Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Congresso Democrático das Alternativas

Olá a tod@s!
No dia 5 de Outubro vai realizar-se o Congresso Democrático das Alternativas. Trata-se de uma iniciativa de cidadãos e cidadãs de diferentes quadrantes da sociedade portuguesa, que se propõem debater as consequências económicas, sociais, políticas e culturais da adopção do Memorando de Entendimento e das políticas de austeridade.
Pretende-se reunir todos os que sentem a necessidade e têm a vontade de construir em conjunto uma alternativa à política de empobrecimento consagrada no Memorando e de convergir na acção política para o verdadeiro resgate democrático de Portugal.
Eu subscrevi a Convocatória do Congresso. Se concordares com o texto não deixes de o subscrever (podes fazê-lo em subscrever.congressoalternativas.org) e de participar neste evento de mobilização democrática, que visa resistir à iniquidade e lançar bases para um futuro justo e inclusivo que devolva às pessoas e ao País a dignidade que merecem.
Para mais informações sobre o Congresso e as diferentes formas possíveis de participação, consulta http://www.congressoalternativas.org.

Adel Sidarus (via email)

“Será esse o teu fado”, Olivença?

Noite quente, mas não abafada. Rua da Caridade, sobre uma calçada portuguesa, de feitura recente. Com o edifício da Misericórdia de Olivença, com dois brasões portugueses (um deles "picado") e um brasão espanhol. Um "café" novo (o bar Picasso). Um estrado, luzes, amplificadores e microfones. 21:30, hora espanhola. Mesas e cadeiras cobrindo metade da longa rua. Muita gente de pé. Decididamente, expetativas excedidas. Uma assistência maior do que em qualquer outra destes eventos.
Noite de Fados. Como num preâmbulo , um membro da Associação autóctone "Além Guadiana" (que luta pela recuperação da Cultura, Língua, e História, locais) a grande impulsionadora do que vai acontecer. Depois, sobem ao palco os dois instrumentistas, Mário Carriço e Paulo Cachinho. Depois, a fadista Soraia Branco. De negro, apesar de o seu nome significar "raio de sol", e do deu apelido constituir também um contraste.
Soam a viola e a guitarra. E Soraia canta. E encanta. O público participa, batendo palmas, acompanhando refrões e estribilhos. É visível o entusiasmo, o prazer. Como dizia uma oliventina, era noite de "mergulhar nas raízes.
Até o Presidente da Câmara (o alcaide) vem dar uma curta espreitadela. Algumas das cadeiras, porque as do Bar eram insuficientes, pertenciam à edilidade. Mesmo assim, não chegaram.
A fadista, que já cantara em Olivença em 2010, acompanhada então por outros fadistas, está mais madura. E domina rapidamente a espetáculo. Um tanto surpreendida, talvez, no início, com tanta assistência, ela adapta-se e interage com o público. Até se cantam os "Parabéns a Você", pois uma espatadora fazia anos.
Pedem-lhe que cante, uma e outra vez. Soraia anuncia que vai terminar. Mas não era possível, e os fados seguem-se, entremeados por solos virtuosos que os instrumentistas, de tempos a tempos, oferecem.
A fadista está cansada, mas sente que o ambiente não lhe dá possibilidades de repousar tão cedo. Ela é uma artista, e sabe "medir o pulso" à audiência. Quase no fim, perto da meia-noite, pedem-lhe que cante "por uma lágrima". E ela fá-lo, com algum sofrimento, mas de forma brilhante.
O espetáculo termina. Todos estão felizes, artistas e público. Muito poucas pessoas se ausentaram antes do fim, apesar de o dia seguinte ser de trabalho.
Olivença, terra de mitos, sonhos, e sofrimento. Cada vez surpreendes mais quem te visita. As tuas reações são cada vez mais inesperadas. Será esse o teu fado?
Estremoz, 31-AGOSTO-2012
Carlos Eduardo da Cruz Luna

(recebido por e-mail)

Beja “ tem avondo” da política do Governo

Beja “ tem avondo” (está farta) da política do Governo. A palavra de ordem da manifestação de ontem (hoje) em Beja, recuperou um termo do vocabulário local “tem avondo” para realçar a saturação que os mais de meio milhar de manifestantes expressaram contra a política do Governo. O número de pessoas que se concentraram na Praça da República em Beja numa tarde de intenso calor surpreendeu cada um dos presentes. “Há muito que não se via tanta gente junta numa luta em defesa dos seus direitos” exultou um dos organizadores da manifestação de Beja e que se estendeu a mais 23 cidades portugueses. Carlos Dias (in Público)

 

A fotografia é minha e foi tirada já depois das 18 horas, quando tive oportunidade de chegar à concentração. Já muita gente a tinha abandonado. Encontrei muitas pessoas a sair da Praça da República. Disseram-me que chegou a encher meia Praça.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Foram buscar o antigo imperador JR .....dizem que ...

  • Anónimo

    O Imperador está suficientemente saudável para c...

  • Anónimo

    As odalascas vêm com o calor...

  • Anónimo

    Alguém sabe em que dia desfila o imperador, as oda...

  • Munhoz Frade

    Um desabafo como este do Vitor Paixão é um momento...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds