Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

ERVANÇUM anima Santo Amador

Vai realizar-se mais uma edição do ERVANÇUM – FESTIVAL CULTURAL, em Santo Amador (concelho de Moura. Trata-se de um evento de cariz cultural, com enfoque na animação em espaço público, com realização de concertos de músicas do Mundo (Portugal, Espanha, Cabo Verde e Brasil), performances artísticas, exposições, atividades de produtos à base de plantas aromáticas e medicinais e a iniciativa SABORES LOCAIS - festival gastronómico com pratos e petiscos  regionais à base de produtos locais, envolvendo os estabelecimentos comercias da Freguesia.

Ver PROGRAMA em:

http://www.bejadigital.pt/NoticiaDisplay.aspx?ID=5948

Demita-se, para terminar o mandato com alguma dignidade

E Cavaco Silva não fica atrás de Passos Coelho. Depois de andar a tentar “esconder o Sol com uma peneira” – a falta de coesão do governo, as suas fragilidades e a incapacidade e irresponsabilidade de Passos Coelho – atingiu o seu ponto alto ao afirmar, poucas horas antes de Paulo Portas se demitir, que se a oposição queria eleições que fizesse aprovar uma moção de censura na Assembleia da República, porque ele não dissolveria esta.

Ele que nada disse quando muito deveria ter dito, falou demais e fora de tempo quando devia ter ficado calado.

Porque não se demite Cavaco Silva depois de dissolver a AR e da realização de eleições? Era uma atitude que mostrava que ainda tinha alguma sanidade política.

Cavaco Silva disse um dia que era necessário ajudar Mário Soares a concluir com dignidade o seu mandato de PR. É caso para dizermos que só demitindo-se quanto antes Cavaco Silva pode terminar o seu mandato com alguma dignidade.

Ter a maioria não chega

Mais uma vez se está a provar que não basta ter a maioria na Assembleia da República para que um governo se mantenha.

O que mantém um governo é sua bondade da sua política e a confiança dos eleitores. Quando aquela não existe e esta se perde, o governo pode-se aguentar por algum tempo mas não resiste até ao fim da legislatura.

A legitimidade eleitoral, resultante da maioria obtida, não chega quando o governo, pela sua acção, perde a legitimidade política (não cumprindo o que prometeu e, nalguns casos, fazendo exactamente o contrário do que prometeu) e a legitimidade constitucional (legislando e tomando medidas contra a Constituição).

O espectáculo (http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=27&did=113190) que Passos Coelho está a fazer evidencia a sua estatura política e de estadista. Depois da demissão dos seus três principais ministros, que não se coibiram de o responsabilizar pela incompetência política e falta de liderança, e de ficar totalmente exposta a falta de coesão do governo, que todas as oposições e parceiros sociais apontavam e que ele desmentia, Passos Coelho mostra a sua incapacidade de compreender a realidade e de assumir as suas responsabilidades, como se ainda fosse uma criança mimada.

Tem razão Santana Lopes, quando (se) interroga sobre o que dele diriam e lhe fariam se fizesse metade das asneiras que Passos Coelho tem feito…

Comentários recentes

  • Ana Matos Pires

    Regional de Saúde Mental do Alentejo? Não há.

  • Anónimo

    Planos? Há muitos!

  • Ana Matos Pires

    É pá, como é que nunca nos tinha ocorrido isso? Ob...

  • Anónimo

    Ja viram a capa do Correio do Alentejo desta seman...

  • Anónimo

    o Cocas tambem tem direito á vida.Ficam as restant...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds