Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

OBRAS DE LIGAÇÃO ENTRE O NOVO E O ANTIGO DEPÓSITO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE OURIQUE JÁ COMEÇARAM

Zé LG, 07.04.15

020420151715-304-obrasguaourique.jpgEstas obras - da responsabilidade conjunta da empresa Águas do Alentejo com a Câmara de Ourique -, vão permitir um melhor e mais eficaz fornecimento de água a todos os habitantes da vila.
A Câmara de Ourique também já adjudicou uma empreitada tendo em vista a beneficiação da entrada norte da vila.
Ler e ouvir AQUI.

ESTRADAS DE BEJA DANIFICADAS POR OBRAS DA EDIA VÃO SER REPARADAS

Zé LG, 07.04.15

manchete_text_040420152154-119-EstradaQuintos570.jO Município de Beja informa que, por motivo de obras de reparação das estradas danificadas na sequência das obras da EDIA, a partir do dia 7 de Abril (terça-feira), entre as 7:00 horas e as 19:00h, e por um período previsível de duas semanas:
- encerramento da estrada municipal 513 entre o entroncamento da estrada da Salvada e Beja (EM 511) e a estrada nacional 391.
- encerramento do acesso à EM 513 (estrada de Quintos) através do CM 1046 (estrada do Padrão).
- nos últimos 3 dias de intervenção ainda ficará condicionado o trânsito na estrada EM512 (estrada de Baleizão-Quintos).
As alternativas de acesso a Beja são feitas pela Salvada ou pela estrada de Baleizão-Quintos.
Copiado DAQUI.

CÂMARA DE SERPA CONCLUIU REQUALIFICAÇÃO DA RUA SERPA PINTO

Zé LG, 06.04.15

050420151548-791-entradaserpa.jpgA intervenção situou-se ao nível do sistema de águas pluviais e veio resolver o problema da inundação da faixa de rodagem quando se verificava elevada pluviosidade.
Em paralelo foi feita uma configuração similar à restante Circular Interna.
A construção do passeio permite melhorar as condições de segurança no acesso dos peões ao espaço do mercado mensal.
Tomé Pires, presidente do município, realça que foram resolvidos alguns dos problemas sentidos na única entrada “que carecia de alguma requalificação”.

Ler e ouvir AQUI.

"A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PRECISA DE TER MAIS PLASTICIDADE E DE VER NAS PESSOAS UM MEIO PARA ALCANÇAR METAS: COM ELAS, E NÃO APESAR DELAS."

Zé LG, 06.04.15

Burnout: O fim da linha
A escassez de recursos e a pressão para obter resultados estão a levar cada vez mais trabalhadores ao esgotamento físico e emocional. Faça o testa e perceba se está stressado ou em "burnout".

Ler mais: http://visao.sapo.pt/burnout-o-fim-da-linha=f815465#ixzz3WTJonXeU

burnout-398f.jpg

O economista Eugénio Rosa acredita que é urgente refletir sobre "os deuses que dominam as sociedades atuais - a competitividade, o individualismo, o desejo de vencer e ser o melhor - e que as empresas premeiam, sem estimular a cooperação". A psicanalista e psicóloga do trabalho Tânia Pinto faz uma distinção entre o stresse, "ligado à urgência e ao too much" e o esgotamento, que "é da ordem do never enough, ou seja, nunca se é suficiente para fazer o que é pedido ou que o próprio se impõe". E chama a atenção para o discurso paradoxal da organização do trabalho: o "se está tudo nas tuas mãos e não aguentares é porque és fraco" coloca as pessoas num beco sem saída. "Não há absentismo mas presentismo, está-se lá mas não se investe." Sobretudo ao nível dos quadros, que se defendem do sofrimento ético com a atitude "não vi, não ouvi". A cultura do silêncio potencia situações limite, como as vagas de suicídios ocorridas há anos, no processo de reestruturação da France Telecom. Aí, prossegue Tânia Pinto, "o desmembramento de equipas e o subdimensionar do problema voltou-se contra os que os promoveram". A grande lição a tirar: "A organização do trabalho precisa de ter mais plasticidade e de ver nas pessoas um meio para alcançar metas: com elas, e não apesar delas."

Ler todo o artigo AQUI.

 

Aqui está um assunto de grande pertinência e oportunidade, que mostra como empregadores prejudicam as suas organizações ao não contarem com os seus trabalhadores como meios fundamentais para alcançarem as suas metas. Como diz o ditado: quem tudo quer tudo perde...

OVIBEJA PROMOVE MAIOR ENCONTRO DO CANTE DE QUE HÁ MEMÓRIA

Zé LG, 06.04.15

A Ovibeja 2015, naquela que é a sua 32ª edição homenageia o cante alentejano, com diversas iniciativas, entre elas a realização do maior encontro de grupos corais de que há memória.

11023809_884420948291719_3098783866420601543_n.jpg

O cante vai ser assim, um dos temas centrais da Ovibeja, através de uma exposição interativa, de palestras e colóquios sobre a origem e a importância do canto coral, da sua expressão antropológica e sociológica, da atuação de grupos corais alentejanos existentes em todo o País e nos diversos países onde há grupos organizados e ativos, além das mais variadas manifestações culturais associadas ao cante.
A Ovibeja inaugura, a 29 deste mês, quarta-feira, com um dia dedicado ao ensino do cante nas escolas, sugere para quinta e sexta diversas tertúlias no espaço temático e no sábado realiza o grande encontro do cante, que vai reunir mais de 2000 cantadores e que será o maior de que há memória.
Ler e ouvir AQUI.

O PROBLEMA PRINCIPAL É O DE TEREM O PODER COMO UM FIM EM SI PRÓPRIO, NÃO COMO UM INSTRUMENTO PARA MELHORAR O SERVIÇO PÚBLICO.

Zé LG, 05.04.15

Se souberem o que deve ser feito e o quiserem mesmo fazer, arranjarão maneira de dirigir a mudança. O problema principal destas administrações é o de terem o poder como um fim em si próprio, não como um instrumento para melhorar o serviço público. O que prova esta afirmação é a necessidade de construírem uma rede de colaboradores que não estejam, salvo raras exceções, interessados em mudanças. O que também prova que esse é o sistema é o facto de não apresentarem aos trabalhadores da organização e não divulgarem publicamente qualquer plano estratégico. Desde que a tal rede de chefinhos garanta a estabilidade dócil, dispensam o estímulo e envolvimento dos profissionais e desprezam dar explicações aos contribuintes.
Anónimo a 4 de Abril de 2015 às 08:55, AQUI.

"ESTRANHA PÁTRIA A MINHA"

Zé LG, 03.04.15

   Portugal. País igual a tantos outros, e diferente dos outros em tantos aspetos.

   O teu povo é o teu sangue, a tua cultura, incluindo a língua, é a tua maneira de ser no mundo. Ou de estar, que, neste caso, tanto faz.

   Tens séculos (quase nove!) de existência, e ainda há quem duvide da tua viabilidade. Sobreviveste a muito, conheceste a glória e o inferno, e continuas. Tiveste descobridores heróicos e esclavagistas sem coração. Conquistaste com ardor e sofrimento, e construíste com imaginação. Heróis e patifes nunca te faltaram. E povo anónimo, a massa de que és feito, e que sempre te levou à vitória. Porque sempre houve um querer coletivo que, discreto, te sustentou.

   Um pessimismo voraz atormenta-te, pátria minha. As tuas elites acham-te pequena para elas. Esquecendo que são tuas filhas, e que a sua maneira de pensar é uma das coisas que melhor te caracteriza. Não se pode negar ser filho duma cultura, mesmo que não se goste dela.

   De novo reduzida à tua Europa natal, ainda não encontraste o teu caminho. Nem pareces compreender que criaste no mundo um outro mundo de dimensão desmedida em relação ao teu modesto tamanho.

   A Lusofonia, filha de tanto ódio e de tanto amor, rebento inesperado da tua vontade, fruto da ação, nem sempre meritória, do teu povo, nas quatro partidas do mundo, está aí. E tu esqueces. E tu troças. E tu desprezas.

   A tua cultura é o que é. Resistente como poucas. Como o prova a sua sobrevivência numa terra em que tudo foi feito para a destruir durante duzentos anos, e onde volta a dar sinais de si. Em Olivença! Ignorada, claro. Pela imprensa, pela intelectualidade indígena.

   Uma cultura que saiu de ti, pátria minha, já deu por ela. O Brasil.

   Parece que os teus frutos são, por vezes, mais argutos e menos pessimistas que o teu povo de origem.

   Vai sendo tempo, pátria minha, de olhares mais para ti própria. Para a massa do povo anónimo. Que não se revê nas elites, políticas, culturais, ou económicas. E que, por isso, resiste, duzentos anos ou mais. Mesmo sem heróis, ou ideologias profundas e renovadoras. Mas resiste. E dura. E sente. E é Portugal.

   Estremoz, 31 de março de 2015

Carlos Eduardo da Cruz Luna 

ELEIÇÕES NA MADEIRA VÃO SER REPETIDAS

Zé LG, 01.04.15

Depois da CNE ter reconhecido que foi cometido um pequeno mas significativo erro na contagem dos votos, de Alberto João Jardim ter considerado a CNE incompetente e de todos os partidos terem recorrido para o Tribunal Constitucional para que sejam recontados todos os votos, a CNE decidiu anular as eleições e marcar nova votação para que os todos os votos sejam bem contados logo à primeira e todos incluídos nos cálculos do aputamento dos deputados eleitos, provando assim que sabe aplicar o médoto de Hondt. 

As reacções dos concorrentes não se fizeram esperar, sendo a mais notada a do ex~líder do PS e Companhia que se demitiu na sequência dos resultados obtidos pelo ajuntamento, argumentando que era uma chatice ter de voltar atrás e voltar a liderar um ajuntamento que não sabia se seria capaz de voltar a juntar. 

Também Alberto João Jardim, na sua forma peculiar de se exprimir, afirmou que esta situação não passa de uma palhaçada, que estão a dar demasiada liberdade aos "cubanos" e que não é admissível fazer uma nova edição das celebrações do Carnaval, porque já não aguenta duas no mesmo ano...

Pág. 5/5