Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Nem elefante branco nem cisne resplandecente

Zé LG, 30.11.12

Gritou-se “mais um elefante branco!”, mais dinheiro público enterrado em obras sem sentido, eis porque estão as finanças lusas num estado lamentável. Coincidiu o encerramento do aeroporto com a fase inicial do Governo de Passos Coelho e com as diatribes contra o despesismo, público, putativo pai e mãe de todos os males da pátria lusa.

Agora, no preciso momento em que, a austeridade pela austeridade se revela um beco sem saída e a popularidade do Governo cai a pique, descobre-se que, afinal, a pista de Beja tem utilidade: as grandes companhias mundiais de logística precisam de pistas longas, situadas em zonas pouco povoadas e onde possam operar 24 horas por dia. Nesta perspetiva, Beja deixou de ser um elefante branco para se metamorfosear num cisne resplandecente.

Afinal havia aeroporto...

É assim que termina um texto de Rui Cardoso, intitulado “Era uma vez um aeroporto”, publicado aqui.

 

 

Ora, a mim parece-me que o Aeroporto de Beja não é um elefante branco, como uns gostariam, nem é um cisne resplandecente, como outros gostam de imaginar. É apenas um terminal aeronáutico, construído com um pequeno investimento, que permite aproveitar as excelentes pistas da Base Aérea e viabilizar a instalação de empresas do ramo aeronáutico. Se formos um pouco mais contidos nas manias de grandezas, talvez as nossas expetativas não saiam frustradas.

1 comentário

Comentar alvitre