Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

PASSOS COELHO ACUSA ANTÓNIO COSTA DE “RADICALISMO” E CONVIDA-O PARA “UMA COLIGAÇÃO DE GOVERNO MAIS ALARGADA”

mw-860.jpegEste período pós-eleitoral, em que as forças políticas procuram criar condições para a  constituição de um governo de continuidade da política de direita ou de alternativa à esquerda, parece ter perturbado irreversivelmente a capacidade negocial dos líderes da direita. Passos Coelho não deu qualquer importância ao PS – único partido com quem poderia alcançar a maioria de deputados para sustentar um seu novo governo -, quando foi encarregado pelo PR para criar uma solução estável de governação. Depois abordou as negociações com superficialidade, para finalmente acusar António Costa e o PS de “radicalismo” e de “fazer sugestões e insinuações irresponsáveis e sem qualquer fundamento real 'sobre a situação do País, de empresas estratégicas ou do conjunto do sector financeiro'.” E, finalmente, afirma que: “Se o PS prefere discutir estas matérias enquanto futuro membro de uma coligação de Governo mais alargada, então que o diga também com clareza”.
Ou seja, Coelho, depois de acusar Costa de todas as tropelias, convida-o para integrar um seu novo governo. Será que, depois disto tudo, ainda haverá algum socialista que admita que António Costa faça qualquer tipo de acordo com Passos Coelho e Paulo Portas?!

FEIRA DE CASTRO MOLHADA

DSC_0006.jpg

DSC_0004.jpg

Este ano só deu para cumprir uma parte da tradição - almoçar em casa de um amigo com familiares e amigos. 

A chuva não deu para visitarmos a Feira, como os miúdos tanto gostam. Só fui a correr comprar os frutos secos, para que não viéssemos de mãos a abanar.

 

Infelizmente, tive uma má notícia: Morreu o Senhor Justino. A notícia foi-me dada pela própria viúva.

Era o vendedor de frutos secos, talvez, mais antigo das Feiras da Senhora d'Aires, de Castro e dos Santos, a quem me habituei a comprar aqueles produtos e que muito estimava.

“EU GOSTO DESTES TEMPOS QUE ESTAMOS A VIVER.”

Não, não é "nenhum golpe de Estado". É tudo dentro das mais transparentes regras da democracia.
É de facto uma situação inédita em Portugal mas que resulta de dois fatores novos absolutamente determinantes:
- Tivemos o governo mais à Direita de que há memória em Portugal, duplicando toda a "dose" de austeridade que estava prevista no memorando da Troika, o que só pode afastar o PS do PSD;
- A esquerda "radical" portuguesa, representada por 1.000.000 de votos, decide inclui-se no "arco da governação" pela 1.ª vez no pós-25 de abril;
Perante este cenário António Costa seria negligente e irresponsável se não ouvisse e negociasse com estas forças também, qualquer que seja o resultado "final" desta aproximação.
Há quem preferia por vício quiçá, uma democracia amputada, só reservada para 3 (PSD, PS e CDS).
Esse tempo aparentemente terminou. Simpatize-se ou não com o partido X ou Y.
Aliás não foi esta senhora (MF Leite) que há uns anos disse que em Portugal a democracia devia ser suspensa durante 6 meses?
Ai Portugal, Portugal de curta memória...
Eu gosto destes tempos que estamos a viver. O romantismo, o sonho e a paixão voltaram à politica. E isso é bom.
Comentário de Anónimo a 16 de Outubro de 2015 às 02:08, AQUI.

Comentários recentes

  • Anónimo

    ????????????????????

  • Anónimo

    Ninguém comenta a capa verde?

  • Anónimo

    Obrigado caro amigo. Um grande abraço. Ricardo (Se...

  • Ana Matos Pires

    Sim, vai seguir mail e o jornal fará o que entende...

  • Anónimo

    Dra,, esse reparo devia ser enviado directamente a...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds