Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Adolescentes e jovens adultos foram os mais afetados no primeiro confinamento geral”

Zé LG, 18.01.21

240620151806-754-ANAMATOSPIRES.jpg

Ana Matos Pires, diretora do Serviço de Psiquiatria da ULSBA e coordenadora Regional da Saúde Mental do Alentejo, diz que “no primeiro confinamento foram os adolescentes e os jovens adultos os mais afetados” e considerou ter sido “uma boa medida manter as escolas em regime de ensino presencial” por ter “um impacto positivo na saúde mental” destas faixas etárias.

Para Ana Matos Pires, os "impactos deste novo confinamento não deixarão de ser preocupantes, mas vão ser mais leves, pois deixa de existir o elemento surpresa contudo, a ansiedade vai subsistir, assim como o agravamento de algumas situações relacionadas com as pessoas cuja situação económica se complique".

5 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 20.01.2021

    Coitadinhos dos meninos que continuam em festas e em grupos à porta das escolas. Ora porra sra doutora. Saúde mental? Pois...
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 20.01.2021

    Saúde física vs saúde mental!...O dilema!
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 20.01.2021

    Não consigo entender a tolerância que existe relativamente aos jovens. Era coerente que se o governo limita vários sectores da nossa economia que não têm outra fonte de subsistência e rendimentos, deverias dar o exemplo e encerrar, autarquias, finanças, seg social, escolas e outros serviços do estado.
    A solução está na rua e não nos hospitais. Quem menos tem ajudado são os nossos jovens que reconheço que Abril não soube educar a respeitar o próximo.
    Deficit enorme de cidadania e tolerância. É um sinal mais importante do que a saúde mental dos nossos meninos. Ou não?...
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 21.01.2021

    Não partilho da sua opinião.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.