Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“PLATAFORMA ALENTEJO” APRESENTA «ESTRATÉGIA INTEGRADA DE ACESSIBILIDADE SUSTENTÁVEL DO ALENTEJO”

90336_1.jpg

Membros de diversas organizações empresariais, entidades públicas e privadas e movimentos de cidadania, ou na qualidade de cidadãos civicamente empenhados dirigessem-se, através de um abaixo-assinado, ao PR e da AR e ao primeiro-ministro no sentido de solicitar a sua atenção para o que denominam simbolicamente PLATAFORMA ALENTEJO (que pode ser assinada AQUI). Sob o lema «Estratégia Integrada de Acessibilidade Sustentável do Alentejo nas ligações Nacional e Internacional” apresentam aos governantes e a todos os demais cidadãos portugueses um conjunto de prioridades no domínio das acessibilidades e transportes que acreditam serem fundamentais para o desenvolvimento sustentável de toda a região do Alentejo, bem como para a sua coesão social, territorial, ambiental e energética, com claros benefícios para a totalidade do território nacional.

No imediato, são estas as prioridades: 

RURALBEJA - "PATRIMÓNIOS DO SUL"

A RURALBEJA – Feira de Santa Maria foi criada pela Câmara Municipal de Beja em conjunto com a ACOS, o NERBE e a então Região de Turismo da Planície Dourada.

O que motivou a sua criação foi a conclusão de um inquérito que a CMB fez à população sobre a Feira de Agosto, que apontou para o interesse na realização de uma feira, mas noutra altura, e também o compromisso assumido pela ACOS na realização do Campeonato do Mundo de Equitação de Trabalho e do Campeonato da Europa de Horseball.

O formato adoptado foi o da coexistência de várias “feiras” e outros eventos que já se tinham realizado e que se pretendia reactivar ou dinamizar, a que se juntaram outros como os atrás referidos.

O modelo organizativo adoptado foi o de uma promoção e organização conjuntas, embora, na prática e formalmente, assentes na ACOS, de forma a aproveitar a sua experiência na organização da OVIBEJA, a facilitar a apresentação de candidaturas aos fundos comunitários e a ter uma gestão administrativa menos condicionada, contando com o apoio logístico e financeiro do Município e com entradas e cedência de espaços pagos.

Com o passar dos anos, a RURALBEJA foi-se afirmando progressivamente como uma alternativa de Outono à OVIBEJA, passando a sua organização a assentar cada vez mais na ACOS.

As dificuldades começaram a surgir quando a CMB passou a não cumprir os compromissos financeiros assumidos, sobrecarregando a ACOS e gerando mal estar na cooperação entre as duas entidades. Esta situação atingiu a ruptura num ano em que a CMB recusou comparticipar com a verba necessária para a sustentação da realização da Feira e assumiu a sua organização.

A partir daí a CMB foi introduzindo alterações, por vezes erráticas, no formato e no modelo organizativo da Feira, com redução de receitas e aumento progressivo de despesas, nunca divulgadas com clareza, devido à sua distribuição por várias rubricas do orçamento municipal..

Pelo caminho, a Feira adoptou ainda o nome de Experiências do Sul, tal como agora se vai chamar Patrimónios do Sul, o que me parece contrário ao interesse na afirmação de uma MARCA. As explicações apresentadas, antes e agora, pelos Executivos do PS para a mudança do nome pouco ou nada a justificam, a não ser para fazer parecer que estão a criar uma “coisa” nova. O actual Executivo do PS parece não só pretender afirmar a diferença em relação aos Executivos da CDU mas também ao anterior do PS...

Deixo, para concluir, uma pergunta: Porque não chamar à Feira (ou evento) RURALBEJA - Patrimónios do Sul? Dessa forma, mantinha-se a afirmação da MARCA e sugeria-se o que se pretende valorizar com a realização da Feira.

“PROTEGE-ME” NA PRAIA DA MINA DE S. DOMINGOS

Exposição_Bichos_final.jpg

 

No âmbito do Programa Bandeira Azul, a Câmara Municipal de Mértola promove na Praia da Albufeira da Tapada Grande, na Mina de S. Domingos, a exposição “Protege-me – espécies a preservar neste ambiente”.

 

A exposição vai estar patente ao público até dia 24 de agosto e tem como objetivo principal dar a conhecer as espécies de fauna e flora em redor da albufeira, alertando para necessidade de preservação de todo o ecossistema do local.

 

Para além da exposição, os banhistas podem participar noutras iniciativas do Programa Bandeira Azul 2018, como é a Caravana do Ambiente e a Biblioteca de Praia.

JARDIM MUNICIPAL DE SERPA REABRE AO PÚBLICO

20180814091506711.jpg

O Jardim Municipal de Serpa reabre as suas portas ao público, nesta 4ªfeira, dia 15 Agosto, às 18.00 horas, depois de ter recebido obras de reabilitação, contemplando designadamente a vegetação, o bar, o lago, o parque infantil e o parque de cães, entre outros.

O Jardim Municipal vai estar aberto entre as 8.00 e as 24.00 horas, durante este período de Verão.

“PATRIMÓNIOS DO SUL” SUBSTITUI “RURAL BEJA”

Em Beja, 2018 marca o fim da “Rural Beja” e o nascimento de uma nova Feira, a “Patrimónios do Sul” e decorrerá de 4 a 7 de outubro.

Organizado pela autarquia, este novo certame – que acontecerá no Parque de Feiras e Exposições Manuel de Castro e Brito - pretende ser mais abrangente que o anterior e apresenta-se de um modo multifacetado e ambicioso: reunir todas as artes e saberes do Sul do país.

A Feira “Patrimónios do Sul” promoverá a identidade do território do sul do país aos níveis económico, cultural e turístico, valorizando os patrimónios, materiais e imateriais, e tradicionais, mas também os inovadores e o desenvolvimento regional e empreendedorismo e o espírito criativo.

MORREU JOÃO COSTA

2018081317060825.nb.png

João Manuel Costa, com 92 anos, natural de Nossa Senhora das Neves, faleceu ontem no Hospital de Beja. O funeral realiza-se esta tarde, às 15 horas, das Casas Mortuárias para o Cemitério de Beja.

João Costa foi empregado de escritório, activista associativo, militante do PCP e autarca. Era uma figura muito conhecida e respeitada em Beja, quer pela sua actividade quer pela sua postura. Era um homem bom e sério, discreto e solidário, muito interventivo.

Conheci-o há 40 anos, quando fomos vizinhos e partilhámos a militância no PCP. Ficámos amigos.

À família apresento as minhas sentidas condolências.

BE QUESTIONOU GOVERNO SOBRE AVARIA DE AUTOMOTORA COM DESTINO A BEJA

Comboios-Beja-768x432.jpg

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda questionou o Governo, através do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, sobre a avaria, do dia 3 de Agosto, na automotora que fazia a ligação entre Casa Branca e Beja.

Entre outras questões, o Bloco quer saber quando é que o Governo se compromete a repor o cumprimento dos horários da CP que estão anunciados e que que medidas “urgentes e inadiáveis” vão ser implementadas para requalificar a linha do Alentejo bem como o material circulante utilizado.

Alberto Matos, coordenador do Bloco de Esquerda em Beja considera “inacreditável” o que se passou no dia 3.

Comboio do conhecimento.png

Em seu entender é preciso dizer “basta”, acabar com “cantigas” e avançar com “acções de protesto a sério”. 

Se a situação não fosse trágica, até seria anedótico compará-la com a publicidade da CP sobre o Comboio do Conhecimento: “NÃO FIQUES APEADO”…

Está na hora de os alentejanos e as alentejanas encararem formas de luta contra a reiterada falta de respeito do CP, dos governos e do Estado português que expressem o nosso DIREITO À INDIGNAÇÃO.

PAULO ARSÉNIO CONSIDERA “MUITO POSITIVA” AUTORIZAÇÃO DE DESPESA PARA PALÁCIO DA JUSTIÇA

Paulo-Arsénio-3-768x512.jpg

Na última reunião de Conselho de Ministros foi autorizada a realização da despesa, pelo Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, relativa à construção do novo Palácio de Justiça de Beja.

O investimento de 4 milhões de euros vai albergar serviços da comarca espalhados por três edifícios localizados em Beja e um em Ferreira do Alentejo.

A construção do Palácio da Justiça de Beja deverá começar no próximo ano, em terrenos cedidos pela autarquia.

Paulo Arsénio, presidente da Câmara de Beja, frisa que se trata de um passo “muito positivo” para concretização deste projecto.

Comentários recentes

  • Anónimo

    O Paulo Arsénio está ao serviço do PS, não contest...

  • Anónimo

    Para fazer dinheiro vale tudo...

  • Ana Matos Pires

    Só por curiosidade deixo aqui as idades de todos:A...

  • Ana Matos Pires

    Nem eu afirmei tal coisa, Zé LG, apenas peguei no ...

  • Anónimo

    Muitos funcionarios da Camara comentam que no temp...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds