Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

É preciso capitalizar o voluntariado

Ponto prévio: São conhecidas as dificuldades financeiras que as autarquias locais enfrentam. Umas causadas principalmente pela crise, outras por políticas e cortes financeiros aplicados pelo governo e, outras ainda, por responsabilidades próprias das autarquias, consoante os casos.

Feito este ponto prévio, que desenvolverei em futuro alvitre, defendo que o Movimento Associativo e Popular deve ser uma das áreas menos afectadas pelas restrições financeiras. E isto porque são as associações populares que, em larga medida, ocupam os tempos livres das pessoas, quase sempre, de forma sadia e porque conseguem fazer mais com menos dinheiro, porque dispõem de um capital (quase) imensurável que é o voluntariado a que seus dirigentes e muitos outros sócios e amigos se dedicam.

Para além disso, restringir, quando não há outra solução, os apoios concedidos ao Movimento Associativo e Popular de forma cega e igual para todos, traduz-se, quase sempre, numa enorme injustiça, que prejudica mais quem mais faz e mais merece em favor de quem pouco ou nada precisa ou merece, pelos meios de que já dispõe ou por aquilo que faz.

É por este prisma que devem ser analisados e decididos os apoios a conceder pelas autarquias (e também por outros organismos do Estado) e não outros quaisquer, que em vez de apoiar, dentro das possibilidades existentes e com justiça, o Movimento Associativo e Popular, de forma a capitalizar o voluntariado e ocupar saudavelmente as pessoas, contribuam, pelo contrário, para desincentivar o voluntariado e fomentar a ociosidade de importantes camadas das populações, com as nefastas consequências daí decorrentes.

4 comentários

Comentar post

Comentários recentes

  • Anónimo

    Ainda o espetáculo não começou e já se ouvem vaias...

  • Anónimo

    É o costume! Mudam-se umas cadeiras de sítio para ...

  • Anónimo

    Vai continuar?https://odigital.pt/ministerio-da-sa...

  • Anónimo

    Tá o baile armado!

  • Ana Matos Pires

    Que erro?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.