Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

O “broncopublicitário”de “Évora, Concelho de Excelência”

Zé LG, 27.01.08

Já começou a pré-campanha eleitoral para o Município de Évora.

Quem melhor para dar o tiro de partida do que Monarca Pinheiro, que no seu texto publicitário “Évora – Um rumo de desenvolvimento”, publicado no Diário do Sul, pergunta ameaçadoramente: “quem tem coragem de pôr em causa ou de não apoiar a continuação e desenvolvimento do Projecto “Évora, um Concelho de Excelência”?

No seu texto laudatório, começa por atribuir a José Ernesto Oliveira a “visão de futuro… que marca um rumo de desenvolvimento” em termos de “decisões de fundo”, “obras municipais”, “criação de condições para o investimento privado, bem como… a atracção de novos empresários-empreendedores”, como se ele fosse um deus todo-poderoso e único responsável por tudo o que de bom tem acontecido em Évora.

Passa depois a enunciar um conjunto de “empreendimentos privados e municipais concluídos ou em marcha”, incluindo alguns travados ou parados, durante anos, pela gestão do PS, como a recuperação do Mercado 1º de Maio, a revisão do PDM, a recuperação do Rossio de São Brás, a construção do Complexo Desportivo Municipal, a criação do Parque de Feiras e Exposições.

E, finalmente, aponta mais outro conjunto de ideias, que dificilmente serão executadas na próxima década, que farão de Évora não só a capital do Alentejo mas também (quem sabe?) a capital de Portugal e arredores. Lisboa, Madrid e (quem sabe?) Bruxelas que se cuidem…

Na sua ânsia de demonstrar que “não se vislumbram alternativas credíveis dentro ou fora do espectro político que inspira e suporta este Projecto” alarga a responsabilidade política de José Ernesto Oliveira, para além do período em que preside ao Município, até 1977.

Ou seja, até ao período em que presidiu à CCRA, dando, desta forma, razão aos que o acusavam de usar aquelas funções públicas para preparar a sua candidatura à Câmara Municipal…

E, a terminar o seu texto panfletário, Monarca Pinheiro, para desfazer algumas dúvidas nalguns espíritos menos crentes, garante que “daqui a dez, vinte anos, quem cá estiver pode confirmar as muitas e criativas mudanças semeadas umas, outras em crescimento, … senão desbaratarem este património”.

Para evitar que tal desastre aconteça, apela aos “jovens, mulheres e homens entre os trinta e os quarenta anos”, “Que não se rendam” e “Que vençam” os que se atrevam a duvidar de tanta fartura, a quem chama “broncobloqueadores do nosso desenvolvimento”.

Só mesmo alguém com “a estultícia, o conservadorismo, o umbiguismo” de Monarca Pinheiro seria capaz de publicar um texto tão broncopublicitário de “Évora, Concelho de Excelência”…

Um pouco mais de modéstia e de respeito pelos adversários e pela inteligência das pessoas não ficava mal a quem tanto escreve sobre “Cidade e Cidadania”…

 

Lido na Rádio Terra Mãe, em 24 de Janeiro de 2008

2 comentários

Comentar alvitre