Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

ERMIDA DE S. SEBASTIÃO VOLTOU A ABRIR em Alvito

Zé LG Zé LG, 21.04.12

Após vários meses de encerramento, a Ermida de S. Sebastião voltou a abrir.

O encerramento deveu-se à queda de uma parte da cobertura (já foi reparada?) das Grutas (por debaixo daquele edifício religioso), o que conduziu a que, por razões ligadas à segurança do conjunto arquitetónico, o encerramento se tornasse uma exigência.

Agora reaberta, a Ermida pode ser visitada todos os dias da semana, graças à voluntária D. Arlinda, conforme já vinha acontecendo há alguns anos.

Dado que a abertura (apesar de diária) não tem um horário definido, sempre que o visitante encontre a porta fechada, deve contactar o Posto de Turismo para a referida abertura.

Machado Caetano condecorado com a Medalha de Ouro do Ministério da Saúde

Zé LG Zé LG, 21.04.12

O Ministério da Saúde concedeu, no âmbito das comemorações do “Dia Mundial da Saúde”, ao professor doutor Joaquim António Machado Caetano, médico alentejano, a medalha de ouro pelos seus serviços distintos prestados ao País e à Medicina em Portugal, com especial destaque pelos trabalhos no campo da Imunologia precursores dos transplantes, pela criação e desenvolvimento do Centro de Histocompatibilidade e pela sua prolongada actividade na luta contra a Sida.

In: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?q=C/NEWSSHOW/48655

Napoleão Mira apresenta "Fado" na Biblioteca de Castro Verde

Zé LG Zé LG, 21.04.12

Com prefácio de Vítor Encarnação, “Fado” relata-nos a história de um grupo de emigrantes clandestinos que buscam em terras de França um futuro que, tal como agora, em 1966 também se apresentava sombrio. Numa narrativa vigorosa, o autor remete-nos para um tempo onde imperava a sombra e o medo, mas onde afinal, o amor pode ser a pedra de toque para vencer todas as adversidades. Napoleão Mira é natural de Entradas. Fundou e dirigiu entre 1998-2000 a revista “Trigueirão”. Colaborou nos jornais “O Campo”, “Correio Alentejo” e Revista “30 Dias”. Publicou em 2010 o livro de crónicas “Ao Sul”.

O romance é apresentado hoje, às 16h00, na Biblioteca Municipal Manuel da Fonseca, em Castro Verde.