Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“O complicado é quando as pessoas não podem falar”

Zé LG, 26.09.20

“O complicado é quando as pessoas não podem falar, porque dependem de empregos e outras situações, infelizmente aqueles que são eleitos; que são nomeados pelos governos ou que por circunstâncias várias sobem nas instituições, exercem coação e represálias sobre os que praticam cidadania, por questões de inveja; vingança, falta de cultura e humildade que é uma característica que vai escasseando cada vez mais, como vêm o protesto não é assim tão fácil.”
Anónimo 25.09.2020, aqui.

“O sector da saúde em Beja está hoje incontestavelmente pior do que há 20 anos”

Zé LG, 26.09.20

“Quando os telhados são de vidro, é mais difícil atirar pedras (ou deveria ser)! O anterior CA não está imune a críticas de gestão, como se sabe!… Bem sabemos que as questões partidárias, por variadas razões vêm ao de cima nas actuais circunstâncias, de desgoverno e desorientação!… O sector da saúde em Beja está hoje incontestavelmente pior do que há 20 anos, e o problema nem sequer é exclusivamente endémico, mas um reflexo do desinvestimento e das políticas de abandono do interior, que ocorreu por falta de capacidade dos órgãos políticos locais, de políticas desastrosas, de inércia das sucessivas administrações, etc.… E nem vale a pena escamotear os problemas, com subterfúgios de natureza pessoal, partidária ou afectiva!… O sector está mal, como aliás está mal no resto do País… E os parcos exemplos de sucesso não servem para disfarçar os problemas genéricos da Saúde no Portugal profundo!… Os utentes são conhecedores desta realidade, com larga experiência na área!....”

Anónimo 23.09.2020, aqui.

CDU acusou o executivo da Câmara de Beja de deficiente planeamento do ano lectivo e Paulo Arsénio reconhece falhas e garante que vai resolvê-las

Zé LG, 26.09.20

cropped-agr1logo-1.pngA CDU acusou o executivo da Câmara de Beja (PS) de não ter planeado com "devida antecedência" o início do ano letivo no concelho e denunciou vários problemas. O presidente da Câmara de Beja, Paulo Arsénio, disse que a acusação da CDU "não corresponde à realidade", mas reconheceu que "há algumas arestas por limar e insuficiências que estão identificadas e o município vai resolver".
A CDU referiu que alunos que moram nas freguesias rurais do concelho e frequentam as escolas secundárias na cidade de Beja que começam as aulas às 13:00 só têm transporte público para a cidade de Beja às 07:00 e os que terminam as aulas às 12:50 só têm transporte às 19:00 para poderem regressar casa. Paulo Arsénio reconheceu que há "algumas dezenas de alunos" naquelas situações e garantiu que as situações "vão ser resolvidas" pela Rodoviária do Alentejo e as que não forem resolvidas pela empresa serão resolvidas pelo município com recurso aos seus próprios transportes escolares.
A CDU considerou "incompreensível" a falta de técnicos especializados para "acompanhar os alunos com necessidades educativas especiais" e que em algumas escolas do 1.º ciclo os alunos "só iniciem as Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC) dentro de uma ou duas semanas, devido à colocação tardia dos respetivos professores". Paulo Arsénio disse que o município teve de apresentar uma nova candidatura ao programa "Sucesso na Escola" e está na fase de contratação de duas equipas multidisciplinares para serem colocadas nos agrupamentos para apoiarem alunos com necessidades educativas especiais. Disse também que as AEC são uma competência passada este ano para a Câmara, que contratou as mesmas empresas que prestavam o serviço aos agrupamentos de escolas do concelho, que “em função do desdobramento de turmas devido à covid-19, tiveram de contratar mais técnicos e informaram o município que só poderão iniciar as AEC a partir de segunda-feira”.

Leia e oiça também aqui e aqui.

Governo anuncia nova fábrica de aviões em Évora

Zé LG, 26.09.20

copy_of_copy_of_copy_of_copy_of_cronistas_ta_14.pnO projeto apresentado, em Évora, com a presença da ministra da Coesão Social e o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, pretende criar 1200 empregos em cinco anos no Alentejo e vai instalar-se no Parque do Alentejo de Ciência e Tecnologia, em Évora e criar uma aeronave ligeira de nova geração para um mercado de curtas distâncias (a ATL-100).

E depois vêm alguns acusar a regionalização, que não existe, e os bejenses de tudo ir para Évora... FOI O GOVERNO E O PS que mais uma vez fizeram a opção e tomaram a decisão de construir mais uma fábrica de aviões em Évora (onde existe o aeroporto?) e criar 1200 empregos no Alentejo (ou em Évora?), em nome na "Coesão"!...

Nunca vamos poder provar isso, mas talvez se já tivesse sido concretizada a regionalização, que a Constituição determina, estas decisões não fossem sempre no sentido de centralizar tudo em Évora... Mas certamente que não será com a eleição do presidente e de um vice-presidente da CCDRA que isso se consegue...

"falta o essencial - investimento, valorização da profissão, dotação financeira e técnica dos organismo de saúde"

Zé LG, 25.09.20

“… Felizmente ainda nos resta (vamos ver durante quanto tempo) o estado social - esse chavão de Abril, que até já não parece significar grande coisa para o espectro político nacional!...
Tem faltado muita clarividência - como aliás se constata noutros sectores - ou por outras palavras, que saúde pública queremos para o País?… E nem sequer vale a pena particularizar, ou restringir as idiossincrasias do sistema à região do Baixo Alentejo, porque os problemas têm origem bem mais a montante!… Quem está atento ás críticas das instituições regionais do sector noutras geografias, percebe facilmente que até há quem esteja pior, não obstante a convergência das preocupações e limitações da Saúde em Portugal!… Os problemas do sector estão identificados há muito tempo (já se construíram teses de mestrado e de doutoramento sobre o assunto), falta o essencial - investimento, valorização da profissão, dotação financeira e técnica dos organismo de saúde, etc, etc...
Haverá sempre espaço para a utopia e para o optimismo (muito bem), mas é preciso muito mais!… E parece que os profissionais da Saúde continuam a não querer ver a realidade do sector de modo objectivo e clarividente!...”

Anónimo 24.09.2020, aqui.

“Estar calado, não será solução para coisa nenhuma”

Zé LG, 25.09.20

“A cidadania acarreta responsabilidades que não terminam nos gestos e nas discorrências, mas começam por aí!… A consciência crítica já é um reflexo positivo de não resignação, de inconformismo e de participação social!… Dá trabalho, e obriga a esforços pessoais em nome colectivo!… Estar calado, não será solução para coisa nenhuma, assim como não o será a acção errática e irracional!”

Anónimo 24.09.2020, aqui.

“O que importa é praticar a política de uma nova forma, deixando para trás a “clubite”.”

Zé LG, 25.09.20

70365791_10205606536479761_4613475439241854976_n MO que está em causa não é quem pode atirar pedras e quem tem telhados de vidro. O que neste momento imperiosamente importa é praticar a política de uma nova forma, deixando para trás a “clubite”. O que hoje em dia está em causa é a definição de uma estratégia para Portugal, e também para a região, em todos os sectores da economia e da vida social. É uma tarefa de grande envergadura, pois claro. Precisa, para ser enfrentada, que se reúnam os recursos mais amplos que consigamos reunir. Seguramente, não será a União Europeia a determinar as prioridades de desenvolvimento do nosso País. Também na Saúde, obviamente, o teremos de fazer. Teremos de imaginar como se deverá processar a evolução e reforço do Serviço Nacional de Saúde. O empenho de todos nós cidadãos, na cooperação para descoberta de soluções para os problemas que nos constrangem é fundamental. Por isso, concordo com o sentido das palavras da Dra. Matos Pires, definindo o modo honesto e solidário de trabalhar, com o fito de beneficiar o interesse público.

Munhoz Frade 23.09.2020, aqui.

“democratização das CCDR's” é um “logro” diz DRA do PCP

Zé LG, 25.09.20

A Direção Regional do Alentejo do PCP (DRA) considera que “o prosseguimento do processo de eleição do presidente e vice-presidente da CCDR decorrente do acordo entre PS e PSD em 2018 mistificando conceitos, constitui um logro”.

202005052011122977 PCP.jpg

Dias Coelho, da DRA do PCP, refere que, “independentemente dos putativos candidatos a presidente e vice presidente”, o processo em curso ilude o facto da CCDR, se manter como uma estrutura de poder desconcentrada do Estado, sob o comando, as orientações e as opções do governo central e que não é, nem pode ser uma autarquia, porquanto constitui uma mera estrutura da Administração Central”, acrescentando que nesse sentido a “DRA do PCP considera que constitui uma ilusão - propositadamente construída por PS e PSD – a ideia que a “eleição” para uma parte da direção alteraria a natureza e conferiria legitimidade democrática a esta estrutura”.

Rui Rio quer “conseguir muitos mais eleitos, particularmente vereadores”

Zé LG, 24.09.20

rui-rio-768x411.jpgIndependentemente de tentar ganhar câmaras no distrito de Beja, “aquilo que é fundamental é o partido conseguir reforçar a sua implantação (na região)”, afirmou Rui Rio, antes da reunião de trabalho com a Comissão Política Distrital do PSD, ontem à noite, em Beja.
O presidente do PSD admitiu que Beja é um distrito particularmente difícil para o PSD, no entanto, será importante “conseguir muitos mais eleitos, particularmente vereadores, do que aquilo que se conseguiu nas duas últimas eleições”, porque “as autárquicas é que ditam em primeiro lugar aquilo que é a implantação de um partido no terreno”.

“telhados de vidro e responsabilidades directas têm ambos os partidos, no que à saúde no Distrito e ao HJJF respeita”

Zé LG, 24.09.20

“Este comentário só falha quando refere o ano de 2013 como aquele em que o hospital de Beja capitulou, com o mandato de Margarida Rebelo em Presidente do Conselho de Administração no governo PSD. Ora, não foi a partir dessa data como muito bem sabe o comentador Dr. Munhoz Frade. Basta reler os seus comentários e posts, neste blog, relativos aos dois mandatos anteriores, quando eram presidentes do conselho de administração dois dos seus camaradas de partido, um deles já falecido e outro reformado. Quem não se lembra dos feitos e estragos na instituição hospitalar, quando de governos PS, do célebre duplo Mestre, por aqui amplamente postados e comentados que levaram o blog Alvitrando aos vários top’s… conjuntamente com artigos de jornais e processo disciplinar a uma administradora da casa que nessa altura começou a dizer as verdades e a “levantar cabelo” a tão autoritários e incompetentes gestores, boys do PS?

Infelizmente esse autoritarismo continuou no mandato seguinte do PSD, onde os também célebres boys do PSD, Gaspar e Guerreiro, continuaram na mesma senda dos anteriores dois mandatos do PS.

 

“PSD fez o mal e agora faz a caramunha”

Zé LG, 24.09.20

70365791_10205606536479761_4613475439241854976_n M“Que o Hospital está em crise não é coisa nova. Em 2013, o então CA da ULSBA, nomeado pelo governo de Passos Coelho, capitulou perante interesses externos, suprimindo as camas de oncologia, iniciando a descaracterização do nosso Hospital. O clima interno era de terror, impondo o silêncio aos funcionários. A denúncia pública da grave perda foi tratada pela Administração do PSD com calúnias sobre o profissional que a fez. Outras alterações se sucederam, designadamente nos serviços cirúrgicos, matando a sua diferenciação, apontando aos especialistas um futuro desmotivador. Não tenho dúvidas de que era uma estratégia destinada a facilitar a centralização regional, e/ou interesses privados. Em novembro desse mesmo ano, conforme então noticiado no Alvitrando, o PSD emitiu um comunicado, falando em nome do CA da ULSBA, tomando-lhe as “dores” provocadas pelas críticas de um deputado. Implicitamente, o PSD assumia como boa essa estratégia de definhamento. Os impactos das malfeitorias então feitas foram tais que duram até aos dias de hoje.”
Munhoz Frade 23.09.2020, aqui.

Saúde continua a aquecer o aquecer o debate no Alvitrando

Zé LG, 24.09.20

Ceia da Silva apresentou a sua candidatura a presidente da CCDRA e diz que a sua candidatura é completamente independente

Zé LG, 24.09.20

120104686_3627597613938839_7352087214750446661_o C“Hoje apresentei a minha candidatura à CCDRA

Durante doze anos assumi a direção da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e sempre fui eleito por unanimidade o que revela a total independência do meu exercício público

Não sou contra ninguém,a favor do Alentejo

Em 46 anos apresentei pela 1 vez um manifesto eleitoral

A minha candidatura é completamente independente tanto que apresentei os formulários de apoio mesmo sem ser necessário

Nunca escondi ao contrário de outros a minha militância partidária

A ética ainda deve existir na política

Pelo meu ALENTEJO SEMPRE

COM E PARA TODOS”

António Ceia da Silva

Presidente do CA da ULSBA diz que a preocupação é manter as extensões de saúde abertas em condições seguras

Zé LG, 23.09.20

110120181516-728-ConceioMargalha.jpgO plano da saúde para o outono-inverno 2020-21 está a ser preparado e “pretende mobilizar todos os agentes do setor e o país para o período exigente que se avizinha e que requer uma resposta conjunta e participada.”

“Preservar vidas humanas; proteger os mais vulneráveis, particularmente a população idosa a viver em estruturas residenciais para idosos e preparar a resposta ao crescimento epidémico da pandemia” são os principais objetivos deste plano, que prevê, ainda, “um reforço da resposta em saúde pública, especialmente, em situações de surtos, adapta as atuais áreas dedicadas à Covid-19 em áreas dedicadas aos doentes respiratórios e os circuitos de internamento hospitalar para diferentes fases da resposta.”

Conceição Margalha, presidente do Conselho de Administração da ULSBA, assegura que perante a perspetiva que se avizinha de se caminhar para um tempo em que a gripe sazonal se vai misturar com a Covid-19 “está tudo a ser preparado para lidar com estas possibilidades” e explica que “Com o aproximar do inverno, a preocupação é manter as extensões de saúde abertas, mas em condições seguras, no sentido de se evitarem contágios, ou seja apostando na marcação de horários para consultas e na não acumulação de doentes nos centros”.

Como é que se luta pela Saúde de uma região

Zé LG, 23.09.20

amp.jpg“Com decência, seriedade e honestidade. Com propostas realistas de soluções e sem populismo. Com conhecimento de causa e, sobretudo, sem escamotear a situação pandémica que se vive a nível mundial.
Outras alturas houve em que as dificuldades tb comprometeram as soluções e, outras ainda, em que foi a falta de vontade política - e as opções políticas feitas em relação ao SNS - do poder central que determinaram desinvestimento.

Em rigor e honestamente alguém consegue afirmar que a situação da Saúde na região é um problema novo? Onde estava o PSD qdo foi governo e qdo tinha uma deputada eleita pelo distrito de Beja? Sugiro que vá procurar declarações da Nilza de Sena feitas sobre a Saúde na região, e sobre a ULSBA em particular, na altura em que era deputada e que as compare com o que agora é dito pelo partido que a elegeu.
Estou particularmente à vontade, tenho lutado pela melhoria da Saúde na região com todas as minhas forças, vim para Beja na vigência do anterior CA - que sempre me deu o apoio que pôde - e sou testemunha do esforço do atual CA - que me apoia na luta pela melhoria da Saúde Mental na região como pode -, em particular da sua Presidente.
Injustiça, maldicência e populismo barato não são o caminho em política.”

Ana Matos Pires 23.09.2020, aqui.

Mesa da Assembleia Municipal de Castro Verde reeleita de acordo com a Lei da Paridade

Zé LG, 23.09.20

202009101215206832 Manuela.jpgManuela Florêncio (CDU) foi reeleita presidente da Mesa da Assembleia Municipal de Castro Verde, em sessão extraordinária realizada nesta segunda-feira. Além de Manuela Florêncio, a nova Mesa da Assembleia Municipal de Castro Verde conta ainda com Carolina Cabaça (primeira secretária) e João Branco (segundo secretário)
Depois de uma primeira eleição a 9 de Setembro, após o pedido de renúncia da então presidente Ana Paula Baltazar (CDU), a Mesa da Assembleia Municipal de Castro Verde teve de ser reeleita, uma vez que a lista apresentada inicialmente pela CDU não cumpria a Lei da Paridade, por era constituída exclusivamente por mulheres.
Nesta sessão, voltou a haver apenas uma lista candidata, apresentada pela CDU, que teve 10 votos a favor e nove votos em branco.

Roberto Grilo formalizou a sua candidatura a presidente da CCDR do Alentejo

Zé LG, 23.09.20

120079994_184734176478753_7207092891498493577_n RGRoberto Grilo anunciou ter já formalizado a sua candidatura a Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA) nas eleições que ocorrerão no próximo dia 13 de Outubro, afirmando que: “Decidi candidatar-me, como independente (e é a única candidatura independente, não apoiada, nem proposta por qualquer partido, em todas as regiões do País), quando percebi que posso unir o Alentejo em torno de um projeto comum, que há um grande reconhecimento pelo trabalho que desenvolvi nos últimos cincos anos e porque tenho que ser sensível ao apelo da região para que não me fosse embora nesta situação de crise em que vivemos. Apresento-me a eleições, portanto, com a legitimidade do trabalho feito e o reconhecimento desse trabalho.”

Ler aqui toda a publicação.

PSD acusa CA da ULSBA de subserviência ao Governo do PS, que se manifesta na redução e na degradação de serviços

Zé LG, 23.09.20

201903141456035856 PSD.jpgO PSD defende que “enquanto o Conselho de Administração da ULSBA, não assumir que há um gritante desinvestimento, que há problemas graves e uma notável subserviência ao Governo Socialista, que se manifesta na redução e na degradação de serviços, muito dificilmente a situação débil em que se encontra pode ser invertida, acelerando o caos que muito previsivelmente vai chegar a curto prazo”.

“Fruto do desinvestimento, da ausência de políticas de contratação e de ideias arrojadas, à imagem do que outros Conselhos de Administração têm conseguido fazer, o Hospital de Beja sofre uma grave crise que, pode ser acentuada se não houver um planeamento e um trabalho complementar entre o Hospital de Beja e o há muito anunciado Hospital central de Évora”, defende a distrital laranja. 

Daqui e daqui.