Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Pobreza combate-se com melhor repartição da riqueza

 

A propósito das comemorações do Dia da Erradicação da Pobreza, muita gente falou deste fenómeno, a maior chaga social dos nossos dias, como se tratasse de um fenómeno novo, que só agora foi descoberto e se ninguém fosse responsável por ele.

 

Ora, a pobreza não nasceu de geração espontânea e é um fenómeno que se tem reproduzido por gerações sucessivas.

Alguns dos responsáveis que falaram sobre o assunto, a começar pelo Presidente da República, fizeram-no como se nada tivessem a ver com ele, como se fossem simples observadores do que se passa na nossa sociedade e nunca tivessem assumido responsabilidades que lhes permitiam combater esse flagelo, se tivessem efectiva vontade de o fazer.

Se alguns falaram sinceramente preocupados e empenhados em combater efectivamente a pobreza, outros terão perorado sobre o tema por rebate de má consciência e outros ainda por indecoroso oportunismo político.

Dos vários debates que se realizaram sobre o tema uma verdade “lapalissiana” foi reafirmada, a de que a pobreza no nosso País, onde atinge 20% da população, tem causas estruturais, resultando da grande disparidade da distribuição da riqueza produzida.

Ou seja, para combater a pobreza no nosso país, ao contrário do que afirmam os defensores da inevitabilidade do sistema político vigente, não basta aumentar a produtividade e produzir mais, sendo fundamental distribuir de forma mais equitativa a riqueza produzida.

Ou seja ainda, mesmo com os actuais níveis de produtividade e de riqueza produzida seria possível reduzir significativamente o número de pobres, bastando para o efeito repartir melhor o bolo.

E esta alteração, quando for posta em prática, terá outro efeito induzido que é o de contribuir para o aumento da produtividade e da riqueza produzida.

Isto é, ao contrário do que afirmam os defensores do sistema estabelecido, é uma mais justa distribuição da riqueza que fará crescer a economia e não o crescimento desta que fará diminuir o número de pobres.

Mais do que palavras simpáticas e que soam bem nestas oportunidades exigem-se uma política, políticas e medidas práticas de efectivo combate a este flagelo social que a todos deve envergonhar, principalmente aos que têm exercido ou exercem funções de poder, que têm maiores responsabilidades e que já deviam ter feito mais para minorar os números da pobreza.

Não é com mesma política, com políticas que reforçam a concentração da riqueza e acentuam as desigualdades e medidas caritativas que se resolve o problema.

Mas é isso que tem vindo a acontecer e vai continuar a verificar-se.

Até quando vamos permitir que assim continue?

 

Lido na Rádio Terra Mãe, em 01.11.2007

Comentários recentes

  • Anónimo

    Lixo e buracos nas ruas e estradas constituem a im...

  • Anónimo

    Uma gestão camarária que nem do lixo dá conta!Quan...

  • Anónimo

    Continua a apresentar boas respostas. Durante 40 a...

  • Anónimo

    O mesmo em Serpa... mais um problema para o govern...

  • Anónimo

    Um bom registo fotográfico, que é quase uma pintur...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.