Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Gregos, Egípcios e Fenícios em Beja?”

Museu-Sembrano-Beja-768x432.jpgé o título de uma exposição que a EDIA inaugura, esta noite, no Núcleo Museológico da Rua do Sembrano, inserida no ciclo de exposições que está a desenvolver com base no espólio descoberto durante as intervenções arqueológicas realizadas na construção de Alqueva.

Antes da inauguração da exposição tem lugar a conferência “Um ainda Admirável Mundo Novo: Necrópoles rurais sidéricas dos plainos de Beja”, aberta ao público, por Rui Mataloto, arqueólogo no Município de Redondo, investigador na área do Alentejo Interior sobre diversos temas, com particular enfoque na Idade do Ferro.

Esta exposição pode ser visitada de terça a domingo, entre as 9:30h e as 12:30h e das 14:00h às 18:00h.

Apresentação pública da APBA esta tarde na EDIA

281220171213-442-Alqueva.jpg

O auditório da EDIA, na cidade de Beja, recebe, esta tarde, às 18.00 horas, a apresentação pública da APBA-Associação de Proprietários e Beneficiários do Alqueva, que conta com representantes de todos os perímetros de rega geridos pela EDIA, nomeadamente, Vale do Gaio, Monte Novo, Loureiro-Alvito, Caliços-Machados, Caliços-Moura, Orada-Amoreira, Alfundão, Ervidel, Roxo-Sado, Ferreira, Cinco Reis-Trindade, Beringel-Beja, São Matias, São Pedro-Baleizão, Baleizão-Quintos, Alvito-Pisão, Pias, Brinches, Serpa, Brinches-Enxoé, Pisão e Pedrogão.

O Sistema Global de Alqueva tem 120 mil hectares de regadio em exploração, com expansão prevista para 170 mil hectares até finais 2022.

A associação assume a missão de “representar os interesses legítimos dos proprietários e beneficiários do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva junto de todas as entidades oficiais”.

MOURA VAI TER MAIS 10 MIL HECTARES REGADOS POR ALQUEVA

CS2-768x511.jpg

O Ministro da Agricultura, Capoulas Santos, presidiu à apresentação, na Feira de Setembro, em Moura, do novo perímetro de rega Moura/Póvoa/Amareleja. O investimento de cerca de 37 milhões de euros vai criar 10 mil hectares de regadio no concelho.

O Governo estima que o novo perímetro de rega fique concluído em 2021. O investimento insere-se no plano de alargamento do regadio de Alqueva em 50 mil hectares, a que se juntam outros 50 mil hectares em vários pontos do país. Este alargamento deverá criar mais de 10 mil postos de trabalho na agricultura.

Antes da apresentação do novo perímetro de rega Moura/Póvoa/Amareleja, Capoulas Santos inaugurou o Lagar da Herdade de Vale Formoso e visitou a Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos.

REGANTES DE ALQUEVA CONSTITUÍRAM ASSOCIAÇÃO DE PROPRIETÁRIOS E BENEFICIÁRIOS DO EMPREENDIMENTO

184.JPG

A Associação de Proprietários e Beneficiários do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva (APBA) apresenta como objectivo da sua existência “colaborar e cooperar com o Governo, as autarquias, a administração pública, a EDIA, a EDP, as Infraestruturas de Portugal, as operadoras de telecomunicações, entre outras entidades, de forma a desenvolver uma estratégia e um plano de longo prazo que assegure a conservação, a manutenção, a sustentabilidade e a competitividade do Alqueva para as próximas gerações”.

“A METALURGIA DO COBRE NO SUL DE PORTUGAL ENTRE 3000 A 800 A.C” EM DEBATE NO MUSEU DA RUA DO SEMBRANO

201805231111592954.jpg

O Núcleo Museológico da Rua do Sembrano recebe esta noite, pelas 21.30 horas, a conferência “A Metalurgia do Cobre no Sul de Portugal entre 3000 e 800 a.C.”, integrada no ciclo expositivo “Sob a Terra e as Águas – Porque há sempre Novas Histórias para Contar…” e tem como conferencistas António Monge Soares e Pedro Valério, do Centro de Ciências e Tecnologias Nucleares, do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa.

A exposição “Sob a Terra e as Águas” pode ser visitada de terça a domingo, entre as 9:30h e as 12:30h e das 14:00h às 18:00h.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Há espaço para todos com certeza! Que o digam as c...

  • Anónimo

    Tenho todo o gosto em lhe responder de modo claro!...

  • Anónimo

    Muito bem! Exemplo de como uma ideia simples pode ...

  • Anónimo

    Devemos viver num planeta diferente, porque neste ...

  • Anónimo

    Alguém que nem sequer tem coragem para se mostrar ...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds