Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Obrigado Graça!

Zé LG, 13.11.19

Graça.jpg

Obrigado Maria da Graça Carvalho, por teres promovido a deslocação de uma delegação do movimento “Beja Merece +”, constituída por alguns dos nossos melhores, a Bruxelas, onde puderam contactar com deputados do Parlamento Europeu e funcionários da Comissão Europeia!

Sabemos que, em termos práticos, de pouco serve, porque se trata de problemas nacionais os que estão em causa, que só o nosso governo pode resolver, como muito bem disse o “nosso” deputado europeu Carlos Moedas. Mas sabemos também que, para muitos deles, se trata de uma experiência única, que muito os vai animar na luta que desenvolvem pelo desenvolvimento da nossa região e por que lhes devemos estar muito gratos.

Que pena que tenho eu que tenhas aderido a essas “bandas” partidárias. Mas que orgulho que sinto em ti por fazeres o que os das minhas “bandas” políticas não fazem.

Beja Merece +! De facto! E fico muito contente por muitos amigos, da minha geração (com outros), contra tudo e contra todos, quais “D. Quixote”, tudo tentarem fazer para travar esta caminhada para o despovoamento e para a desertificação a que o poder central persiste em condenar-mos.

"A desertificação e o despovoamento constituem poblemas estruturantes para o desenvolvimento"

Zé LG, 13.11.19

IMG_0783.JPG"A desertificação e o despovoamento constituem poblemas estruturantes para o desenvolvimento social, económico e produtivo. Preocupa-nos que grande parte do nosso território esteja a ser ocupado com modos de produção intensiva e superintensiva que vi­sam o lucro e o descompromisso com as pessoas. A va­lorização dos trabalhadores agrícolas e da produção; a dinamização de um regadio que salvaguarde o patri­mónio natural; a valorização das linhas de água, das áreas da Rede Natura e dos parques naturais, cuja ges­tão se deve manter no domínio público; planos de ges­tão agrícola que compatibilizem a proteção dos valo­res ambientais com a atividade humana dos territórios - são propostas importantes a ter em conta. Assim como a exigência de medidas efetivas de monitoriza­ção e controlo dos efeitos na saúde pública e na paisagem, contra a concentração e proximidade das produ­ções agrícolas intensivas e superintensivas junto das populações eáreas urbanas."

In:  "A actualidade do Marxismo: o ambiente é humanismo", publicado por Odete Borralho, vereadora da CM de Serpa, na edição de 25-10-2019 do Diário do Alentejo

"Não, Secretário João Galamba. Aljustrel não é um “bom exemplo” ambiental."

Zé LG, 13.11.19

galamba.PNGNo programa Prós e Contras do dia 11 de Novembro de 2019, o Secretário de Estado Adjunto João Galamba referiu Aljustrel enquanto um "exemplo" no que concerne a “minas modernas”, referindo-se a um suposto bom desempenho ambiental que "vale a pena ver". Estas afirmações vão contra posições de diversas instituições, individualidades, investigações jornalísticas e movimentos ambientalistas. Vão também contra um largo consenso entre a população da vila mineira alentejana: a população quer a mina aberta, mas quer também que sejam tomadas medidas que salvaguardem o ambiente e a saúde.

O Movimento Aljustrel Pelo Ambiente repudia qualquer tratamento leviano dos problemas ambientais e de saúde de Aljustrel. ... Rejeitamos também que Aljustrel seja apresentado enquanto bom exemplo ambiental enquanto os problemas ambientais que se arrastam não forem devidamente estudados e resolvidos.

As palavras de João Galamba chocam de caras com a realidade. Um tema desta complexidade não se coaduna com declarações levianas na praça pública. Em vez de espalhar desinformação sobre temas complexos, pede-se aos responsáveis políticos que falem com conhecimento de causa e sustentação científica e técnica. Aproveitamos estas infelizes declarações do Secretário de Estado para reafirmar a necessidade de mais fiscalização e de mais medidas concretas para mitigar os efeitos da indústria na vila mineira.

Leia tudo aqui.