Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

A importância dos recursos humanos nas organizações

Zé LG, 26.02.14

É fácil compreender que as pessoas constituem o principal recurso de qualquer organização. Para além de todas as outras razões existe uma que é determinante para que assim seja. As pessoas têm inteligência e vontade próprias. As matérias-primas, os factores de produção, os equipamentos, em especial os computadores, que são os que mais se aproximam das pessoas, são igualmente importantes para o produto final. Mas nenhum deles tem vontade própria com a qual seja capaz de influenciar o funcionamento da organização.

Mas se é fácil compreender isso já o mesmo não acontece na mesma medida em ter isso sempre presente na condução das organizações.

Veja-se o que acontece tantas vezes em tantas organizações com os seus líderes a enfatizarem a importância de contar com as pessoas, “com todos”, para alcançarem os objectivos definidos para as suas organizações e depois, na prática, a não serem capazes de contar “com todos”, de valorizar suficientemente os recursos humanos disponíveis e até a colocar alguns “na prateleira”, como se de bens descartáveis se tratassem.

Para que tal aconteça muito tem contribuído a política dominante nos dias que correm de desvalorização do trabalho e dos trabalhadores. É frequente líderes governamentais, de empresas e de outras organizações apontarem como primeira medida para equilibrarem as contas ou relançarem a capacidade económica o despedimento de trabalhadores, logo seguido da redução de salários e de outros direitos. Trata-se, sem dúvida, de subverter a importância dos recursos humanos e de contribuir para a sua desmotivação e consequente quebra de produtividade.

Ter a capacidade de mobilizar e envolver as pessoas, os trabalhadores nos objectivos e nos projectos das organizações é meio caminho para o seu sucesso. Os líderes que não são capazes de compreender isso acabam, mais cedo ou mais tarde, por sofrer as consequências de cometerem esse erro de palmatória.

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    12.06.2014

    Os recursos humanos da ULSBA, se é a isso que se quer referir , são e tem sido tão bem geridos agora como no passado. A actual líder era a gestora dos recursos humanos e como tal está tudo dito .Há ainda alguém que não saiba que essa senhora devia de ser impedida de continuar a vir ao hospital porque não tem competências , não sabe, não está bem de saúde e precisa de tratamento prolongado resguardado para não fazer mais estragos?
    Olhe quando esteve ausente mais tempo ao menos não lhe via os tanto as asneiras. Sim porque ausente tem ela estado sempre.




  • ÀAAAAAhhhh. De novo a ULSBA!
    Pensávamos todos que o tema se tinha já esgotado, mas não.
    Não há assunto algum que lhe resista.
    ULSBA. ULSBA. ULSBA. FOR EVEEEEERRRRRRRRRRRR.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 13.06.2014

    Não vejo qual é a admiração. É uma das maiores empresas do distrito. E nela campeiam práticas fascistas sobre os seus próprios recursos humanos!
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.