Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Em Saúde sempre houve e terá de haver sempre discriminação positiva”

Sem querer esgrimir aqui conhecimentos de administração nem pseudo-sabedoria, não posso deixar de corrigir uma afirmação, que considero grave (embora perceba o que quis dizer). Assim permita-me referir que "prestar cuidados de saúde com qualidade sem discriminação" é matéria de administração hospitalar, sabia? quero informá-lo que esta afirmação em gestão de saúde não faz sentido, sabe porquê? porque em saúde sempre houve e terá de haver sempre descriminação positiva. Quer isto dizer, sinteticamente, que quem mais dificuldades tem no acesso aos serviços (hospital, centro de saúde...) porque tem menos informação (não sabe ler, não tem meios de transporte próprios, desloca-se de uma maior distância, são exemplos) deve ter um tratamento discriminado positivamente, sendo a preocupação do gestor e sobretudo do médico ou outro profissional de prestação de cuidados directos de saúde trata-lo ainda melhor que outro doente que dispõe de mais informação (encaminhá-lo, dar-lhe mais e melhor atenção nas explicações do seu tratamento/doença...).Em saúde tem de ser assim porque se assim não for, não estamos a tratar bem quem mais precisa, os mais desfavorecidos. Sei que nem sempre é assim, mas ainda acredito que essas vezes são em menor número. Na parte que me diz respeito, a gestão em saúde, tento não me esquecer disso todos os dias. Quanto aos recursos que a ULSBA, incluindo o hospital, tem de dispor aos seus doentes, também é matéria da preocupação dos gestores. E se o é! Também, neste caso, entendo que não podemos perder mais qualidade e até devemos tentar" reconquista-la", aquela que temos vindo a perder (atrevo-me). Mas também me atrevo a dizer" que muitas camas"ou mais ou menos camas não são sinónimo de qualidade e melhor acesso. Assunto que merece discussão ténica profunda (incluindo os profissionais de prestação directa e os tais gestores, que o meu amigo não gosta / acha que querem poleiro) e que os tempos de crise até, às vezes, podem e deviam ajudar a resolver/melhor decidir. Os nossos doentes alentejanos, nós todos, precisamos continuar a dispor de recursos materiais e humanos necessários, porque indispensáveis e suficientes, para garantirmos cuidados de saúde.

Anónimo a 19 de Outubro de 2013 às 21:39, in: http://alvitrando.blogs.sapo.pt/2555654.html?view=5905926#t5905926

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Comentários recentes

  • Anónimo

    O Paulo Arsénio está ao serviço do PS, não contest...

  • Anónimo

    Para fazer dinheiro vale tudo...

  • Ana Matos Pires

    Só por curiosidade deixo aqui as idades de todos:A...

  • Ana Matos Pires

    Nem eu afirmei tal coisa, Zé LG, apenas peguei no ...

  • Anónimo

    Muitos funcionarios da Camara comentam que no temp...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds