Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

E a manutenção?

Zé LG, 31.07.22

IMG_20220714_113120.jpgMuitos têm sido os melhoramentos feitos nas praias, designadamente com passadiços de madeira, que facilitam os acessos e evitam danificar as dunas e falésias. Só é pena que muitos desses investimentos tenham vida curta, porque não lhes é feita a manutenção devida. Passados poucos anos, a madeira aparece fica ressequida e acaba por apodrecer e partir-se... Parece que só é importante o novo.

Em defesa do Aeroporto de Beja, é importante neste momento que todos "rememos na mesma direção”

Zé LG, 31.07.22

202206272143435729.jpg«Se não se defende o Aeroporto é porque não se defende, se surge alguém a defender o Aeroporto é porque se defende. Haja paciência e principalmente resiliência para continuar a lutar pela viabilização de uma infraestrutura que já cá está e que tanto pode fazer pela Região e pelo País.

É por estas e por muitas outras que nós baixo alentejanos não saímos deste marasmo. Deixem-se de politiquice barata. É importante neste momento que todos "rememos na mesma direção", independentemente das convicções políticas de cada um. Não é com as opiniões expressadas nos comentários anteriores que conseguimos lá chegar. Neste momento, todos os que defendem o Aeroporto de Beja são bem-vindos. O Aeroporto de Beja, nos dias de hoje, assume-se como um excelente solução para o que está a acontecer no Aeroporto de Lisboa e a construção de uma nova infraestrutura, seja ela em que local for, demorará no mínimo 8/9 anos. Nós Baixo Alentejanos estamos perante uma oportunidade que esperámos por muito tempo e ou nos juntamos para demonstrar que esta é a hipótese mais viável ou corremos o risco do Aeroporto de Beja nunca ser encarado como uma infraestrutura que serve o País. Se nós não acreditamos e criticamos quem acredita, o que farão os de "fora". Fica a dica.» Baixo Alentejano 25.07.2022, aqui.

A mais antiga farmácia histórica completa vai abrir ao público como “Coleção Visitável”, em Vila Viçosa

Zé LG, 30.07.22

Cartaz.jpg

A antiga Farmácia Monte, a mais antiga farmácia histórica completa existente em Portugal, é um espaço emblemático de Vila Viçosa, situado na Rua Dr. António José de Almeida. Graças à colaboração entre o Município de Vila Viçosa, vários parceiros e os descendentes do fundador, Dr. António Victor do Monte, vai abrir este espaço ao público, na forma de “Coleção Visitável”, às 18:30 horas, no dia 1 de Agosto, quando se comemoram os 110 anos da sua fundação.

Aeroporto de Beja: juntem-se, porra!

Zé LG, 30.07.22

FC.LG.pngA trapalhada dos “despachos” sobre os “novos” aeroportos recolocou Beja no processo de decisão sobre a rede aeroportuária nacional. Cabe aos atores alentejanos, muito especialmente às autarquias (através das Comunidades Intermunicipais - do Alto Alentejo, do Baixo Alentejo, do Alentejo Central e do Alentejo Litoral), aos deputados eleitos pelos círculos eleitorais de Beja, Évora, Portalegre e Setúbal, aos representantes da economia, à CCDRA, à ERT e aos demais agentes e organizações da sociedade civil alentejana, a responsabilidade de desencadearem uma ação concertada que cumpra o objetivo de a região se fazer ouvir quanto à pertinência que tem a utilização do aeroporto de Beja para, com custos comportáveis e num prazo aceitável, contribuir para a mitigação dos constrangimentos do aeroporto Humberto Delgado.

 

EDIA disponibiliza 115 parcelas de terreno para arrendamento

Zé LG, 29.07.22

Capturar_2a.jpgA EDIA disponibiliza 115 parcelas de terreno para arrendamento, nos concelhos de Alandroal, Aljustrel, Alvito, Beja, Cuba, Évora, Ferreira do Alentejo, Moura, Mourão, Portel, Reguengos de Monsaraz, Serpa e Vidigueira.

O valor da renda por hectare está cifrado nos 75 e 100 euros, dependendo do tipo de propriedade, sendo que as despesas com o consumo de água e taxa de manutenção das parcelas inseridas no perímetro de rega, ficam a cargo do rendeiro.

As propostas deverão ser apresentadas até ao próximo dia 09 de setembro. Consulte o Edital AQUI.

Beja manifesta solidariedade na campanha “Bombeiros Voluntários de Beja-Autoescada”

Zé LG, 28.07.22

Sem nome.pngNesta quinta-feira a campanha que o grupo denominado “Amigos dos BVBeja” está a promover desde o passado dia 21, regista o valor de 10.231 euros de donativos de empresas e cidadãos particulares que se dispuseram a colaborar na reparação do Veículo Escada 30 (VE30), propriedade dos Bombeiros Voluntários de Beja (BVB) e que está inoperacional há alguns meses. A última vez que o VE30 foi utilizado pelos operacionais dos BVB, ocorreu no dia 9 de setembro do ano passado, tendo sido decisivo no combate ao incêndio que deflagrou nos silos da Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches, evitando que as chamas destruíssem por completo o complexo de secagem de girassol daquela empresa.

Ao abrigo da “Lei do Mecenato”, as instituições/empresas podem usufruir de um benefício fiscal de acordo com o decreto-lei que regula o “Estatuto dos Benefícios Fiscais”.

Para receber os donativos, foi criada uma conta na Caixa de Crédito Agrícola Alentejo Sul (Beja), com o INAN: PT50 0045 6100 4035 9935 4924 8.

Mais uma vergonha nacional... desta vez no Ciclismo

Zé LG, 28.07.22

Ciclismo.png

É bem o retrato do país que somos. Um Clube (FCP) foi apanhado com praticamente toda a equipa de ciclismo com teste de doping positivo. O que fazem o Clube, a Organização da Volta a Portugal, a Federação de Ciclismo e o governo? O Clube suspende a actividade? Não! As outras entidades suspendem o Clube da Actividade? Não! Afinal o que aconteceu? Todos meteram a cabeça na areia e o Clube refez a equipa para participar na prova maior do ciclismo nacional, a Volta a Portugal, cujo responsável afirmou que a não participação constituía um grande golpe para a Volta... Ou seja, se não fosse uma instituição internacional (a UCI) a suspender o Clube e a impedi-lo de participar, o FCP ia participar na Volta a Portugal como se nada se tivesse passado...E o governo assiste a tudo isto e parece que não é nada com ele...

Comissão de Utentes de Beja diz que: “Não dá mais! Exigimos soluções para problemas que se arrastam ano após ano”

Zé LG, 27.07.22

HOSPITAL_-Obrigado_800x800-240x240.jpg“Não dá mais!”, é o lema da concentração em defesa do SNS, convocada para amanhã, às 18:30 horas, junto do Hospital José Joaquim Fernandes, pela Comissão de Utentes de Beja (CUB), que apela aos profissionais de saúde, bem como a todos os utentes para que se juntem neste protesto “para fazermos um dia de denúncia, de unidade e de luta pela resolução destes problemas e pela efetivação de um Serviço Nacional de Saúde Público, gratuito e de qualidade para todos.

A Comissão de Utentes recorda que “no Hospital de Beja, a obstetrícia fecha ao fim de semana”, que “não há ressonância magnética”, que “os equipamentos são deficitários”, que “faltam médicos, enfermeiros e auxiliares” e que “continua por construir a segunda fase das obras desta resposta de saúde”. Lembra, ainda, que, “no âmbito da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) há utentes sem médico de família”.

Daqui e daqui.

Resialentejo registou, no primeiro semestre deste ano, um aumento da quantidade da recolha seletiva de resíduos

Zé LG, 27.07.22

202102031259301249.pngSegundo a Resialentejo, que é responsável pelo tratamento e pela valorização de resíduos sólidos urbanos de oito concelhos do distrito de Beja, o destaque vai para os biorresíduos, cuja recolha teve uma subida de 133%, o equivalente a 645,5 toneladas. “O material orgânico é utilizado para compostagem, realizada nas instalações da Resialentejo, sendo que, entre janeiro e junho, foram encaminhadas para a agricultura 1.000 toneladas de composto, a mesma quantidade que em todo o ano de 2021”.

A empresa intermunicipal indicou ainda que, no mesmo período, recolheu 810,1 toneladas de resíduos de vidro (+16,8%), 1.102 toneladas de papel e cartão (+3,6%) e 903,9 toneladas de plástico e metal (0,1%).

Amigos das Forte lança campanha de sensibilização para a poluição causada pela fábrica de bagaço de azeitona

Zé LG, 27.07.22

bagaco-1024x687-1-690x450.jpgA Associação Ambiental de Amigos das Fortes (AAAF), em Ferreira do Alentejo, acaba de lançar uma campanha para sensibilizar a opinião pública da comunidade, para o problema ambiental gerado pelas fábricas de bagaço de azeitona.

Para mostrar que “as fábricas de bagaço de azeitona são um desastre” e que a “Aldeia das Fortes sufoca”, Fátima Mourão da AAAF diz que é preciso agir e por isso, a finalidade do projecto é dizer que “há alternativa às fábricas de bagaço de azeitona. Andam a fustigar há 13 anos a Aldeia das Fortes. A fábrica emite cheiros nauseabundos e fumos durante um ano inteiro, em que toda a população vive com esse problema grave”.

A poluição gerada pelas fábricas de bagaço, tem vindo “a destruir o tecido social e emocional de uma população. Os centros de compostagem existem, é preciso agilizar para que se tornem uma realidade e se multipliquem”, referiu Fátima Mourão.  

ACOS recolhe produtos para agricultores vítimas dos recentes grandes incêndios

Zé LG, 26.07.22

202207252020151633.jpgA ACOS está a participar na ação de solidariedade, lançada pela CAP, para com os agricultores dos concelhos onde ocorreram recentemente grandes incêndios, designadamente Murça, Valpaços e Vila Pouca de Aguiar.
A associação anuncia que está a reunir em Beja os contributos dos seus associados e de outros agricultores que queiram participar na campanha organizando, logo que tenha carga suficiente, o envio dos donativos para o norte do país.
Os agricultores que pretendam contribuir com palha, feno e concentrados para alimentação animal deverão entrar em contacto com a ACOS para agendamento das entregas. Daqui e daqui.

Criada uma nova resposta social em Beja para imigrantes e refugiados

Zé LG, 25.07.22

Screenshot 2022-07-25 at 12-41-11 Há uma nova resSediada em Beja, a recentemente aberta Cooperativa de Apoio Social a Imigrantes e Refugiados quer apoiar pessoas ao nível burocrático, jurídico e de habitação. Conhecer a cultura das diferentes comunidades que vivem na cidade é um dos primeiros passos.

A Cooperativa de Apoio Social aos Imigrantes e Refugiados (Cossir) é uma organização sem fins lucrativos e nasce de uma necessidade verificada no distrito de Beja. São muitos os imigrantes que chegam ao País para trabalhar e instalar-se, porém, ao nível social, as instituições nem sempre conseguem chegar a todos.

Neste momento os órgãos sociais da Cossir são constituídos pelos cooperadores fundadores, como titulares únicos. Luís Narciso é o administrador único, Carlos Moreira o fiscal único e Sérgio Martins titular único da MAG. Trabalhar no sentido de conseguir a equiparação a IPSS é um dos objetivos iniciais, disse Carlos Moreira.

BE quer agricultura intensiva com avaliações de impacto ambiental e laboral

Zé LG, 25.07.22

20210916144922802.pngA coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, propôs que passem a existir avaliações de impacto da agricultura intensiva e superintensiva, ao nível “do impacto sobre a água, de impacto ambiental, mas também sobre as condições dos trabalhadores”.

A dirigente do BE discursou no arranque de uma marcha integrada no “Roteiro pela Justiça Climática”, promovido pelo partido, realizada entre a zona dos Alteirinhos e a Zambujeira do Mar. Na sua intervenção, a coordenadora do BE manifestou apoio aos trabalhadores agrícolas imigrantes e salientou que a marcha serve para “lutar por uma lei contra o trabalho forçado e que garanta condições a todos os trabalhadores em Portugal”.

Aníbal Costa diz que “não me parece razoável que se vá “esticando”, a projetada área do Alqueva até à exaustão”

Zé LG, 25.07.22

288878561_10218742684872615_4778733636962643986_n.«Se é um facto que a agricultura consome a maior parte dos recursos hídricos, também será justo referir que é aqui onde se verifica uma maior EFICIÊNCIA na sua utilização, com a tecnologia a dar cartas em setores muito exigentes, como é o caso das culturas de regadio (nunca me canso de referir que o perímetro de rega do Alqueva é um dos mais modernos e eficientes do Mundo). Agora não me parece razoável que se vá “esticando”, a projetada área do Empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva até à exaustão, como aliás tem vindo a acontecer (com a “precariedade” da utilização de muitas zonas de rega e aumento pouco razoável das culturas regadas) e se fale no Alqueva como resposta para o Passado, Presente e tudo o que aconteça no Futuro, a nível agrícola, na região…simplesmente não é possível…ou então…equacione-se mais soluções de armazenamento!» Aníbal Reis Costa, Vice-Presidente da CCDR Alentejo, aqui.

“Aeroporto de Beja, uma questão de escala”, diz Marcos Aguiar

Zé LG, 24.07.22

83375592_2774342482646766_8287320494928035840_n.jp«… o Aeroporto de Beja seria uma referência mundial em “como promover o desenvolvimento sem derreter a prata toda dos avós”, caso o nosso Governo decidisse, atempadamente, investir em acessibilidades à escala das necessidades da região.
É tudo, pois, uma questão de escala. Neste caso, a escala da nossa visão e, claro, da vontade política para a concretizar.
A visão de integração plena do Baixo Alentejo no grande Sudoeste Ibérico, um território com enorme potencial, que se estende de Portugal a Espanha, do Atlântico ao Mediterrâneo.
A vontade política, ou a falta dela, de desenvolver um eixo rodoviário e ferroviário Sines-Sevilha, com o Aeroporto de Beja no centro, em articulação estreita com o Governo espanhol.»
Marcos Aguiar, Técnico Superior da Câmara Municipal de Aljustrel, aqui.

Nova residência de alunos do IPBeja tem candidatura aprovada

Zé LG, 24.07.22

202207220942462189.jpgA candidatura conjunta do Instituto Politécnico de Beja (IPBeja) e da Câmara de Beja para a construção de uma nova residência com 503 camas, no âmbito do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior (PNAES) financiado pelo Programa de Recuperação e Resiliência (PRR), foi selecionada para beneficiar de um investimento de 15 milhões de euros, a executar até 2026.

O IPBeja fonte adianta que “acima de tudo, esta nova residência irá qualificar a oferta de alojamento estudantil, permitindo com isso melhora a atractividade do Instituto e da cidade através da qualidade e disponibilidade da oferta”. Daqui e daqui.

União das Freguesias de Salvador e Santa Maria da Feira condena deposição ilegal de lixo

Zé LG, 23.07.22

despejo-ilegal.jpgA União das Freguesias de Salvador e Santa Maria da Feira, em Beja, detetou mais um despejo ilegal de resíduos, desta vez na Estrada da Fonte Mouro, tendo endereçado informação ao Município de Beja para que possa ser feita análise e queixa.

A União de Freguesias adianta que todo o material depositado ilegalmente poderia ter sido recolhido pelos serviços da União de Freguesias, bastando para tal uma marcação, lembrando ainda que “estas situações, além do crime que constituem acabam por degradar o espaço público e por retirar recursos da União de Freguesias que deveriam estar nas ruas, noutras tarefas, e que assim passam parte demasiado significativa do seu tempo a recolher despejos ilegais”.

Pág. 1/4