Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

BARREGÃO: Um exemplo do despovoamento do Interior de Portugal

Zé LG, 14.06.20

IMG_3722.JPG

IMG_3732.JPG

IMG_3742.JPG

IMG_3746.JPG

Uma pequena aldeia reduzida a cerca de 10% da população que já teve. Hoje não tem mais de oito residentes.

Apesar dos investimentos - estrada, arruamentos, águas e esgotos, recolha de lixo e transportes colectivos - feitos pela Autarquia nos últimos anos e da recuperação de algumas casas feita por naturais que querem manter a ligação à Aldeia, o despovoamento e a degradação da maioria das casas avança a passos largos.

Paralelamente e apesar de alguns investimentos feitos por alguns proprietários, a maioria dos terrenos vai ficando abandonada, avançando o mato e o risco de incêndios...

O despovoamento e, nalguns casos, a consequente desertificação, é um problema demasiado complexo para ser resolvido com a criação ou instalação arbitrária de secretarias de Estado em locais "à sorte"... Exige um outro olhar para o Território, para o Ambiente, para o Desenvolvimento sustentado, coeso e coerente, traduzido em políticas sérias, coerentes, adequadas e persistentes de médio e longo prazo.

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 14.06.2020

    Há mais de 30 anos, escrevi contra essas inevitabilidades, que o serão se nada for feito para o evitar... Há uns 25 anos, vivi um, talvez o último nas últimas décadas, período de forte investimento e consequente dinamização local em Alvito. Investimento público e privado, que levou ao aumento da população (um dos cinco concelhos no Alentejo, se não estou em erro). Fixaram-se algumas famílias, algumas das quais continuaram a ter o seu posto de trabalho em Lisboa mas passaram a viver em Alvito ( em teletrabalho ou iam um dia lá uma vez por semana). Houve muita promoção do território e do quanto pode ser bom viver, em permanência ou quando se tem tempo livre, no Interior, sem que as pessoas aqui se "enterrem", beneficiando das ligações que existem aos centros urbanos maiores... Naturalmente que tudo isto apoiado em políticas "regionais", nacionais e europeias mais amigas do que as actuais, que agora acentuam mais essas inevitabilidades... Parece-me evidente que nem todos os locais são recuperáveis, mas não me parece inevitável nem desejável continuar alegremente a permitir o despovoamento de (quase) todo o Interior e a sua consequente desertificação.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 15.06.2020

    Quando havia intercidades direto Vila Nova -» Lisboa -» Vila Nova ...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.