Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

RUA DA LAVOURA REABERTA AO TRÂNSITO

A Rua da Lavoura já está aberta ao trânsito. A intervenção consistiu numa alteração de traçado e redimensionamento da via, repavimentação e requalificação de todas as infra-estruturas de águas residuais domésticas, de abastecimento de água, de águas pluviais, de iluminação pública e de telecomunicações.

201802192300387374.jpg

“A obra vem permitir uma melhoria nas acessibilidades na cidade e representa um investimento de 1 milhão de euros, financiado pelo FEDER” em mais de 900 mil euros, salienta a Câmara de Beja.

Foto DAQUI.

BEJA VAI PASSAR A TER TRÊS ORIGENS DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO À CIDADE

EMAS-1-768x512.jpg

A EMAS- Empresa municipal de água e saneamento de Beja, tem em curso um investimento de 7,4 milhões de euros para melhorar o abastecimento de água às populações do concelho.

O projecto comtempla a nova Estação de Tratamento de Água da Magra que fará o abastecimento de água a Beja, Salvada, Quintos, Cabeça Gorda e Baleizão. Inclui também o novo sistema adutor com uma extensão de 38 quilómetros.

As intervenções são realizadas através da EMAS- Empresa Municipal de Água e Saneamento de Beja (mediante delegação de competências da Câmara), com recurso à Águas Públicas do Alentejo. O projecto é co-financiado a 85% pela União Europeia, através do POSEUR, no âmbito do Portugal 2020.

Rui Marreiros Administrador executivo da EMAS fala deste investimento como uma “verdadeira transformação no fornecimento de água”, que vai “triplicar a origem de água no abastecimento à cidade”, acrescentando que “as empreitadas estão no terreno” (…) a previsão é que “até ao final do ano estejam concluídas”.

“PIOR SECA DOS ÚLTIMOS 20 ANOS” REDUZIRÁ EM 50% ÁREA REGADA E TERÁ CONSEQUÊNCIAS NA ECONOMIA RURAL

201802192318235843.jpg

A FENAREG – Federação Nacional de Regantes alerta que este ano “haverá fortes restrições em quase todas as obras de rega” e frisa que “a maioria não terá água”, lembrando que “após quatro anos consecutivos de precipitação inferior à média, as reservas de água situam-se agora nos 36%”.

Isto significa para a FENAREG que mais de 50% das áreas irrigáveis não vão poder ser regadas em 2018, que os agricultores são os primeiros a ser afetados pela seca e que terão que adaptar as culturas e as áreas cultivadas à água disponível. Acrescenta que redução de colheitas e menores rentabilidades são efeitos da seca prolongada e que acabam transferidos à indústria agroalimentar e à economia rural.

Para a FENAREG a seca vai provocar em 2018, um prejuízo direto estimado de mais de 1,1 mil milhões de euros no saldo da balança comercial e por tudo isto pede “urgentes medidas compensatórias aos agricultores pelo agrupamento de custos com a rega.”

Para a FENAREG o Programa Nacional de Regadios, cujo arranque foi assinalado pelo ministro da Agricultura no passado dia 2, é “mais um progresso na adaptação às alterações climáticas” e refere, igualmente, que “como aposta na competitividade da agricultura, também a PAC pós 2020 deve assegurar a continuidade dos investimentos em regadio para melhor resiliência aos períodos de seca.”

Comentários recentes

  • Anónimo

    Não podes estar mais longe. O eterno e sempre à mã...

  • Anónimo

    Se há tanta clarividência acerca da geringonça com...

  • Anónimo

    Sem dúvida, sobretudo os grandes interesses capita...

  • Anónimo

    Tal e qual ... até que enfim que alguém vai ao cer...

  • Anónimo

    Esta técnica de mal-dizer é cronicamente utilizada...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds