Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando com post nos mais comentados no SAPO

Zé LG, 01.01.24

Estes foram os posts mais comentados no SAPO durante o fim-de-semana.

1. Prognósticos antes do jogo (68), in: És a nossa Fé!

2. Perdoem-me a imodéstia (42), in: Delito de Opinião

3. As Notas de Julius 2023/24 (24) (35), in: Camarote Leonino

4. Votos de Um Excelente 2024 (25), in: Educar (Com)Vida

5. Com a CDU em Beja, em 40 anos pouco se viu?!... (23), in: Alvitrando

“O que se passou no dia seguinte (ao 25 de Abril), já é outra parte da História”

Zé LG, 19.12.23

eduardogageiro01.jpg«… ou bem que falamos direito ou então divagamos na já gasta retórica distorcida da História sobre o 25 de abril de 1974.

Essa data apenas tem um único significado, que foi o de um golpe de estado perpetrado por oficiais de patentes intermédias das Forças Armadas. Que se organizaram primeiro com o argumento da defesa dos interesses corporativos da classe, mas depois e de facto como forma de acabar de vez com a guerra colonial. A título de curiosidade dizer que os guerrilheiros do PAIGC ainda hoje se vangloriam com o facto da maior parte dos militares do 25 de abril estiveram a fazer serviço na Guiné. E que foi com a surras que lá levaram que perceberam que tinham que acabar com a guerra colonial.

Embora, como princípios gerais para justificar tal acção, aparecesse a teoria dos 3 Ds, ou seja Descolonização, Democratização e Desenvolvimento, do país.

O que se passou no dia seguinte, já é outra parte da História, assim como a luta partidária e política entre as forças em questão imporem o seu modelo de sociedade.

Luta essa que dura até aos dias de hoje e de que este blog é o seu reflexo.»

Anónimo 18.12.2023, aqui.

“Há é de tudo por aqui”

Zé LG, 03.12.23

«É uma das caracteristicas aqui de LG, é ir à procura de avençados ou de jornalistas pouco ou nada isentos ou politicamente alinhados em particular com a suas causas. Para depois expõr aqui as suas sectárias e tendenciosas opiniões, como se fossem verdades insofismáveis. Embora não tenha nada contra e até julgo não vir daí mal algum ao mundo. Arrisca-se é ele e outros camaradas que aqui vêm, sejam eles de esquerda ou de direita, a ser contraditados e a lerem o que não gostariam ou que não concordam. O que até estará correto e assim deva ser, num blog generalista e plural, que até prova em contrário julgo ser o caso. Bem diferente do que uma sede de partido, e estou a lembrar-me em particular daqueles em que a unanimidade é a regra, ou uma festa ou reunião politica organizada por um deles. Há é de tudo por aqui, mas desde que as criticas sejam feitas com o mínimo de elevação, respeito mútuo e algum humor q.b., estamos todos satisfeitos e o dono deste blog em particular. ...» Anónimo, 02.12.2023, aqui.

"Estado de Barrancos" descontinuou... Parou.

Zé LG, 21.11.23

DSC_0062.JPGNo dia em que começou o “mês da fêra”, o "estado de Barrancos" fez uma pausa, que poderá ser definitiva, depois de quase 17 anos, 12 588 post, notícias, artigos, crónicas, etc… 10 982 comentários (publicados). Recebeu 3 995 500 visitas (até às 23h00 de 31/07/2023). O "estado de Barrancos" (eB) divulgou ou ajudou a divulgar, factos, acontecimentos, eventos, feiras, festas e romarias. De Barrancos e arredores, sem esquecer "o país e o mundo". O eB fez o seu caminho. Não chegou ao fim, porque o caminho faz-se caminhando, e há sempre mais caminho para caminhar. Hoje parou. Para descansar o escriva e descansar os leitores. Isto é notícia, e depois desta, outras noticias haverá, mas não estarão aqui! O eB parou de atualizar, mas as suas notícias continuam online. Para memória futura. 

Obrigado Jacinto Saramago! Esperamos que seja um “até já!” e que volte depressa. A blogosfera em geral e a regional, em particular, precisam do Estado de Barrancos.

António Costa diz que a ele lhe compete fazer mas não faz

Zé LG, 11.10.23

Sem nome (44).pngQuando é solicitado a comentar qualquer declaração do Presidente da República, António Costa costuma dizer que a ele, enquanto primeiro-ministro, lhe compete fazer, enquanto outros falam. E também já tem salientado a sua preferência por funções executivas. Importa, a propósito, lembrar que deve ser o político com funções executivas durante mais tempo desde o 25 de Abril.

Mas, se António Costa reconhece que lhe compete fazer, naturalmente através do seu governo e da administração pública, porque não faz o que é preciso, ou na medida em que é preciso?

 

 

“estruturas partidárias tendem a tornar-se em aparelhos absolutistas”

Zé LG, 05.10.23

image_2023-10-05_13-44-58.jpg«… concordo que em relação à classe política, deveria existir um escrutínio idêntico ao de outras profissões, com o estabelecimento prévio, de um conjunto de requisitos pessoais, técnicos, profissionais e humanos, mas estaremos cada vez mais longe desse desígnio! As estruturas partidárias tendem a tornar-se em aparelhos absolutistas, egocêntricos e individualistas, onde se priveligia a iniciativa individual (ou centralmente imposta) em detrimento da escolha colectiva ou corporativa! Por outro lado, acresce a má imagem pública que a classe governante de um modo geral (e acentuada nas últimas décadas) transmite aos cidadãos, numa redução do exercício político a um modus vivendi errático, lamacento e tantas vezes incompetente! E nesse plano, têm-se dado um contributo claro para o afastamento dos mais capazes ou melhor preparados. Como consequência, lidamos com o que sobra desse quadro deprimente e osbceno! Anónimo 04.10.2023, aqui.

“estratégia desenhada pelo Governo não tem invertido a situação” dos cereais

Zé LG, 28.09.23

PCP (2).png«… Portugal está longe das metas a que se propôs para 2023 na Estratégia Nacional para a Produção de Cereais aprovada em 2018, na qual se preconiza uma autossuficiência de 50%, o que correspondia a 80% no arroz, 50% no milho e 20% noutros cereais. Neste momento, os níveis de aprovisionamento estão nos 10%, menos de metade do nível registado em 2018.
Este é o resultado de três choques: em primeiro lugar a pandemia, em segundo a seca e em terceiro a guerra na Ucrânia. Além desses fenómenos, de acordo com o Público, os produtores de cereais atribuem a culpa à Política Agrícola Comum (PAC) que liberalizou a produção agrícola desde 2005.» Daqui.

O “milagre” do IPBeja

Zé LG, 23.09.23

22395328_Yb3nu.jpeg«Segundo declarações prestadas pela atual presidente do Instituto Politécnico de Beja (IPB), Maria de Fátima Nunes de Carvalho, a futura residência para estudantes, financiada por Fundo Europeus (a única instituição pública que investe no distrito de Beja), com capacidade para 503 camas, estará concluída no ano lectivo 2024/2025, ou seja, daqui a 12 meses. … até hoje, nada se deu início.

… refere na mesma notícia, que está “muito satisfeita” com o número de colocados na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior. Em 2023, apenas 63% das vagas foram preenchidas, ou seja, entraram de 324 alunos, num total de 512 vagas (dados oficiais). ... Mas o pior, é mesmo o que acontece na Escola Superior Agrária, em que apenas foram colocados 3 alunos, num total de 123 vagas em 4 cursos. . Isto pede uma reflexão urgente e necessária, não só para a instituição, mas para a forma como os nossos impostos são usados e que futuro terá o IPB, enquanto instituição de ensino, sem alunos. Uma escola só existe e faz sentido, se houver alunos.» Daqui.

“deslumbramento tecnológico não resolverá todos os problemas”

Zé LG, 18.09.23

Sem nome (45).png«Diria que os presentes e futuros empreendedores já são viciados no telemóvel! E nem servirá de muito, se não houver uma consciência generalizada, proibir o uso do telemóvel dentro das salas de aula, se ao chegar a casa, os miúdos seguem o exemplo dos pais e até levam o dito para a cama! Como em tudo na vida, deverá imperar o bom senso dos educadores de modo a poder transmitir-se aos seus educandos e filhos, regras claras que deixem espaço à crítica, à discussão e à capacidade natural de raciocínio! Porque no final, o deslumbramento tecnológico não resolverá todos os problemas! Um uso racional da tecnologia disponível, seria já um grande avanço nesse sentido!» Anónimo 17.09.2023, aqui.