Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Atitude inqualificável e de revanchismo político”

Zé LG, 15.05.08

é como a DRA do PCP qualificou o despacho do secretário de Estado do Turismo, na nomeação dos membros da Comissão Instaladora da Área Regional do Alentejo, que deixou de fora o presidente da Região de Turismo de Évora, afirmando que “o Governo nomeou gente da sua confiança para as comissões instaladoras” e sustentando que a exclusão de Andrade Santos “representa o extremo sectarismo e prepotência e atinge o cúmulo do descaramento”.

 

A DRA do PCP acusou o governo de “adiar para as calendas gregas” a regionalização, de forma a “centralizar todas as decisões” relativas à gestão do QREN, considerando que “o Alentejo será, à partida, uma das regiões mais penalizadas pela distribuição nacional dos fundos” da União Europeia, uma vez que as autarquias e outras entidades “ficam afastadas do processo de decisão” porque “as candidaturas ao QREN serão decididas pelos ministros e altos funcionários escolhidos pelo PS e pelos seus representantes na região, com a habitual isenção”.

 

 

José Catalino, responsável da DRA do PCP, acusou ainda o PS de estar a tomar medidas para "servir a clientela socialista", dando como exemplo "a imposição de um «novo» associativismo municipal com leis anticonstitucionais, simulando ser uma medida descentralizadora", que "é vergonhosa a exclusão do concelho de Mora do distrito de Évora para forjar uma maioria artificial na Associação de Municípios ou numa futura Comunidade Intermunicipal" e que, "no Alentejo, o PS comporta-se como um partido antidemocrático, golpista e revanchista e que não se conforma com as regras de funcionamento e organização do regime democrático".