Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Acabem-no, porra!

Zé LG Zé LG, 17.06.14

... é o que apetece dizer ao entrarmos em Beja, pela rotunda dos supermercados, e depararmo-nos com este “arranjo urbanístico”. O que deve ter sido concebido para embelezar a referida entrada da cidade apresenta o aspecto que a fotografia mostra.

Esta é, mais uma, imagem de marca do Poder Local – os que estão no poder, ao chegarem ao final do mandato entram em estado febril de iniciar obras que encham o olho dos eleitores mais desprevenidos, sem cuidarem de avaliar as possibilidades de acabá-las; os que entram de novo, abandonam-nas, ou porque pretendem que os eleitores mais distraídos se esqueçam de quem as lançou para depois as concluírem como se da sua iniciativa se tratassem ou porque não concordam com elas e pretendem substitui-las por outras. E a assim se gasta dinheiro público e se apresentam maus cartões de visita das nossas terras.

Parece ser este o caso deste “arranjo”, que não se sabe muito bem como ficaria nem como vai evoluir, porque o anterior executivo camarário “se esqueceu” de colocar lá uma placa a informar o que pretendia fazer e o actual ainda “não se lembrou” de colocar outra a informar o e quando vai fazer. É esta a comunicação que a Câmara Municipal de Beja mantém com os munícipes e visitantes.

Antes de criarem expectativas de fazerem novas obras não seria preferível acabarem as já iniciadas e assegurarem a manutenção e boa gestão das infa-estruturas e equipamentos existentes?

Ceia da Silva mostra dinâmicas criadas na região no setor do turismo a Jerónimo de Sousa

Zé LG Zé LG, 17.06.14

Ceia da Silva quer mostrar, no terreno, aos líderes partidários as dinâmicas criadas na região no setor do turismo. Jerónimo de Sousa foi o único que até agora aceitou o convite e manifestou-se satisfeito com as dinâmicas que encontrou no quadro das potencialidades que se abrem à região.

In: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?go=noticias&id=3150

Municípios assinaram pacto para o desenvolvimento “Baixo.Alentejo@2020”

Zé LG Zé LG, 17.06.14

Depois das apresentações e debates, os municípios assinaram, esta manhã, o pacto para o desenvolvimento “Baixo.Alentejo@2020”.

O Plano para 2014-2020 pretende posicionar a região como “território amigo do investimento”. Este é o primeiro de cinco objectivos do documento.

O Plano aponta ainda como metas a transformação do Baixo Alentejo em “território empreendedor”, a valorização da região como “território de excelência ambiental” e o seu reforço como “território residencial apelativo”. Por último, o documento quer tornar a região num “território em rede(s)”, onde é promovida a cooperação entre instituições.

O Plano Estratégico de Desenvolvimento do Baixo Alentejo indica como problemas estruturais a escassez de massa crítica, a fragilidade da base económica, a fraca exploração do potencial endógeno e a retracção da população residente.

In: http://www.radiopax.com/index.php?go=noticias&id=4222

Portaria que prevê a reorganização dos serviços hospitalares não serve a população do distrito de Beja

Zé LG Zé LG, 17.06.14

Esta "posição" saiu da sessão extraordinária da Assembleia Distrital de Beja da Ordem dos Médicos.
A reunião juntou 30 médicos e todos foram unânimes ao considerar que a reorganização e racionalização são importantes mas como está não serve a população desta região como afirma Conceição Vilão, presidente da Assembleia Distrital de Beja da Ordem dos Médicos.
Ainda segundo Conceição Vilão com esta Portaria algumas especialidades “vitais” ficam em causa e afirma ainda que os médicos têm que ser ouvidos na reorganização dos serviços hospitalares porque neste caso concreto não foram.

In: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?go=noticias&id=3144