Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Há muita pobreza escondida” e «o pior está para vir», afirma a Unicef

Quase um terço das crianças portuguesas tem carências e 15% vive mesmo em pobreza relativa. Cerca de 27% das crianças portuguesas sofrem algum tipo de privação, colocando Portugal em 25º lugar no grupo de 29 países europeus analisados pelo estudo, da Unicef, “Medir a pobreza infantil – novas tabelas da pobreza infantil nos países ricos”.

Contudo, «é claro que o pior está para vir», pode ler-se no estudo. Isto porque estes dados remontam a 2009, não refletindo ainda a expressão mais severa da crise. O relatório apresenta também uma previsão de crescimento da pobreza relativa (24%) e absoluta (23%) até 2020, o que significa «um retrocesso até à pobreza infantil relativa de há 20 anos».

Carlos Moedas garante que “tudo vai ser feito para cumprir a meta estabelecida para concluir o regadio até 2015”

O secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro reuniu-se esta manhã com o Conselho de Administração da EDIA e representantes das associações de agricultores da região e visitou explorações agrícolas de Alqueva.

No balanço deste encontro, referiu que lhe foram transmitidos “dados que revelam a importância nacional e regional do projecto Alqueva” e garantiu que “tudo vai ser feito para cumprir a meta estabelecida para concluir o regadio até 2015”.

 

Esta deslocação de Carlos Moedas, depois das recentes visitas à região da ministra da Agricultura, Assunção Cristas, com os mesmos objectivos, mais parece uma marcação homem / PSD à mulher /CDS…

Câmara de Beja faz balanço das obras de beneficiação da baixa da cidade…

O presidente da Câmara de Beja realiza esta tarde, na Biblioteca Municipal, uma sessão para esclarecer a comunidade, e em particular os comerciantes, sobre o andamento das obras de beneficiação da baixa de Beja, na sequência da visita que fez, recentemente, às mesmas.

A Câmara de Beja recorda que “as obras de beneficiação da baixa estão inseridas na estratégia de regeneração urbana do centro histórico, determinantes para a afirmação da cidade no contexto urbano regional” e que as mesmas vão continuar “de acordo com o que está programado até Outubro de 2012”.

"Hoje, os bejenses rejeitam a sua cidade"

... As questões que desmotivam os seus cidadãos não se colocam do ponto de vista material. Mas antes do lado da emoção. Dos afetos. Da memória coletiva. Hoje, os bejenses rejeitam a sua cidade porque ela já nada lhes diz. Já não a conhecem. Não aconteceu a necessária transição cultural, identitária e sentimental entre gerações. Partiu-se o elo. E os despojos que hoje restam de Beja são meros e cada vez mais apagados relatos de um tempo ausente. Que não se revelam no presente. Nem deixam qualquer margem de manobra para o futuro. Beja já não existe. Porque os bejenses deixaram de querê-la. De a amar. De a descobrir. De a sentir. ...

Leia na íntegra o editorial de Paulo Barriga, intitulado Touro, nesta edição do Diário do Alentejo, que não pode deixar de nos incomodar e deveria provocar um sério debate sobre Beja.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Concordo em absoluto que o caminho não é por aí.

  • Anónimo

    O eterno problema das mentes pequeninas e poucochi...

  • Anónimo

    Queria dizer pelotão,mas saiu asneira,que não vi.

  • Anónimo

    Tem tudo para ganhar.

  • Anónimo

    A Margalha não entra na lista para favor número co...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds