Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
24
Nov 17

violencia%20mulheres.jpg

publicado por Zé LG às 18:09
24
Nov 17

231120171604-207-grevetecnicos.jpg

Os técnicos superiores das áreas de diagnóstico e terapêutica estão em greve por tempo indeterminado, desde o dia 2 de Novembro, e garantem que esta paralisação só termina quando o Governo decidir cumprir a lei.

O Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica recorda que há cerca de 10 mil profissionais em exercício nos serviços públicos de saúde que querem ver a sua carreira regularizada. A nível europeu a carreira é reconhecida, mas em Portugal não, disse o técnico de radiologia do Hospital de Beja, António Balsinha, frisando que esta greve já dura há 22 dias.
Esta greve está a afectar praticamente todos os serviços de saúde, com especial incidência nos blocos operatórios, altas e internamentos hospitalares, diagnósticos diferenciados em todas as áreas de intervenção clínica, planos terapêuticos em curso, distribuição de medicamentos e prevenção em saúde.

publicado por Zé LG às 13:54
24
Nov 17

imgLoader.jpg

Ver PROGRAMA.

publicado por Zé LG às 12:46
24
Nov 17

578px_9c5c150911915325733449.png

220720151035-773-stal2.jpg

O STAL informa que o reposicionamento remuneratório foi exigido por si à administração anterior, e que o mesmo “resulta da aplicação das medidas inseridas na Lei do Orçamento de Estado para 2017 e do respectivo Decreto-Lei de Execução Orçamental, conforme foi amplamente divulgado aos trabalhadores nos plenários realizados na empresa”, e que “estas medidas foram aplicadas em todas as empresas públicas onde existem Acordos Colectivos de trabalho em vigor, como é o caso da EMAS”.

Rui Marreiros afirma que os aumentos feitos pela anterior administração são “ilegais”. A nova administração sustenta a decisão num parecer da CCDR Alentejo.  O administrador executivo da EMAS, adianta que “era uma situação insustentável (…) para os trabalhadores porque não tardaria até que a decisão [de revisão dos salários] fosse imposta pela via dos Tribunais” com prejuízos para os trabalhadores que teriam, eventualmente, de repor as verbas recebidas.

Ler e ouvir AQUI e AQUI.

publicado por Zé LG às 08:48
24
Nov 17

SI-01-01.jpg

Ver PROGRAMA.

 

publicado por Zé LG às 01:03
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
Contador de visitas

Desde 15.01.2011
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Quanto ao relevante disse... nada.Então vamos lá:1...
Incompetência,incompetência...nada fazer nem nada ...
Para o inefável Adalberto, está tudo no melhor dos...
E quem é agora o administrador da Resialentejo? E ...
É uma tendência que se agravará ainda mais, pois o...
Será bom perguntar ao sr Arquiteto José Falcão e s...
Mais valia substituírem este deputado pelo profess...
O deputado João Dias avançou à Voz da Planície, as...
Já não seria sem tempo. Ufffffff
Cuidado, é perigoso comentar. O Ministério Público...
Aquisição de Serviços de Reengenharia e gestão Tra...
É perguntar ao professor Picado. De certeza que el...
E alguém sabe o que é isto?http://www.base.gov.pt/...
A juntar a estes 134 mil.http://www.base.gov.pt/Ba...
Vai aconselhando o jovem autarca nas contratações ...
blogs SAPO