Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

PR estrebucha para mostrar que “ainda está vivo”, não percebendo que “está em coma”

Com mais este discurso à Nação (http://economico.sapo.pt/noticias/cavaco-quer-acordo-de-salvacao-nacional-com-eleicoes-em-2014_173177.html), Cavaco Silva faz o que tanto aprecia: coloca-se num pedestal, como se nada tivesse a ver com a crise para que atiram Portugal (ele é apenas o político com mais tempo de poder em Portugal, depois do 25 de Abril…); propõe ultrapassar a crise mantendo tudo e os mesmos que a causaram; insiste em suspender a democracia e a soberania nacional até ao fim da “troica” internacional; “sacode a água” para cima dos líderes partidários; e, mostra o que sempre desejou, que é a formação de um governo presidencial, avançando até que existem personalidades indicadas para o liderar.

Fico com curiosidade de ver como reagem os líderes partidários e Passos Coelho a todas estas desconsiderações, ainda por cima, vindas de um PR que gosta de se apresentar como institucionalista.

Tudo isto seria divertido, se não fosse grave e não viesse de alguém que morreu politicamente há uns dois anos, quando este filme começou a ser produzido.

Se fosse oportuno, até poderia ser um ponto de partida para o necessário debate nacional sobre como sair desta gravíssima crise, o Estado e o futuro de Portugal e dos portugueses.

Assim, para além da maior ocupação que vai dar a alguns seguidores e comentadores de serviço a tentar explicar o inexplicável, como têm feito sobre a revogação de decisões irrevogáveis, este sermão do PR só serve para adiar a decisão que a maioria dos portugueses esperam: que dissolva a AR, marque eleições para o mesmo dia das eleições autárquicas, para atenuar os custos políticos e financeiros, e se demita depois, porque já, há algum tempo, perceberam, que Cavaco Silva se encontra em coma político. 

Mesmo que eleições antecipadas possam não mudar muita coisa, o Povo deve ser ouvido. Essa é uma regra democrática que deve ser respeitada, quando o governo, assente numa maioria parlamentar, perde a legitimidade política e constitucional.

ANMP opõe-se à privatização da água

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) avisa que se o processo avançar, as autarquias vão opor-se por todos os meios legais à sua disposição.

O conselho directivo da ANMP emitiu esta terça-feira um parecer negativo ao processo em curso de privatização do sector das águas e dos resíduos.

“Consideramos que é inaceitável a privatização de um sector tão importante e estratégico, em termos nacionais, como é o das águas e estamos também em desacordo com a privatização dos resíduos, como é proposto”, afirma o vice-presidente da ANMP. 

Rui Solheiro defende que “os municípios devem manter a responsabilidade política de garantir este serviço público e universal às populações”.

O responsável garante que se a privatização do sector das águas e dos resíduos avançar, as autarquias vão opor-se por todos os meios legais à sua disposição.

In: http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=25&did=114122

Comentários recentes

  • Anónimo

    Ora aqui está uma área em que os nossos autarcas s...

  • Anónimo

    Está tudo dito... nada a acrescentar! Incapacidade...

  • Anónimo

    "O Ministério do Planeamento anunciou esta quinta-...

  • Anónimo

    Se os autarcas locais , independentemente da cor p...

  • Anónimo

    Conordo em absoluto com o comentário anterior.O di...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds