Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

O problema deste Orçamento de Estado é... de ser de continuidade

Zé LG Zé LG, 19.12.19

naom_56b308bcc7606.jpgMário Centeno, durante a apresentação do Orçamento de Estado, afirmou, vezes sem conta e a propósito de várias propostas do mesmo, que “esta é a verdade”. Deveria ter sido mais preciso e afirmar que “esta é a minha verdade”, porque certamente que muitos não se reveem “na sua verdade” ou “nas suas verdades”.

António Costa veio a terreiro afirmar que não via razões para os partidos de esquerda, que constituíram a “geringonça” com o PS, não apoiarem a proposta de OE, apresentada pelo seu governo, por esta ser de continuidade dos que na legislatura anterior eles apoiaram.

Ora, quer-me parecer que é essa mesma razão apresentada por António Costa – OE de continuidade -, que pode justificar que os partidos à esquerda do PS não apoiem a proposta apresentada pelo governo.

Convém lembrar que, depois de um período com intervenção externa, veio a última legislatura com uma solução de compromisso à esquerda com o objectivo de recuperar rendimentos e direitos que tinham sido retirados no período anterior. Com este objectivo maior os partidos à esquerda assinaram compromissos que remeteram para mais tarde a luta por outros objectivos que defendem.

António Costa reconheceu na campanha eleitoral que uma maioria absoluta não era desejada e afirmou-se disposto a renovar a “geringonça”. Mas bastaram as primeiras dificuldades nesse processo para logo ter desistido daquela intenção, mostrando que nela não estava sinceramente empenhado e que pretendia governar como se tivesse obtido a maioria absoluta, apesar de não a ter alcançado.

É natural por isso que a continuidade das políticas que a proposta de OE aponta, não satisfaçam as expectativas de ir mais além dos partidos à esquerda, que, sem compromissos negociados como aconteceu há quatro anos, podem não estar dispostos a apoiar políticas de continuidade, que não resolvam ou nem sequer, nalguns casos, atenuem os mais graves problemas de Portugal e dos portugueses.

Vamos ver até onde vai “o esticar da corda” na discussão do OE e se António Costa (e, principalmente, Mário Centeno) vai ter “jogo de cintura” suficiente para manter a “geringonça” sem compromissos ou se o seu amigo Rui Rio deixa passar o OE, com a abstenção do PSD, na linha do que defendia, ou seja, que não sendo possível o PSD formar governo deveria evitar que o PS governasse na dependência da “extrema esquerda”.

Sonotomia vai definir perfil sonoro e captar particularidades da orla marítima alentejana em rápida transformação

Zé LG Zé LG, 19.12.19

201912181614319148.jpgSonotomia é o nome do projeto da União Europeia (UE), a única iniciativa do Programa Europa Criativa liderada por Portugal, que já arrancou no Alentejo, a partir de Odemira. A iniciativa é coordenada pela associação Pedra Angular e pelo Festival Terras sem Sombra, tendo como parceiros a Fundación Santa María de Albarracín, do Governo de Aragão, e o Spatial Sound Institute, de Budapeste. 

Definir o perfil sonoro e captar as particularidades de uma orla marítima em rápida transformação constitui uma das prioridades desta iniciativa europeia, que está associada ao esforço do Festival Terras sem Sombra para internacionalizar o Alentejo como destino de arte e natureza.

Confirmada a reabertura da antiga Moura Fábrica Solar

Zé LG Zé LG, 19.12.19

8591_big.jpgEsta semana a Lux Optimeyse Energy, em reunião da Comissão Directiva do Alentejo 2020 viu aprovada a candidatura que permite alavancar o relançamento da Fábrica com um investimento total de 4.9 milhões de euros e um apoio FEDER de 2.9M€.

A Lux Optimeyse Energy, empresa internacional de capitais ingleses, de produção de componentes na área da energia, no início do próximo ano tornará público o projecto que tem para a fábrica localizada em Moura.