Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

BE avança com iniciativas legislativas sobre monoculturas

Zé LG, 13.05.19

O Bloco de Esquerda entregou na Assembleia da República dois projectos de lei e um projecto de resolução sobre monoculturas.

Segundo o BE o objectivo destes projectos é “promover o ordenamento numa área tão sensível para o ambiente, a saúde pública e o futuro das próximas gerações”. Consideram ainda os bloquistas que “é preciso acabar com a impunidade e a ausência total de regras que só servem a especulação e nada têm a ver com uma agricultura sustentável”.

Leia e oiça também aqui.

Moisés Ferreira (BE) visita Hospital de Beja e reúne com movimentos cívicos

Zé LG, 17.03.19

Moisés Ferreira.jpgO deputado do Bloco de Esquerda, Moisés Ferreira, na próxima segunda-feira, 18, visita o Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, onde contactará a gestão da ULSBA, profissionais de saúde e utentes, com o intuito de conhecer os principais problemas e experiências inovadoras.
Ao final da tarde o deputado, membro da Comissão Parlamentar de Saúde, reunirá com movimentos cívicos que representam utentes e intervêm em Beja na área da saúde.
Nestes contactos, o deputado apresentará o projeto do BE de nova Lei de Bases da Saúde, elaborado com os valiosos contributos de António Arnaut e João Semedo.

“Travar as Monoculturas” é tema de Encontro Internacional do BE em Beja

Zé LG, 06.02.19

P1010800.JPGNo dia 23 de Fevereiro, Marisa Matias, cabeça de lista às Europeias, visita a Feira do Queijo de Serpa e alguns campos agrícolas da região, em antevisão do encontro “Travar as Monoculturas”, que se realiza no dia seguinte, 24, em Beja. Esta iniciativa conta também com a participação da deputada do BE, Maria Manuela Rola e de representantes da Izquierda Unida, ecologistas da Andaluzia, membros da Associação Ambiental Amigos das Fortes e muitos activistas sociais e ambientais do distrito. Um encontro apresentado por Alberto Matos, da Coordenadora Distrital de Beja do Bloco de Esquerda. Leia e oiça também aqui.

Alberto Matos diz que “Em 2018 ficaram para trás os projetos estruturantes do Baixo Alentejo” e em 2019 é preciso atenção às monoculturas e à migração

Zé LG, 13.12.18

161020131058-735-AlbertoMatos.jpgAlberto Matos, da Coordenadora Distrital de Beja do BE. Alberto Matos considera que o Governo cumpriu os mínimos este ano e que em 2018 ficaram para trás, uma vez mais, os projetos estruturantes do Baixo Alentejo. BE avança que vai, em 2019, centrar atenções na questão das monoculturas e nas políticas direcionadas para a migração que combatam a questão do trabalho escravo .

BE QUESTIONOU GOVERNO SOBRE AVARIA DE AUTOMOTORA COM DESTINO A BEJA

Zé LG, 13.08.18

Comboios-Beja-768x432.jpg

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda questionou o Governo, através do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, sobre a avaria, do dia 3 de Agosto, na automotora que fazia a ligação entre Casa Branca e Beja.

Entre outras questões, o Bloco quer saber quando é que o Governo se compromete a repor o cumprimento dos horários da CP que estão anunciados e que que medidas “urgentes e inadiáveis” vão ser implementadas para requalificar a linha do Alentejo bem como o material circulante utilizado.

Alberto Matos, coordenador do Bloco de Esquerda em Beja considera “inacreditável” o que se passou no dia 3.

Comboio do conhecimento.png

Em seu entender é preciso dizer “basta”, acabar com “cantigas” e avançar com “acções de protesto a sério”. 

Se a situação não fosse trágica, até seria anedótico compará-la com a publicidade da CP sobre o Comboio do Conhecimento: “NÃO FIQUES APEADO”…

Está na hora de os alentejanos e as alentejanas encararem formas de luta contra a reiterada falta de respeito do CP, dos governos e do Estado português que expressem o nosso DIREITO À INDIGNAÇÃO.

VAMOS LÁ TROCAR UMAS IMPRESSÕES... SOBRE UM "CASO" QUE ESTÁ DAR MUITO QUE FALAR...

Zé LG, 27.07.18

Um vereador, eleito por um partido da Esquerda e que muito tem combatido a especulação imobiliária, comprou há uns anos, com a irmã, um prédio, quase devoluto e a precisar de obras, fez obras e um contrato de aluguer com o inquilino. Agora colocou-o à venda e ao que parece prepara-se para o vender por muitíssimo mais dinheiro do que o comprou.

Segundo diz, cumpriu todas as normas e pagou e vai pagar todos os impostos e taxas devidas.

Tenho visto e lido muita gente, à semelhança do que têm feito representantes dos partidos da direita (e não sei se também por outros das Esquerdas), a censurar o comportamento do vereador, porque não estará agir de acordo com o que diz defender.

Podem-me explicar melhor estas censuras, bem como deveria agir o vereador para ser coerente com o que defende?

ATÉ SEMPRE CAMARADA JOÃO SEMEDO!

Zé LG, 17.07.18

JS.jpg

O ex-coordenador do Bloco de Esquerda morreu esta terça-feira, aos 67 anos, depois de anos de uma batalha contra o cancro, iniciada em 2015, quando renunciou ao mandato de deputado da Assembleia da República, que exercia desde 2006.

Depois de 30 anos de militância no PCP e de ter participado na criação da Renovação Comunista, João Semedo aderiu ao BE em 2007, apesar de ter integrado, enquanto independente, as listas do BE às eleições europeias de 2004.

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi outra das grandes paixões e vocações da vida de João Semedo, que juntamente com o fundador do PS António Arnaut, recentemente falecido, lançou, em janeiro deste ano, um livro que serviu de base ao projeto de lei do BE para uma nova Lei de Bases da Saúde.

 

Cruzei-me com João Semedo no PCP, na Renovação Comunista e quando fui candidato à Câmara de Beja pelo “Por Beja com Todos”, que o BE apoiou.

Recordo-o como um lutador por uma sociedade mais justa, com firmes convicções, apostado na convergência e na unidade das esquerdas, tolerante e com quem se estabelecia uma fácil empatia.

À Família e ao BE apresento as minhas sentidas condolências.

BE DIZ QUE A SITUAÇÃO DOS BARROS DE BEJA É “INSUSTENTÁVEL”

Zé LG, 01.03.18

009.JPG

O BE discutiu a situação atual dos “melhores solos do país, como os barros de Beja” e concluiu que é “insustentável”, devido à erosão, sobrecarga de pesticidas e fitofármacos que ameaçam a vida animal e vegetal, pelo que “apresentará iniciativas legislativas que visam estabelecer limites à proliferação de monoculturas intensivas, quanto à sua densidade, às áreas de manchas contínuas e ao respeito de corredores ecológicos que salvaguardem a biodiversidade.”

O BE considera que a EDIA tem de impor regras de diversificação cultural e proteção ambiental e que “é preciso deixar claro que o abastecimento de água às populações é prioritário face às monoculturas que poucos empregos criam e lucram milhões à força de trabalho escravo.”

CATARINA MARTINS AFIRMOU “QUE É PRECISO NOVAS REGRAS PARA O ORDENAMENTO DOS NOSSOS RECURSOS HÍDRICOS”

Zé LG, 30.10.17

210720171649-409-CatarinaMartins.jpg

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) esteve de visita a uma exploração, situada perto de Beja, onde uma empresa espanhola terá destruído uma ponte romana e quase duas dezenas de sítios arqueológicos assinalados no Plano Director Municipal para plantar 3 mil hectares de amendoal.
A líder do BE falou do Alqueva e da necessidade da água para “haver agricultura, emprego, desenvolvimento”, acrescentando que “o que estamos a assistir é que o terreno está todo a ser ocupado, nomeadamente o melhor terreno agrícola, por culturas intensivas”, que “não criam emprego propriamente na região, ... e têm tido danos a vários níveis, ambientais desde logo”.
Catarina Martins não tem dúvidas “que é preciso novas regras para o ordenamento dos nossos recursos hídricos, porque Portugal precisa de água, tem de a proteger, tem de a saber usar”.

CATARINA MARTINS PARTICIPA HOJE NA ASSEMBLEIA DISTRITAL DE BEJA DO BE

Zé LG, 29.10.17

21150313_1919361908090793_8228194591321293404_n.jp

A Coordenadora do Bloco de Esquerda participa na Assembleia Distrital do seu partido, que se realiza hoje, às 15h00, na Casa da Cultura de Beja, para tratar do balanço das eleições autárquicas e da Situação política: OE para 2018; incêndios; saúde; educação; combate às agressões ambientais (e não só) das monoculturas;  greve na Somincor; plenário de imigrantes na Zambujeira.

A chegada de Catarina Martins está prevista para o meio-dia (12h00), com paragem na reta Beringel-Beja (junto à Diabrória) para denunciar a destruição de sítios arqueológicos numa área de 3000 hectares para plantação de amendoal pela empresa espanhola De Prado, seguindo-se um almoço no restaurante Luís da Rocha às 13h00.

BE defende melhoria das acessibilidades em Beja

Zé LG, 19.09.17

IMG_9123-768x576.jpg

O candidato do Bloco de Esquerda à Câmara de Beja considera necessário melhorar as acessibilidades internas e externas do concelho. José Pedro Oliveira disse ontem, em entrevista à Rádio Pax que para além da electrificação da ferrovia e da beneficiação de algumas vias como o IP8 é preciso melhorar as estradas que servem as diferentes populações do concelho.

Defende a criação de uma rede de transportes municipais que assegure “ligação e comunicação fácil entre as comunidades mais rurais e mais afastadas [da cidade]” e  quer que seja garantido o acesso de todos os cidadãos aos serviços, especialmente os portadores de deficiência.

O candidato do BE defendeu durante a entrevista um maior envolvimento e participação dos munícipes nas decisões do município.

BE DIZ QUE BEJA PRECISA DE NOVAS SOLUÇÕES

Zé LG, 09.09.17

be.jpg

A líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, que participou na apresentação dos candidatos a Beja, afirmou que Beja precisa de novas soluções, porque as velhas já provaram não conseguir dar resposta aos problemas com que se debate.

José Pedro Oliveira, o candidato do BE à presidência da Câmara de Beja, passou em revista, as principais propostas do programa do BE para o concelho, destacando as questões da inclusão, o apoio ao associativismo e a introdução da democracia participativa, incluindo os orçamentos participativos

José Pedro Oliveira disse ainda, que os funcionários da autarquia têm de ser mais valorizados e garantiu que o BE representa as pessoas, não as substituí.