Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Grupo empresarial de Macau comprou Monte do Pasto ao Novo Banco

Zé LG, 09.10.19

vacas-monte-do-pasto-charoles-slider-min-660x330.jO grupo CESL Ásia – Investimentos e Serviços adquiriu, ao Novo Banco, o Grupo Monte do Pasto, localizado nos municípios de Cuba e Alvito, no Alentejo, que reúne 3.700 ha de terras agrícolas, usadas principalmente como pastagens, e apresentou uma visão para o desenvolvimento da Plataforma Focus, base operacional para empresas de alimentos e energia verde em Portugal, Macau, China e Países de língua portuguesa.

O grupo CESL Ásia planeia desenvolver, com o Monte do Pasto, uma plataforma Portugal-Macau que potencie as produções existentes, permita o lançamento de novas actividades agrícolas e pecuárias e intensificar as exportações para os mercados de Macau e China e aproveitar as oportunidades para a cooperação social e económica entre China, Portugal e os Países de Língua Portuguesa (Plataforma de Macau).

De acordo com o plano económico-financeiro delineado, o CESL Ásia prevê que, até 2021, o volume de negócios aumente para cerca de 70 milhões de euros, com 550 funcionários, dos quais mais de 100 serão baseados em Portugal.

Crescimento económico a todo o custo?

Zé LG, 29.09.19

Fábrica.jpg

Todos sabemos que o crescimento económico é importante para o desenvolvimento. Mas deve acontecer a qualquer preço? Com prejuizo para o ambiente e para a saúde das populações? Do que espera o governo para monitorizar as condições em que esta fábrica (Fábrica de Fortes, Ferreirra do Alentejo) labora e obrigar os seus proprietários a cumprir as normas de funcionamento? O que dizem as candidaturas distritais à AR sobre o assunto e que compromissos assumem para os resolver.

Central de Cervejas adquiriu a Água Castello

Zé LG, 06.08.19

A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas anunciou esta segunda-feira que adquiriu a um grupo de investidores privados liderado pela Capital Criativo a totalidade da Mineraqua Portugal, que detém a concessão e a marca Água Castello, com "efeitos a 1 de agosto". Na Água Castello laboram 23 pessoas.

água.jpgA Água Castello tem a sua unidade de enchimento em Pisões, Moura, no Alentejo, "ecossistema que confere características únicas e diferenciadas a esta água mineral natural gaseificada”.

Projecto (Des)construir para a economia circular reuniu na CIMBAL

Zé LG, 21.03.19

amcal.jpgEstiveram presentes técnicos do LNEG – Laboratório Nacional de Energia e Geologia e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, com preciosos contributos para o desenho de um sistema integrado de gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD’s) para o Baixo Alentejo, candidatável a fundos comunitários.

(Des)construir para a economia circular tem como principais objectivos eliminar a deposição ilegal de RCD, reduzir a deposição em aterro de RCD, reduzir o consumo de recursos naturais e recuperar, reutilizar e reciclar os resíduos.

Efacec vai instalar central fotovoltaica em Moura

Zé LG, 05.03.19

paineis-solares-768x432.jpgA empresa anuncia que viu adjudicada pela EDIA - Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas de Alqueva, a central fotovoltaica de Moura com 1 MW (Megawatt), que “vai permitir a distribuição de energia para 801 habitações”.

Esta central de Moura pode contribuir para solucionar o problema dos 105 trabalhadores que perderam o seu posto de emprego, com o encerramento da fábrica de painéis solares de Moura, detida pelos espanhóis da Acciona.

“Olival no Alentejo: a revolução agrária 4.0 à volta do Alqueva”

Zé LG, 25.02.19

thumbs.web.sapo.io.jpgHá uma mudança na paisagem do Alentejo. A reboque do olival intensivo e superintensivo a planície dourada está a dar lugar a um manto verde. Associações ambientalistas e investigadores (Universidade de Évora) alertam para os perigos dos pesticidas e pedem boa gestão da água. Agricultores (Olivum) e Câmara Municipal de Beja defendem que promove investimento, dinamiza a economia, cria emprego e fixa populações. O Ministério da Agricultura e entidades públicas (EDIA e INIAV) reforçam que não provoca danos ao ambiente.

Veja aqui a reportagem de Miguel Morgado, para o SAPO 24.

Secretário de Estado da Internacionalização defende um “território mais amigo da captação de investimento”

Zé LG, 31.01.19

Captação-768x432.jpgEurico Brilhante Dias, secretário de Estado da Internacionalização esteve esta manhã em Beja, na sessão de informação sobre Internacionalização e Captação de Investimento, defendendo que é preciso “trabalhar com os Municípios para tornar o território [português] mais amigo da internacionalização e da captação [de investimentos]”, porque que é necessário “construir um território mais propício ao investimento nacional e estrangeiro, mas acima de tudo”, para que é preciso mostrar aos investidores que Portugal “é o local indicado para desenvolver actividades económicas” e salientou a importância de criar emprego e fixar população para serem “criadas oportunidades de desenvolvimento (…) e captar investimento”.

CIMBAL recebe sessão sobre economia circular

Zé LG, 25.01.19

Xylella Fastidiosa pode arrasar olivais alentejanos

Zé LG, 17.01.19

IMG_5745.JPG

Chama-se Xylella Fastidiosa, é uma bactéria identificada há cerca de um ano e meio em Alicante e que deixou em pânico os agricultores espanhóis. O impacto desta bactéria repercute-se em quebras drásticas de produção e é visível por causar necroses nas folhas das árvores, sejam amendoeiras, oliveiras e citrinos e mesmo a vinha.

No Alentejo, o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) está a fazer o controlo das oliveiras para sinalizar eventuais contágios mas os produtores reclamam por apoio governamental para controlar e prevenir a doença.

As consequências mais dramáticas da Xylella Fastidiosa em Portugal podem concentrar-se sobretudo no Alentejo, "onde estão concentradas dezenas de milhões de oliveiras, amendoeiras e outras árvores de fruto que são o habitat ideal para a propagação de uma praga que já preocupa os olivicultores alentejanos, sobretudo os que exploram grandes áreas de olival intensivo e superintensivo".

Secretário de Estado das Pescas em Mértola

Zé LG, 08.01.19

1.JPGO Secretário de Estado das Pescas, José Apolinário, reuniu-se no passado sábado, em Mértola, com os presidentes das Câmaras de Mértola e Alcoutim, a Capitania do Porto de Vila Real de Santo António, o ICNF, as Juntas de Freguesia de Mértola, de Santana de Cambas, de Espírito Santo, de Alcoutim, e pescadores dos concelhos de Mértola e Alcoutim, com o objetivo de criar um regime especial para a pesca profissional no rio Guadiana, que mantenha e incentive a pesca profissional no rio, sendo este um motor de desenvolvimento económico, mas também um meio de manter as tradições do concelho, a ligação ao rio e aos seus recursos gastronómicos.

EDIA avança com primeira URSA em Serpa

Zé LG, 16.12.18

URSA.jpgA EDIA -Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas de Alqueva está a implementar a primeira unidade do projecto URSA – Unidade de Recirculação de Subprodutos de Alqueva, no concelho de Serpa.

Segundo a EDIA, “este projecto apresenta uma estrutura assente no uso eficiente de recursos, nomeadamente na protecção do solo e da água, e na valorização de subprodutos, contribuindo para acelerar a transição para a economia circular, através de uma agricultura em linha com os princípios deste novo paradigma”.

SE do Ambiente em Évora para discutir economia circular

Zé LG, 14.12.18

secretario-de-estado-do-ambiente-carlos-martins-.jO Secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, participa numa sessão conjunta organizada pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento do Alentejo (CCDRA) e pelo Fórum da Economia Circular do Alentejo, para debater precisamente a economia circular, no âmbito da Agenda Regional para a Economia Circular do Alentejo, nesta sexta-feira, 14, às 10 horas, .

Esta sessão conta com a participação do Presidente Da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, Roberto Grilo e a representante da FECA Rita Martins, bem como das Comunidades Intermunicipais do Alentejo (CIM's) e da Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo.

“Zona de Acolhimento Empresarial Norte” de Beja vai avançar

Zé LG, 20.11.18

O projeto de execução da “Zona de Acolhimento Empresarial Norte” foi consignado, através de assinatura de contrato entre as partes, à empresa Construções J. J. R & Filhos, S. A., avança a Câmara Municipal de Beja, em nota de imprensa.

A empreitada representa um investimento de cerca de 1 milhão e 700 mil euros, com IVA à taxa legal em vigor incluído, e irá permitir a instalação, numa primeira fase, de 20 empresas no novo perímetro, com a consequente criação de postos de trabalho no concelho, segundo a autarquia bejense.

Prémio Economia Circular nas Empresas do Baixo Alentejo e Litoral

Zé LG, 02.11.18

201810301003281190.jpg

O NERBE/AEBAL e a CCDRAlentejo estão a promover o Prémio Economia Circular nas Empresas do Baixo Alentejo e Litoral.
Podem candidatar-se ao Prémio, pessoas singulares ou colectivas constituídas sobre qualquer forma jurídica, com sede ou estabelecimento no Baixo Alentejo ou Alentejo Litoral. As candidaturas podem ser feitas, até às 18.00 horas, do dia 21 de Novembro.

“PIOR SECA DOS ÚLTIMOS 20 ANOS” REDUZIRÁ EM 50% ÁREA REGADA E TERÁ CONSEQUÊNCIAS NA ECONOMIA RURAL

Zé LG, 20.02.18

201802192318235843.jpg

A FENAREG – Federação Nacional de Regantes alerta que este ano “haverá fortes restrições em quase todas as obras de rega” e frisa que “a maioria não terá água”, lembrando que “após quatro anos consecutivos de precipitação inferior à média, as reservas de água situam-se agora nos 36%”.

Isto significa para a FENAREG que mais de 50% das áreas irrigáveis não vão poder ser regadas em 2018, que os agricultores são os primeiros a ser afetados pela seca e que terão que adaptar as culturas e as áreas cultivadas à água disponível. Acrescenta que redução de colheitas e menores rentabilidades são efeitos da seca prolongada e que acabam transferidos à indústria agroalimentar e à economia rural.

Para a FENAREG a seca vai provocar em 2018, um prejuízo direto estimado de mais de 1,1 mil milhões de euros no saldo da balança comercial e por tudo isto pede “urgentes medidas compensatórias aos agricultores pelo agrupamento de custos com a rega.”

Para a FENAREG o Programa Nacional de Regadios, cujo arranque foi assinalado pelo ministro da Agricultura no passado dia 2, é “mais um progresso na adaptação às alterações climáticas” e refere, igualmente, que “como aposta na competitividade da agricultura, também a PAC pós 2020 deve assegurar a continuidade dos investimentos em regadio para melhor resiliência aos períodos de seca.”

GADE DE ALVITO MUDA DE INSTALAÇÕES

Zé LG, 15.01.18

120120181146-806-GADEAlvito.jpg

O Gabinete de Apoio ao Desenvolvimento Económico de Alvito mudou de instalações, passando a funcionar no edifício situado no Largo do Relógio, nº 13, em Alvito, junto ao Balcão Único de Atendimento da Câmara Municipal

De acordo com a autarquia, “esta mudança de instalações pretende melhorar a facilidade de acesso de todos os interessados aos serviços nele disponibilizados, criando assim maiores sinergias com os agentes económicos locais no sentido de, em conjunto, se potenciar o desenvolvimento económico do concelho”.

FUNDO AMBIENTAL PORTUGUÊS PREMEIA “UNIDADES DE RECIRCULAÇÃO DE SUBPRODUTOS DE ALQUEVA”

Zé LG, 24.10.17

O projecto “Unidades de Recirculação de Subprodutos de Alqueva”, desenvolvido pela EDIA, em parceria com o ISQ, foi o terceiro classificado entre 66 candidatos pelo Fundo Ambiental Português, no quadro do programa “Apoiar a Transição para uma Economia Circular”, recebendo 50 mil euros para o desenvolvimento de um Plano de Implementação.

De acordo com a empresa que gere Alqueva “visa a criação de um conjunto de unidades de recolha, tratamento e transformação de subprodutos agrícolas em fertilizante para aplicação no solo, distribuídas pelo território do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, concretizando assim a estratégia integrada de promoção da matéria orgânica no solo”.

“Estas unidades pretendem devolver ao solo os nutrientes que são retirados através da agricultura, reduzindo deste modo as necessidades de adubação e aumentando a rentabilidade das culturas”, adianta a mesma fonte.

A EDIA acrescenta que “prossegue com o seu propósito de ir para além do fornecimento de água aos agricultores de Alqueva, reforçando o seu contributo efectivo no apoio ao sector agrícola, na promoção do uso eficiente de recursos e na protecção do solo e da água”.

CCDR ALENTEJO APRESENTOU PROJETO SOBRE ECONOMIA CIRCULAR NA SEMANA EUROPEIA DAS REGIÕES E CIDADES

Zé LG, 15.10.17

2254_ccdra-pulido-valente-rta-.jpg

Terminou em Bruxelas, a 15.ª Semana Europeia das Regiões e Cidades, uma iniciativa promovida pelo Comité Europeu das Regiões e pela Direção-Geral da Política Regional e Urbana da Comissão Europeia, onde “funcionários das administrações das regiões e dos municípios, bem como peritos e académicos, puderamm trocar boas práticas e conhecimentos sobre o desenvolvimento regional e urbano”.
Jorge Pulido Valente, vice-presidente da CCDRA, afirma que “a CCDRA entendeu, em conjunto com os seus parceiros mais diretos, levar a este evento o tema da economia circular, tendo em conta que é uma área em que estamos a trabalhar com alguma dinâmica, que tem sido inclusive reconhecida em termos nacionais relativamente àquilo que é a intervenção das comissões de coordenação nos seus territórios”.
Indicou ainda que “a nossa intervenção tem a ver com trabalhar o tema da sustentabilidade como um desafio importante para a região”, focando que, “do nosso ponto de vista, as CCDR devem procurar territorializar aquilo que são as políticas nacionais em várias áreas, pelo que temos vindo a desenvolver vários projetos”.