Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

AFINAL ULSBA "RESOLVE" E OBSTETRÍCIA JÁ NÃO FECHA 

310820171044-631-Medico.jpg

Depois de ter avançado que o Serviço de Urgência de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital de Beja iria encerrar amanhã, terça e quinta-feira por falta de médicos, a ULSBA diz agora que a situação está "resolvida".

A Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo tinha avançado que o encerramento se deveria à “falta de médicos da Especialidade de Obstetrícia para o preenchimento da escala do Serviço”. 

Num esclarecimento enviado à Rádio Pax, a Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo refere que"a situação relativa ao preenchimento da escala do Serviço de Urgência de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital José Joaquim Fernandes está resolvida, anulando a informação enviada" anteriormente.

ESTADO INJECTA MAIS 8,68 MILHÕES NA EDIA

alqueva.jpg

A EDIA, empresa pública que gere a barragem do Alqueva, voltou a receber novo reforço de capital do Estado em agosto, num total de 8,68 milhões de euros.

Trata-se do terceiro aumento de capital de 2017, que totaliza 30,9 milhões de euros e que faz ascender o capital social da empresa a 495 milhões, 249 mil e 60 euros. A EDIA tem como principal fonte de financiamento os aumentos de capital.

Segundo o relatório de contas de 2016 "o accionista Estado no seguimento da política de financiamento adoptada, atribuiu à empresa os capitais necessários para suprir as necessidades do serviço da dívida (reembolsos e juros), e ainda um aumento de capital de €11.126.161 para a conclusão dos investimentos uma vez que, por calendarização dos programas de financiamento comunitário (POVT e Inalentejo), os investimentos remanescentes do ano de 2016 tiveram de ser praticamente financiados por fundos próprios," conforme avança o Jornal de Negócios, na sua edição de ontem.

O exercício de 2016 foi marcado por um aumento dos prejuízos, de 10,9 milhões em 2015 para um resultado líquido negativo de 14 milhões de euros.

 

Imagem de capa de portugalfotografiaaerea.blogspot.com

Comentários recentes

  • Anónimo

    O anti-maçonismo é como o anti-comunismo. Ambas as...

  • Anónimo

    Os populismos apenas surgem por incompetencia dos ...

  • Anónimo

    Há, mas são verdes.

  • Anónimo

    Avisa-se a todos aqueles que diziam, dizem e escre...

  • Anónimo

    PARABENS PAULO ARSENIO , novo Elefante Branco no P...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds