Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

A Estratégia

Mão amiga e sempre atenta fez-me chegar um power point denunciando diversas estratégias de manipulação no qual se regista o seguinte receituário como um dos pontos estratégicos: «Criar uma crise económica para que o povo aceite como um mal necessário o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos».

Ora isto parece um retrato de corpo inteiro da chamada crise em Portugal. Com pequenas nuances: em Portugal o povo é mais atreito a aceitar os males que Deus, o governo ou o patrão classificam de necessários, como parte da canga que transporta aos ombros desde os tempos da ditadura, e que só em termos de folclore, e por curtíssimo lapso de tempo, arriou.

Os governos da democracia, que passam a vida a fustigar a herança dos «governos anteriores», deviam prestar uma sentida homenagem ao grande trabalho do «governo anterior» que foi o do Dinossauro Excelentíssimo ao domesticar o povo e submeter a opinião pública à tortura do sono. Para a grande maioria dos portugueses a sua política é o trabalho e a sua atitude na vida é transida de medo e repassada de cautelas.

Nos dias que correm basta ver e comparar como os gregos receberam a austeridade ou como os espanhóis se indignaram. Por cá baixa-se o tom de voz e muda-se rapidamente de conversa quando se fala dos sacrifícios, evita-se o contágio do activista que distribui panfletos, foge-se a sete pés do camarada de trabalho que não se cala e não se rende. Os que levantam a voz e mantêm direita a cerviz constituem uma minoria. A maioria é silenciosa. E no silêncio caberá alguma indignação mas acima de tudo muito medo.

«O medo vai ter tudo», insiste O'Neill e repito eu: «milagres // cortejos // frases corajosas // conferências várias // congressos muitos // óptimos empregos».

joaopaulo.guerra@ecomomico.pt

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Segundo os mesmos dados:Em Novembro, houve um desa...

  • Anónimo

    Por isso mesmo, é que você desconfia!As fake news ...

  • Anónimo

    Só agora ? Luis Dargent há muito que se devia ter ...

  • Anónimo

    Aproveitamento de cargos que exercem no movimento ...

  • Anónimo

    Olá tenho 2filhos e não tenho casa estou a receber...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds