Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

"SER PORTUGUÊS"

   Nem sempre é fácil compreender o que é "ser português". É uma condição, uma sina, um acaso...

   Será tudo isso. Mas, deem-se as voltas que se der, será sempre um conjunto de características e atitudes que se entranha em nós quase desde que nascemos, e de que é muito difícil livrarmo-nos.

   Aprendemos a reclamar, na História do Mundo, um lugar que os tempos modernos tendem a esquecer ou a desprezar, e que sabemos que é o nosso. Abrimos muitas portas, descobrimos mundos, fizemos coisas boas e más. Somos, decididamente, humanos.

   Mas somos também tenebrosamente pessimistas, descrentes em nós próprios, e, até, medrosos!

   Ocorrem-me estes pensamentos ao ler que Mariano Rajoy, o primeiro-ministro de Espanha, nas Nações Unidas, a propósito sa situação "colonial" de Gibraltar proclamou que (citando) "este anacronismo continua a causar inconvenientes aos cidadãos de Gibraltar e da zona adjacente. Espanha reitera mais uma vez o seu apelo para que o Reino Unido retome o diálogo bilateral e a cooperação regional".

   Mais, Rajoy protestou, dizendo que Gibraltar "É o único [antigo território colonizado] pendente na Europa, afectando assim a nossa integridade territorial", acrescentando que é uma colónia que a ONU integrou na lista de territórios autónomos pendentes de descolonização em 1963..

   O espantoso em tudo isto é que Rajoy se esuqece de referir que Ceuta e Melilla, cidades espanholas do Norte de África, também estão na lista de territórios por descolonizar.

   Mas... o que me causa mais apreensão, enquanto Português que sou, não é só o facto de Rajoy se esquecer do território de Olivença, devolvido pela Espanha a  Portugal em 1814/15 e 1817. Na verdade, a diplomacia espanhola, principalmente de há uns meses a esta parte, já nos habituou a estas incoerências.

   Não. O que me deixa perplexo é que, não obstante os milhares de comentários nos "sites" dos jornais nesse sentido (eu contei-os!!), quase nenhum comentarista, quase nenhum "opinador", nenhuma figura de relevo, se tenha manifestado para exprimir o óbvio: que Madrid, principalmente depois da atitude deselegante para com Portugal no caso da reivindicação de área marítima em torno das Selvagens, está claramente a exagerar, e que muitos portugueses não conseguem deixar de estabelecer paralelos com Olivença. Pior: muitos portugueses começam a perguntar se, perante tão escandaloso silêncio, só perturbado por meia dúzia de vozes, a nossa classe política e muitos dos membros das nossas elites não estarão a comportar-se de forma irremediavelmente servil, ou mesmo cobarde, perante uma evidência que salta à vista de qualquer cidadão comum!!!

    O que se passa com Portugal?

Estremoz, 27 de Setembro de 2013

Carlos Eduardo da Cruz Luna

Comentários recentes

  • Anónimo

    Não podes estar mais longe. O eterno e sempre à mã...

  • Anónimo

    Se há tanta clarividência acerca da geringonça com...

  • Anónimo

    Sem dúvida, sobretudo os grandes interesses capita...

  • Anónimo

    Tal e qual ... até que enfim que alguém vai ao cer...

  • Anónimo

    Esta técnica de mal-dizer é cronicamente utilizada...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds