Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Vito Carioca e João Paulo Ramôa respondem a José Bariga

O artigo de opinião “Beja a Ferro e Fogo”, que José Barriga publicou no Diário do Alentejo - http://da.ambaal.pt/noticias/?id=5707 – obteve, como resposta, depois de alguns comentários feitos por Júlio Raimundo, antigo presidente da Cooperativa Proletário Alentejano - http://alvitrando.blogs.sapo.pt/beja-a-ferro-e-fogo-2720748, um “Direito de resposta” de Vito Carioca, Presidente do Conselho de Gestão do IPBeja - http://da.ambaal.pt/noticias/?id=5758– e um “Esclarecimento”, de  João Paulo Ramôa, Presidente do Conselho Geral do IPBeja - http://da.ambaal.pt/noticias/?id=5760.

Se a ideia era pôr água na fervura, como parece ser o caso de João Paulo Ramôa, que conclui o seu esclarecimento afirmando “E se devemos contribuir para o debate expurgados de tabus, também devemos ter a capacidade de isolar o principal, do secundário”, já o mesmo não parece acontecer com Vito Carioca, que, logo no início do seu direito de resposta afirma: “I. O dr. José Barriga omitiu a devida e necessária declaração de interesses e não referiu, para que todos pudessem saber à partida as verdadeiras razões da sua declaração, o vínculo de proximidade e familiaridade que o liga ao senhor eng.º José Velez: essa mistura de interesses e disfarce de intenções deve ser conhecida de todos para que não fique a ideia de manipulação da opinião pública”.

Vamos ver o que se segue. Para já pode-se dizer que o artigo de José Barriga teve o mérito de provocar a discussão de instituições de Beja, que não devem ser vistas com “vacas sagradas”, até porque, tal como escreve João Paulo Ramôa: “O debate, o contraditório, a discussão, não só é bom,  como é basilar numa academia de ensino superior, em que a irreverência e o inconformismo deve ser um constante estado de espírito.”

“E já não terão ninguém para lhes mostrar solidariedade”

Um dia deixaram de te telefonar

E raramente te marcavam serviços de agenda

E tu pensaste que era por acaso

E que a direcção devia estar muito ocupada

 

Depois de ganhares o prémio 'Gazeta' pela segunda vez

Proibiram-te de fazer “grandes” reportagens

Porque a direcção tinha um entendimento do direito de autor

Diferente do teu e do sindicato

E tu pensaste que com o tempo tudo se resolveria

 

Depois tiraram-te o carro de serviço

E nunca mais te destacaram para cobrir eleições,

Visitas presidenciais ou edição de noticiários

E tu ainda deste o benefício da dúvida

 

Depois começaram a comunicar contigo apenas por email

A fazerem-te um pedido de trabalho por mês

E o director a ligar-te quatro vezes em quatro anos:

Uma (depois de almoço) a dizer que o teu trabalho estava uma merda;

Outra a dizer que a esponja do teu microfone aparecia suja na televisão;

e duas outras a dizer que estavas na lista para despedimento

E aí começaram a desaparecer as dúvidas

 

A não marcação de trabalhos, a falta de contactos,

O isolamento, a contínua discriminação, a ausência de meios

Só tinham um objectivo: a extinção do teu posto de trabalho

E a tua substituição por quem, custando menos, se sujeitasse mais

 

E já não havia mais espaço para ter dúvidas:

No rolo compressor do poder

Só interessa quem custa menos, se submete,

Quem tem medo

 

Mas um dia destes alguns dos que agora fazem as listas

Também serão postos em listas.

Um telefonema pela manhã dir-lhes-á que já não fazem falta,

Que o seu trabalho não justifica o salário,

Que há sempre alguém mais barato do que eles

 

E já não terão ninguém para lhes mostrar solidariedade

Porque os que ficarem serão sempre

 

Os que melhor se deixarem submeter.

 

(Parafraseando Maiakovsky , Niemöller , Brecht…)

Carlos Júliohttp://www.cincotons.com/2014/06/acerca-do-processo-de-extincao-de-posto.html#comment-form

Comentários recentes

  • Anónimo

    A ilegalidade foi resolvida...da noite prp dia...a...

  • Anónimo

    o homem tirou um MBA no Politecnico de Santarem !!...

  • Anónimo

    Mas um secretário de estado é engenheiro de Evora ...

  • João Espinho

    @Anónimo 23.10.2019 14:07 - não diga uma coisa de...

  • Anónimo

    em meia duzia de frases retrata fielmente o consul...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds