Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Hospital

O “Diário do Alentejo”, a sua direção, é contra o encerramento de camas no Hospital de Beja. É contra o esvaziamento de valências no Hospital, é contra os cortes férreos na área da saúde, é contra a falta de médicos na região, é contra o aumento das taxas moderadoras, é contra as listas de espera para consultas da especialidade e para as cirurgias. Enfim, o “Diário do Alentejo” é contra tudo o que for contra o acesso elementar e digno e atempado da população, especialmente das franjas populacionais mais carenciadas e idosas, aos cuidados de saúde. Esta posição, que aqui assumimos publicamente, até pode parecer uma teimosia nossa. Mas não é. É muito mais do que isso: é uma obsessão. Somos obcecados pelo bem-estar das nossas gentes, cegamos perante o abandono a que as nossas gentes estão votadas, somos obstinados na luta contra a miséria, o isolamento, a solidão e os maus tratos que às nossas gentes são sistematicamente impostos. Quer pelos diferentes governos, quer pelas administrações locais que, muitas vezes, costumam ser mais papistas do que o próprio Papa. A questão, por conseguinte, não está no campo da ética jornalística. Ao assumirmos aquilo que somos, como agora fazemos, estamos a mostrar todas as cartas que temos em mãos. Sem batotas, nem renúncias, nem blefes, nem escondidinhos. E o leitor, de cada vez que formos a jogo, saberá sempre qual o nosso trunfo. A questão, isso sim, está no campo da funcionalidade. E é legítima. Deverá um jornal assumir certas e determinadas bandeiras como suas? Intransigentemente? Para além da função de informar com isenção e rigor e pluralidade, deverá um jornal tomar partido? A todo o custo? Por ordem respetiva, as minhas respostas são: sim, não, sim, não. Um jornal, qualquer um, tem o dever (a obrigação, aliás) de defender os direitos, as liberdades e as garantias que a Constituição da República Portuguesa consagra, assim como todos os itens da Carta dos Direitos do Homem. Não a todo o custo, como é óbvio, não intransigentemente. E o limite para essa intransigência reside “apenas” no compromisso fundamental dos jornais que é “informar”. Por vezes, confunde-se “informar” com “verdade” ou com “justiça”. Nada mais errado. O jornalismo “verdadeiro” é aquele que escuta as partes, por igual. O jornalismo “justiceiro” é aquele que derrapa para uma das partes. Nas últimas semanas, o “Diário do Alentejo”, cuja direção é contrária à delapidação do Sistema Nacional de Saúde, tem publicado diferentes notícias sobre o Hospital de Beja. Que até podem ser “justiceiras” por falta de comparência dos próprios visados. Há pessoas que ainda não entenderam que o direito de informar ganha par com o direito a ser informado. O silêncio do Hospital de Beja em relação a matérias tão delicadas é, para além de indelicado, perverso: costuma haver muito mais ruído no silêncio do que no diálogo. Há no Hospital otorrinolaringologistas e terapeutas da fala que podem atestar isso à presente administração da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo. Por certo.
(Editorial, por Paulo Barriga)

 

Anónimo a 18 de Outubro de 2013 às 13:19, in: http://alvitrando.blogs.sapo.pt/2559828.html#comentarios

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Falta a apreciação dos verdadeiros adeptos ! Que s...

  • Anónimo

    Em nada melhor que o anterior.Muito fraquito mesmo...

  • Anónimo

    fraco...fraquinho

  • Anónimo

    Um balanço morno. Nem carne nem peixe. Deve ser ve...

  • Anónimo

    Para mim o balanço é francamente negativo. As expe...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds