Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Hospital de Beja pioneiro no Sul a tratar fibrilhação auricular

Zé LG Zé LG, 30.07.19

O Serviço de Cardiologia do Hospital de Beja realizou a primeira ablação de fibrilhação auricular pela técnica de crioablação na região sul, um procedimento minimamente invasivo utilizado para corrigir esta perturbação do ritmo cardíaco através do isolamento elétrico das veias pulmonares na aurícula esquerda.

médicos.jpg“A fibrilhação auricular aumenta o risco de insuficiência cardíaca e Acidente Vascular Cerebral (AVC), sendo também fator de risco para o desenvolvimento de demências. É uma condição que aporta custos para a população e, por isso, é com orgulho que o hospital de Beja passa agora a ser um centro que vem ajudar a tratar esta patologia”, afirma o médico cardiologista Luís Moura Duarte.

"A água não pode ser um negócio!"

Zé LG Zé LG, 30.07.19

«Desconhecimento e ignorância

44942075_10213082948456012_5319585749379579904_n.j

Sabiam que a distribuição eléctrica em baixa tensão (domiciliária) é uma competência municipal?
Sabiam que a mesma foi concessionada a uma empresa PÚBLICA no final dos anos 70?
Sabiam que, nos anos 90, a empresa concessionária - a EDP - passou a estar cotada em bolsa, ficando o Estado com cerca de 25% do capital?
Sabiam que a EDP, actualmente, é uma empresa 100% privada?
Sabiam que não existe, actualmente um único concelho do país com capacidade financeira ou técnica para avocar as suas competências em matéria de distribuição de energia eléctrica em baixa tensão?
Então, pensem no risco que hoje se corre quando se pretende entregar a competência municipal da distribuição de água em baixa pressão a terceiros.
Em Alenquer (uma Câmara de maioria do Partido Socialista), fizeram-no. Agora que querem denunciar a concessão, e está-lhes a ser exigida uma compensação de 60 milhões de euros.
Há matérias em que é preciso ter muito cuidado.
A água é um bem essencial!
A água não pode ser um negócio!
A água não é um negócio!

P. S. Alguém se lembra das "golden share" das empresas públicas? Aquela posição societária minoritária que permitia ao Estado bloquear decisões que fossem lesivas para a empresa e para o interesse público? Aquelas que o Eng. Sócrates eliminou, e abriu portas à venda desastrosa da PT? Também eram questões contratuais e decorriam da lei. Enfim…»

João Nuno Sequeira

Plataforma Alentejo solicita audiências ao 1º ministro e ao PR e prepara convenção do Alentejo sobre acessibilidades

Zé LG Zé LG, 30.07.19

plataforma.jpgO Secretariado da Plataforma Alentejo considerando os novos elementos já disponíveis e o referido estudo da REFER decidiu proceder à elaboração de uma exposição sobre as acessibilidades no Alentejo e solicitar ao primeiro-ministro e ao presidente da República audiências para a sua entrega e fundamentação. Está em cima da mesa, igualmente, a realização a 15 de Setembro de uma convenção do Alentejo sobre as acessibilidades (Marítimas, Aeroportuárias, Ferroviárias e Rodoviárias) e sobre o planeamento e ordenamento do território, considerando o facto da revisão do PROTA já estar em curso. Considera ser ainda possível recuperar parte importante do atraso existente na tomada de algumas decisões e introduzir ajustamentos, nalgumas decisões estratégicas anunciadas, que em muito poderão contribuir para o sucesso de alguns dos objetivos que têm vindo a ser publicamente assumidos pelo Governo, disse Claudino Matos.

Técnicos de Radiologia do litoral alentejano em greve

Zé LG Zé LG, 30.07.19

hospital.jpgOs técnicos de radiologia do litoral alentejano estão, hoje e amanhã, em greve. Está também prevista uma manifestação destes profissionais, em frente ao Hospital do Litoral Alentejano, hoje, entre as 11.00 e as 14.00 horas.

Estes profissionais exigem a negociação de remunerações dignas, condições de exercício que permitam corresponder às necessidades da população que serve, a aplicação do Código do Trabalho sem desvios, o fim das pressões sobre os profissionais para aceitarem condições contratuais e de exercício não consentâneas com a sua qualificação e competências e exercício profissional.