperação,responsabilidades?Para os boys,esse não é o objectivo.
Eu sempre estou curioso como vão promover uma melhor gestão dos recursos da saúde no Distrito com a boyada incompetente do PS.Pode vir o Mestre da gestão em concursos que anda lá pelo INem, que ele depressa põe tudo como deixou. Mas tem que pagar as multas ao Tribunal de Contas porque o que vai deixar lá no Inem também não é brincadeira.
E podem continuar com a Directora Clinica Duro e sua companhia ou então troquem e passem a mulher para adjunta.
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 17:42
No PCP ainda só alguns perceberam que o caminho da geringonça leva à sua progressiva inclusão nos órgãos decisórios. Têm de deixar a sua zona de conforto, onde podem continuar a criticar de fora. Dentro, terão conhecimento mais completo e real dos problemas e podem participar da construção das soluções. Essa é uma oportunidade que os eleitores do PCP não compreenderiam se fosse desperdiçada. Como bem disse Jerónimo de Sousa, não perderiam a sua identidade ideológica ao integrar equipas de gestão de empresas públicas.
Anónimo a 12 de Fevereiro de 2017 às 08:28
Deixem-se de velhas quezílias e unam-se em prol do bem público!
Anónimo a 12 de Fevereiro de 2017 às 11:10
Uma equipa para trabalhar, precisa-se!
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2017 às 23:58
Bora!
Anónimo a 13 de Fevereiro de 2017 às 08:27
Para trabalhar? Não é isso que os boys querem! O que eles esperam é serem nomeados para ter melhores ordenados, mandar nos ex-colegas e pôr e dispor à vontadinha, sem dar cavaco a ninguém.
Anónimo a 13 de Fevereiro de 2017 às 15:44
Se é para isso podem tirar o cavalinho da chuva. Não lhes passa pela cabeça a exigência e complexidade de uma empresa deste tipo. Só se apercebem de uma pequenina parte - até aos gabinetes vizinhos...
Anónimo a 13 de Fevereiro de 2017 às 15:47
Nem fazem a menor ideia das alterações estruturais que a nova legislação da gestão das unidades de saúde, exige. E dos saberes , competências e responsabilidades que lhe estão adjacentes.E o tempo é de vaquinhas magras ,não gordas.
Anónimo a 13 de Fevereiro de 2017 às 18:29
Novembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
Contador de visitas

Desde 15.01.2011
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Mais que verdade, infelizmente! Uma feira sem cham...
Entretanto li um outro comentário, não sei de que ...
Onde está isso da "falta de fraldas"?
Assim não vale...vir para aqui gabar-se que no seu...
Puxa Drª até na falta de fraldas a Drª é "pioneira...
o Sr Deputado João Dias, que há poucos dias deixou...
Nova Tróia,ainda pior que a outra no hospital.
25 de ABRIL sempre! Excelente dia da Liberdade, Zé...
O governo de Adalberto e Centeno sacrificam o SNS ...
No hospital a palavra de ordem é não há no armazém...
Difícil é entender porque é que certos intelectuai...
Esse é o lema na ULSBA
O bom funcionário vive feliz e saudável, quando to...
às 11H00?
blogs SAPO