Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

"Imenso Sul: um projecto jornalístico criado há 20 anos no e para o Alentejo"

Zé LG, 06.01.15

Imenso Sul.jpgFaz hoje precisamente 20 anos que um grupo de jornalistas juntou várias dezenas de convidados numa adega da Vidigueira para lhes apresentar um novo projecto editorial, abrangendo todo o Alentejo, que durou vários anos e que se consubstanciou numa revista e num jornal semanário.
O projecto tinha começado a delinear-se na Primavera anterior e juntou 15 jornalistas ou pessoas ligadas à comunicação social de todo o Alentejo: António Carrapato, António José Brito, António Pedro, Carlos Júlio, Carlos Neves, Conceição Rego, Dores Correia, José Frota, José Luís Jones, José Manuel Rodrigues, Luís Rego, Paulo Barriga, Paulo Nobre, Pedro Ferro e Raúl Oliveira. ...
A primeira revista, que começou a ser distribuída nesse dia pelos postos de venda, tinha 66 páginas e um dossier principal onde se analisava nas suas diversas vertentes (económica, social, demográfica, patrimonial, etc.) o Estado do Alentejo. ...
Foi um projecto bonito este, que começou por ter sede na Vidigueira, depois em Beja e, por último, em Évora, com uma revista e com um jornal semanário que marcaram informativamente a região, mas que, no início da década de 2000, soçobrou - como muitos outros - face às dificuldades económicas que se acentuaram na sociedade portuguesa com o fim do guterrismo.
Publicada por A Cinco Tons às 12:05, em: http://www.cincotons.com/2015/01/imenso-sul-um-projecto-jornalistico.html

O QUE JUSTIFICA A EVENTUAL DEMOLIÇÃO DO DEPÓSITO DE ÁGUA DA PRAÇA DA REPÚBLICA?

Zé LG, 06.01.15

14919700_GAmbj.jpegDepois de ter publicado o alvitre intitulado “AFINAL QUE FUTURO VAI TER O DEPÓSITO DE ÁGUA DA PRAÇA DA REPÚBLICA?”, in: http://alvitrando.blogs.sapo.pt/afinal-que-futuro-vai-ter-o-deposito-de-2839470, em que desafiei “os visitantes do Alvitrando a darem a sua opinião e, se quiserem, a debater aqui esta polémica questão”, o anterior presidente da Câmara de Beja, Jorge Pulido Valente, e o administrador-delegado da EMAS, Rui Marreiros, vieram através de comentários a ele, justificar a sua proposta de reabilitação do depósito e a sua utilização como miradouro.
Estranhamente, ninguém do actual executivo camarário ou seus apoiantes apareceu a defender a demolição do depósito. Porque será? Porque não leram o alvitre? Porque não esclarecem dúvidas levantadas em blogues ou neste em particular? Porque não têm argumentos que justifiquem tal eventual decisão? Ou, pura e simplesmente, porque acham que foram eleitos para tomar decisões e não têm de discuti-las, mesmo que nunca antes tenham falado nelas? Espero que alguém ainda venha esclarecer estas questões.

TRABALHADORES DO MUSEU REGIONAL DE BEJA JÁ RECEBERAM O VENCIMENTO EM ATRASO

Zé LG, 06.01.15

140120141744-87-MUSEUREGIONALDEBEJAFOTOGRAFIANOVA.A CIMBAL realizou, entretanto, uma reunião com o secretário de Estado da Cultura sobre o Museu e deverá decidir-se sobre esta matéria no decorrer deste mês, explicou Santiago Macias, o presidente da ADB, dizendo que entregou na CIMBAL no dia 30 de dezembro de 2014, um ofício, o terceiro, a pedir o agendamento urgente desta questão.
Apesar dos funcionários já terem recebido o valor em falta do vencimento de dezembro existe contudo, uma dificuldade acrescida, segundo Santiago Macias, que consiste no facto, da ADB já não dispor de orçamento. Neste contexto, Santiago Macias avançou que foi marcada para o dia 14 deste mês uma reunião da ADB para aprovação de orçamento, situação que tem como objetivo garantir o pagamento dos ordenados de janeiro e o funcionamento do Museu Regional até que tudo fique resolvido.
Falta ainda, a secretaria de Estado da Administração Local notificar formalmente a ADB o que dá alguma margem de manobra, em termos de tempo. Seja como for e na opinião de Santiago Macias, a passagem de património, funcionários e gestão do Museu Regional para a CIMBAL é a única alternativa possível, para a resolução da extinção da ADB, ditada pela lei publicada a 26 de junho de 2014.
In: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?go=noticias&id=4769

Comemorações do Centenário do Nascimento de José Sebastião e Silva no IPBeja

Zé LG, 05.01.15

jose_sebastiao_e_silva.jpgJosé Sebastião e Silva, um dos maiores matemáticos portugueses do século XX, nasceu em Mértola a 12 de Dezembro de 1914.
Notável académico, matemático e pedagogo deixou uma obra importantíssima.
No âmbito das comemorações sobre o seu nascimento, estará patente ao público, entre os dias 5 e 9 de janeiro, na Galeria AoLado, do IPBeja uma exposição subordinada ao tema “José Sebastião e Silva: vida e obra” e no dia 8 de janeiro, pelas 11 horas, decorrerá no Auditório dos Serviços Comuns do Instituto Politécnico de Beja, uma Conferência sobre a vida e obra de José Sebastião e Silva
In: https://www.ipbeja.pt/Paginas/default.aspx

AFINAL O QUE MUDOU NESTES CINCO ANOS?

Zé LG, 04.01.15

PR alerta para a possibilidade de “uma situação explosiva"

Cavaco Silva santinho de pau carunchoso.jpgNa sua habitual mensagem de Ano Novo, Cavaco Silva manifestou preocupação com a dívida do Estado e o endividamento externo do país, notando, a propósito deste último factor, que "o tempo das taxas de juro baixas não demorará muito a chegar ao fim". "Com este aumento da dívida externa e do desemprego, a que se junta o desequilíbrio das contas públicas, podemos caminhar para uma situação explosiva", alertou.
Notando que os "tempos difíceis" são "ainda de maior exigência e responsabilidade para os detentores de cargos públicos" e pedindo que se concentrem no combate ao desemprego e nos problemas "do país real".
publicado por Zé LG às 23:59, de 01/01/2010, em: http://alvitrando.blogs.sapo.pt/1292687.html

 

O que mudou nestes cinco anos para que o PR não tenha repetido este alerta, na sua homilia deste ano, de que "podemos caminhar para uma situação explosiva"? - Mudou o governo...

FERREIRENSE ÂNGELA RELÓGIO FINANCIADA PELA ALEMANHA PARA INVESTIGAR “RELÓGIO CIRCADIANO”

Zé LG, 03.01.15

10686607_756363211122494_2574765699250241984_n.jpgÂngela Relógio, natural de Ferreira do Alentejo e investigadora na Universidade de Medicina de Berlim, Alemanha, tem vindo a dedicar-se ao estudo do relógio circadiano e recebeu, em 2014, do Ministério Federal da Educação e Investigação da Alemanha um financiamento de 1, 5 milhões de euros para os próximos cinco anos. Um montante que lhe permitirá desenvolver o seu grupo de investigação que irá estudar “as características do relógio circadiano em diferentes tipos de células tumorais”.
O objetivo da investigadora alentejana é “identificar fases específicas, durante a progressão tumoral, onde o relógio escapa ao controle do organismo, o que poderá ter implicações na terapia utilizada”.
Ângela Relógio licenciou-se em Engenharia Física-Tecnológica pelo Instituto Superior Técnico (IST) de Lisboa e obteve uma bolsa de doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia do Ministério da Ciência. Participou em diversos seminários e conferências, deu aulas no IST e rumou depois ao Laboratório Europeu de Biologia Molecular (EMBL), em Heidelberg, Alemanha.
In: http://da.ambaal.pt/noticias/?id=6984

HAVERÁ MUSEU REGIONAL DE BEJA EM 2015?

Zé LG, 03.01.15

logo-museu-regional-de-beja.jpgO Museu Regional de Beja é uma peça essencial no futuro da região, na afirmação do território e da própria cidade de Beja. Assim esta o queira.
Foram várias as iniciativas em torno do Património e do Museu, nas quais participei. Em fevereiro de 2012 teve lugar o colóquio “Beja – imagens da cidade antiga”, com uma chamada de atenção séria para a situação do Museu Regional. Os resultados práticos foram inexistentes. Em maio de 2012 promoveu-se uma concentração à porta do museu, alertando de novo para um problema que se tornava cada vez mais sério. Nada de concreto se passou.
Chegado a este ponto, deixo aqui algumas questões, já em tempos formuladas: É admissível que se possa pensar no encerramento, por falta de perspetivas futuras (que têm de ser criadas), de um dos principais museus do Sul? É admissível que a cidade se alheie de uma das suas mais emblemáticas instituições e deixe que ela definhe, sem poder cumprir a sua função? É admissível que os poderes públicos olhem para um Museu (e logo este, cheio de carga simbólica e possuidor de uma notável coleção) como se encara um setor dispensável de um qualquer organigrama?
Depois de um ano perdido em hesitações de vária ordem, o tempo é agora mais escasso e o caminho ainda mais estreito.

 

Leia todo o texto publicado por Santiago Macias à(s) 00:11, em: http://avenidadasaluquia34.blogspot.pt/2015/01/havera-museu-regional-de-beja-em-2015.html?m=0

SER AUTARCA HOJE

Zé LG, 02.01.15

… não é tarefa fácil, principalmente se for desempenhada com responsabilidade, competência, dedicação e honestidade.
As inúmeras dificuldades criadas às autarquias locais pelo governo e pela administração central, fortemente centralizada, em termos legislativos, financeiros e de procedimentos transformaram progressivamente essa função num quebra-cabeças que leva a rolar algumas.
As dificuldades criadas pela crise e pelas políticas de austeridade agravaram ainda mais a situação, levando muitas pessoas a procurar nas autarquias e nos eleitos soluções para os problemas com que se viram confrontadas, porque é o poder que se encontra mais perto.
Em termos remuneratórios também não é de fazer inveja, ao contrário do que muitos julgam, a não ser quem entenda a função como um emprego, com horário de função pública.
Nenhum autarca, a viver exclusivamente do rendimento recebido enquanto tal, sem “engenharias” que lhe acrescente mais algum através de ajudas de custos e outros artifícios enriqueceu ou pode enriquecer.
Todos os que no exercício dessas funções enriquece(ra)m, mostram sinais exteriores de riqueza, ou passa(ra)m a ter grandes negócios deveriam ser investigados, porque certamente não conseguiram isso com um desempenho honesto das funções de autarca em exclusividade.

ORÇAMENTO DO MUNICÍPIO DE MOURA CHUMBADO PELA SEGUNDA VEZ

Zé LG, 02.01.15

111220140005-289-CamaradeMoura.jpgO presidente da Câmara Santiago Macias, referiu que este chumbo não foi uma surpresa e que o mesmo vai criar, naturalmente dificuldades ao orçamento municipal. Adiantou contudo, que a autarquia vai saber mesmo assim, em 2015, encontrar as soluções que permitam dar resposta aos anseios da população de Moura.
Recorde-se que não tendo conseguido a aprovação dos documentos previsionais para 2015, nos prazos estipulados por lei, o Município de Moura é gerido, a partir de 1 de janeiro, com Orçamento idêntico ao do ano transato.
In: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?go=noticias&id=4748

Pág. 4/4