Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

«Saúde do Alentejo será “centrada” em Évora»

A ideia foi sempre que Évora seria o polo de atração para ter características centrais. Por isso temos três unidades locais de saúde (Litoral, Norte e Baixo Alentejo), e temos o hospital, em Évora, que é financiado de outra forma. Enquanto as três unidades funcionam por capitação, o Hospital do Espírito Santo funciona por produção. Temos de rentabilizar aquilo que já está instalado, e depois ver quais são as entidades que estão disponíveis para assegurar outras atividades. Se Évora não tiver capacidade para desenvolver alguma atividade e se me aparecer outro hospital da região, podemos utilizá-lo como diferenciador de uma determinada área.

 

Os critérios tiveram a ver com a taxa de ocupação e a demora média. Nós tínhamos, em alguns serviços, taxas de ocupação de 50 por cento, o que quer dizer que metade das camas, durante todo o ano, estavam desocupadas. E as camas custam dinheiro. E se gasto o dinheiro nas camas não o posso utilizar noutro sítio. O orçamento não estica.

Mas quais forma as poupanças?

Não sei, exatamente, quais foram as poupanças.

 

Afirmações de José Alberto Robalo, presidente da ARS do Alentejo, em entrevista ao “DA”.

Projeto da LPN conquista 2º lugar Communication Awards 2013

O Projecto “Disseminação de boas práticas para a biodiversidade na aplicação de compromissos agroambientais”, conquistou o 2º lugar nos Communication Awards 2013.

O propjecto vencedor tornou possível o diálogo e a troca de conhecimentos entre os agricultores, bem como o aumento da sua percepção sobre a importância das actividades agrícolas sobre a conservação da biodiversidade.

Naquele âmbito âmbito, entre muitas outras actividades, foram realizados workshops, em cinco concelhos de Portugal, entre os quais Castro Verde, tendo como objectivo a avaliação e a percepção das medidas agroambientais e uma melhor compreensão das suas limitações.

In: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?go=noticias&id=1783

AMGAP elege dirigentes e reafirma luta contra a privatização da água

A eleição dos novos órgãos sociais foi realizada na reunião efectuada ontem em Beja e da mesma resultou que a presidência da Assembleia Inter-Municipal é de Montemor-o-Novo e a do Conselho Executivo da Câmara de Alcácer, órgão composto também pelas autarquias de Cuba, Arraiolos, Viana do Alentejo e Aljustrel. Nesta reunião foram eleitos, igualmente, os representantes dos municípios associados, na empresa Águas Públicas do Alentejo, sendo os mesmos os autarcas de Santiago do Cacém e Mértola.

Sabendo que existem dificuldades acrescidas, decorrentes da intenção do Governo de privatizar a água, Vítor Proença garantiu que a AMGAP vai continuar a lutar, no sentido de impedir que este bem precioso se torne um negócio.

In: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?go=noticias&id=1795

Câmara de Beja reprovou a atribuição de uma verba extraordinária ao COTR

“O município não tem como responder favoravelmente a todas as situações que vão chegando”, disse o vereador Manuel Oliveira, que referiu que o “aperto financeiro” impossibilita a Câmara de atender a todos os pedidos.

In: http://www.radiopax.com/index.php?go=noticias&id=2687

 

Será desta forma que o Executivo da Câmara de Beja conta cumprir a promessa de apoio ao fomento do regadio possibilitado a partir de Alqueva? Terá ponderado bem a importância deste Centro para aquele objectivo? É certo que "o município não tem como responder favoravelmente a todas as situações que vão chegando”, mas será que esta não seria prioritária? Vamos ver quais são as suas prioridades...

Na Escola D. Manuel I em Beja não houve prova de Avaliação aos Professores

Na Escola Secundária D. Manuel I em Beja não se realizou a Prova de Avaliação de Conhecimentos e Competências imposta pelo Ministério da Educação aos professores contratados com menos de cinco anos de serviço e o ambiente que se viveu naquele estabelecimento de ensino foi de protesto.
Estavam inscritos 192 professores para fazer a prova, depois de entrarem na Escola começaram com um protesto muito ruidoso e alguns acabaram mesmo por atear fogo ao enunciado da prova o que fez disparar o alarme de incêndio. Dos 180 professores que foram convocados para vigiar a Prova na Escola Secundária D. Manuel I só 11 compareceram.

In: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?go=noticias&id=1798

Comentários recentes

  • Anónimo

    Fartura de partidos! Tudo quanto é demais não pres...

  • Anónimo

    Tem razão! No entanto é necessário não perder voz,...

  • Anónimo

    Foram buscar o antigo imperador JR .....dizem que ...

  • Anónimo

    O Imperador está suficientemente saudável para c...

  • Anónimo

    As odalascas vêm com o calor...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds