Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
21
Jan 09

A coordenadora da Rota do Fresco propôs uma parceria à AMCAL, que não só recusou como rescindiu o contrato que tinha com Catarina Vilaça, que decidiu agora fazer a gestão do projecto através de uma empresa que possui.

Alimentar esta polémica não serve a ninguém. Quanto perde a AMCAL com a eventual mudança do nome da rota ou com a sua aplicação a outros territórios? O que ganha a sua coordenadora com o eventual impedimento de acesso aos monumentos e pinturas que fundamentaram a criação da actual rota?

O poder, o sentido de posse e a propriedade, por mais legítimos que sejam, não devem ser levados ao extremo de prejudicar o bem comum e o interesse colectivo.

A importância deste projecto para o território para que foi concebido (Alvito, Cuba, Vidigueira, Portel e Viana do Alentejo) deve exigir dos seus responsáveis bom senso, visão e capacidade negocial para encontrar uma saída para o diferendo existente, de forma a contribuir, cada vez mais, para a sua promoção.

publicado por Zé LG às 19:23
por mim já devia ter acabado, alimentar essa sr.ª drª. é que não. a ancal pode efectivamente reactivar ou iniciar uma nova rota do fresco e já agora de pintura mural. por já tinha acabado
enoiro a 21 de Janeiro de 2009 às 21:21
LG : Sem querer duvidar de ti, gostaria que tal como fazem outros países mais desenvolvidos, em que todo e qualquer projecto tem que ser mais do que um conjunto de boas intensões. Nos digas e quantifiques as mais valias que esta Rota tem para esta região, de modo a que seja correcto continuar a financiá-la com o dinheiro dos nossos impostos.

Se porventura tal se venha a provar. de facto é uma pena que a AMCAL tenha acabado com esta parceria.
Caso contrário, este agrupamento concelhio não fez mais do que a sua obrigação. E a Sra. Dra. Catarina tem todo o direito uma vez que acredita nele, de continuá-lo às suas expensas e para tal deve ter todas as condições possíveis

Agora sem se provar que este é um projecto de interesse devidamente comprovado para a região e que traga mais-valias que justifiquem o dinheiro aí investido, não.
Manuel a 21 de Janeiro de 2009 às 22:09
"às suas expensas"?

De quem é o autocarro? Quem paga aos técnicos que fazem as visitas? Quem tem algumas despesas de manutenção com edifícios?

Durante anos, ela gastou tudo menos euros neste projecto. O que ela fez, foi criar condições para agora fazer o que fez.

Promover um projecto às nossas custas (contribuintes) e agora que o trabalho de promoção está feito, ficar ela e só ela com todos os créditos e ganhos monetários.

Tenham dó. Melhor táctica do que esta, ainda não vi.

A dra. é muito manhosa e esperta!
Anónimo a 22 de Janeiro de 2009 às 10:16
Parece que não leram nem ouviram as peças da Rádio Pax que deram origem a este meu alvitre. Aí, o presidente da AMCAL, Francisco Orelha, manifestou o desagrado pelo facto da Dr.ª Catarina Vilaça pretender gerir a Rota do Fresco através de uma sua empresa e ameaçou impedi-la de ter acesso aos monumentos nela integrados. Ou seja, a Dr.ª Catarina, face à não aceitação das suas propostas, decidiu avançar, por sua conta e risco, com o projecto. Se este constitui um peso para a AMCAL então por que não permitir que uma empresa privada o prossiga?
Zé LG a 21 de Janeiro de 2009 às 23:54
Para avaliarem bem, importava conhecerem bem a prepotente dr.ª catarina... eu conhecia no arranque do projecto rota do fresco e digo vos que não é nada facil desenvolver projectos/parcerias com esta sr.ª... ela é que sabe, ela é que conhece, ela é que manda. enfim é uma supra sumo e não sei se manda bem ou não na casa dela, mas pareceu me adorar mandar em casa alheia.
A AMCAL é gerida pelos municipios associados, que lhe dão sustentabilidade de gestão e financeira e gostam certamente de certamente de o fazer com alguma autonomia.
O projecto Rota do Fresco, foi criado e pago pela AMCAL, logo é a associação que cabe a decisão sobre o percurso que o mesmo deve seguir. Mas certamente que a cedencia do projecto a uma técnica oportunista não será certamente.....
anonimo a 22 de Janeiro de 2009 às 01:46
Por muito estranho que possa parecer, essa Srª. registou em seu nome tal projecto.Com que direito se a AMCAL foi quem o financiou, incluindo o chorudo ordenado que lhe pagava a ela? Achas correcto LG e ainda vens em sua defesa. Todos sabemos que foste tu que pra cá a trouxeste, mas daí a pactuar com as prepotências, luxos e caprichos da menina das pinturas, pera aí que já venho!
Anónimo a 22 de Janeiro de 2009 às 10:10
Caríssimo LG, eu até compreendo o seu lamento, mas, será preciso que venha uma pessoa externa para valorizar o património destes cinco concelhos? Então e os técnicos que as câmaras municipais tem nos seus quadros. Não acha que numa acção concertada com cabeça tronco e membros, esses técnicos, conseguiriam, não uma, mas várias rotas para estes concelhos. Deste os frescos à pintura Mural, desde as ermidas às igrejas, desde a paisagem à fauna e flora, ….
Caro LG, desta vez não posso estar de acordo com a sua posição…
enoiro a 22 de Janeiro de 2009 às 11:03
Salvo melhor opinião, a questão que se põe não é a de que lado está a razão mas como prosseguir este projecto, neste território, que sem dúvida deu notoriedade à região e até já contribuiu para a recuperação de alguns frescos.
Por aquilo que conheço da Dr.ª Catarina Vilaça não me parece merecer as críticas que aqui lhe têm feito, principalmento no tom utilizado.
O que considero fundamental é que a Rota do Fresco prossiga com este nome e neste território, promovendo a região e contribuindo para o restauro das pinturas e recuperação dos monumentos. A forma disso acontecer compete, naturalmente, a quem tem responsabilidades directas sobre ele.
Zé LG a 22 de Janeiro de 2009 às 13:47
A Catarina certamente não terá tudo mau, também deverá ter alguns encantos... Tem uns olhos bonitos é ?
anonimo a 22 de Janeiro de 2009 às 17:39
Sim parece que há por aí Malandrices.
Manuel a 22 de Janeiro de 2009 às 23:16
Caros amigos,

Pelo que li creio que a Catarina Vilaça pretende usufruir indevidamente de um património que não lhe pertence, mas que pertence a todos, independentemente que sejam alentejanos ou não. Muito do património existente em Portugal precisa de obras de conservação e restauro e creio que a empresa da Vilaça apenas serve para lhe encher os bolsos.

Falando um pouco do património de Alvito, a começar logo pela igreja matriz, os azulejos estão a precisar de consolidação e de restauro, caso contrário daqui a uns tempos começam a cair. Há duas ermidas em Alvito, a de S. Pedro e de S. Bartolomeu, que provavelmente para muitos não conhecem o seu interior... O qual é de bradar aos céus... Frescos lindos, que se não se fizer nada em breve hão-de deixar de existir, pois as suas condições estruturais deixam muito a desejar. O convento de S. Francisco em Alvito, que infelizmente não conheço o seu interior pessoalmente foi deixado ao abandono e a capela de Água de Peixe tem uma falha estrutural grave...

Esta é a realidade do património arquitectónico do concelho! Esta senhora quer associar a Rota do Fresco a uma empresa privada... Eu como licenciado em História e estando a trabalhar de momento em restauro, além de que tendo um carinho muito especial por Alvito, apesar de não ter nascido nesta terra, sinto-me ultrajado! Creio que esta senhora está a gozar com todos nós...

O património edificado tem que pertencer aos concelhos e os concelhos devem geri-lo, deste modo a minha proposta é a seguinte, deixar esta senhora fazer a sua empresa privada, podendo mostrar os edifícios que estão abertos ao público e a AMCAL gerir directamente a Rota do Fresco e os lucros que daí advirem servirem para o restauro do património edificado dos diferentes concelhos!

Um abraço a todos,
Viva Alvito
Bernardo Nunes a 1 de Abril de 2009 às 00:59
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
Contador de visitas

Desde 15.01.2011
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Assim se demonstra como um contraditório bem funda...
Subsídio de aspeto agradável, para quem precise.
Batas mais decotadas e de bainha curta...
Fluoxetina ao pequeno-almoço, antidepressivos em s...
No balcão do refeitório vai haver pratinhos com “p...
Em três palavras: pressão, desgaste e desmotivação...
O meu colega Pedro Moura, responsável pelo projto,...
A situação nacional nas instituições de Saúde está...
Então divulgue o diagnóstico da situação atual. Su...
Falar do que se não sabe e antes de nos informarmo...
Quem conheceu o que era o Hospital e em que se tra...
basta falar com os colaboradores e pedir opinião a...
Ao contrário das outras reivindicações, que são be...
Afinal, estamos dentro da média!
Em média, mensalmente são tratados:Hospital do Lit...
blogs SAPO