Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

O último eclipse parcial da Lua deste ano

Zé LG, 28.10.23

ecd.pngO  último eclipse parcial da lua, deste ano de 2023, ocorre este sábado, sendo visível em Portugal às primeiras horas da noite, nomeadamente entre as 20h35 e as 21h53.

O eclipse lunar parcial acontece quando uma parte da Lua entra na sombra mais escura da Terra, fazendo com que o satélite natural apareça parcialmente escurecido. Nesse processo, o Sol, a Terra e a Lua se alinham no espaço, e a sombra do planeta acaba se projetando no satélite.

Margarida Tengarrinha morreu

Zé LG, 27.10.23

margarida_tengarrinha.jpg

Maria Margarida Carmo Tengarrinha, de 95 anos, natural de Portimão, morreu. O corpo estará em câmara ardente na Casa Mortuária da Igreja do Colégio em Portimão, no dia 31 de Outubro, saindo às 12h30 para o crematório de Albufeira.
Margarida Tengarrinha teve uma vida inteiramente dedicada à luta e intervenção pela emancipação dos povos, pela democracia, o progresso social, a paz e o socialismo. Participou, desde jovem, nas lutas estudantis, foi membro da Direcção Universitária do MUD Juvenil, aderiu ao PCP em 1952, passou à clandestinidade em 1954, integrou o Comité Central desde Maio de 1974 até 1988 e foi deputada à Assembleia da República nas III e IV legislaturas. Integrava a Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação.
Margarida Tengarrinha publicou diversos livros sobre pintura, cultura popular e sobre a sua experiência e intervenção enquanto funcionária do PCP. Tem também uma vasta obra de artes plásticas.

À família e ao PCP apresento os meus sentidos pêsames.

Onde está a humanidade

Zé LG, 26.10.23

Gaza.png... de todos aqueles que mostram (e bem) a sua indignação perante o massacre perpetrado pelo grupo Hamas em Israel, que matou 1400 pessoas, feriu muitas mais e fez cerca de 200 reféns e não só não manifestam igual indignação como muitas manifestam o seu apoio ao Estado de Israel, que mantém mais de dois milhões de reféns na Faixa de Gaza, um milhão dos quais foi obrigado a deslocar-se das suas casas para Sul, mais de seis mil foram mortos, metade dos quais crianças, hospitais foram destruidos e cerca de 20 já não funcionam e os restantes estão sem capacidade de responder às crescentes solicitações de uma população privada de medicamentos, água, alimentação, combustíveis e tudo o mais de mais básico para poder sobreviver?

Que se saiba, ainda nenhum dos reféns do Hamas foi morto e alguns já foram libertados. O Estado de Israel já matou mais de 6 mil dos reféns que mantém em Gaza, dos quais metade são crianças. A destruição causada por Israel é muito superior à causada pelo Hamas. Porque é que um grupo que comete crimes contra a Humanidade é classificado de terrorista e um Estado que comete muitos mais crimes contra a Humanidade não só não é classificado de terrorista como ainda por cima é apoiado por muitos?

Bejense comanda a Base Aérea de Beja

Zé LG, 25.10.23

Sem nome (57).pngO Coronel Piloto Aviador João Rosa, natural de Beja, é novo comandante da Base Aérea de Beja, a partir de hoje, substituindo no cargo o Coronel Carlos Lourenço, que assumia aquelas funções desde o dia 21 de outubro de 2021. A cerimónia da tomada de posse serviu ainda para assinalar os 59 anos da Unidade e foi presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General João Cartaxo Alves.

Com a verdade me enganas

Zé LG, 25.10.23

Banner-Lopes-Guerreiro-300x286.jpgUm dos maiores problemas de Portugal e que justifica, em grande medida, o atraso do seu desenvolvimento são os baixos salários. Durante muito tempo dizer isto era logo apontado como demagogia de lesa-pátria. Hoje, essa realidade é reconhecida por todos, incluindo o governo e os patrões e suas associações e confederações.

Mas perante essa evidência o que fazem os que a podem alterar? Fingem que fazem alguma coisa para manter tudo na mesma. Ou seja, o governo, as confederações patronais e a UGT, num simulacro de concertação social em que acrescentaram 10 euros – sim ouviram bem, 10 euros -, ao valor previsto para o salário mínimo nacional do próximo ano. E a CIP, que tinha proposto a criação de um 15º mês, suportado em grande parte pela redução da contribuição para a Segurança Social e do IRC, excluiu-se daquela assinatura afirmando que ela não correspondia às necessidades, não explicando muito bem de quem...

E, tal como fez no ano passado com o aumento, que não passou de uma antecipação, das reformas, este ano o governo inventou mais uma diversão com o aumento do IUC dos automóveis mais antigos, previsto no Orçamento de Estado para o próximo ano, para fazer esquecer aquela vergonha e outras medidas lesivas dos portugueses.