Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

"Bispo Vermelho" - D. Manuel Falcão - 1922-2012

Zé LG Zé LG, 11.03.12

D. Manuel Falcão, recentemente falecido, foi bispo em Beja, durante quarenta anos depois de ter sido bispo auxiliar do Patriarca de Lisboa durante oito anos. Na imprensa fez-se eco da sua acção repetindo de forma simplista o apodo que os seus inimigos lhe colaram, o de “Bispo Vermelho”. Verdadeiramente nunca o foi. O seu “curriculum” episcopal é longo e extraordinariamente fecundo. Acompanhei de longe o percurso do seu episcopado nestes quarenta e seis anos, mas recordo-o sobretudo nos primeiros quinze anos do seu sacerdócio em Lisboa.

O padre “sem teias de aranha no cérebro”, foi, para todos os que o conhecíamos, o primeiro a abrir “caminhos de modernidade” na sociologia religiosa, eliminando o “mito da cristandade” do discurso poíitico e religioso da época, revelando a diminuição catastrófica da frequência dos sacramentos na Diocese de Lisboa. Ajudou-nos a todos os que privávamos então com Ele a desmistificar os “horrores do socialismo” dos discursos salazarentos; nisto não foi certamente o único, mas foi a base da conduta posterior que lhe valeu o asco do conservadorismo nacional.

Lúcido, corajoso e sempre dialogante, fazendo pacientemente o seu trabalho, sem grandes alaridos, foi em primeiro lugar um extraordinário pastor de almas, mas também homem de ciência, sociólogo, jornalista, cultor do património e das artes, sempre alheio a confessionalismos estridentes e obtusos. As gerações que foram moldadas por Ele não o esquecem. Faz-nos muita falta.»  (Testemunho de José Luís de Matos, Historiador).

 

Sobre o trabalho de D. Manuel Falcão na conservação do património de Beja ver:

Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja (página da Presidência);

- Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja (Wikipédia)

 

Publicada por Rita Cortês em 21:31, no seu Beja y Arrabaldes