Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Junta da Extremadura reclama de Portugal mais de 2,3 milhões por partos em Badajoz

O governo português fechou a sala de partos do Hospital de Elvas, em Junho de 2006, permitindo às grávidas daquele concelho e do município vizinho de Campo Maior optarem entre o hospital de Badajoz ou os hospitais de Portalegre e Évora. Desde então e até Novembro de 2011, nasceram cerca de 1.300 bebés portugueses no Hospital Materno-Infantil de Badajoz.
Mas, entretanto, o governo português “esqueceu-se” de pagar aquele serviço prestado em 2008 e 2009, tendo apenas liquidado um montante "praticamente simbólico em 2010", pelo que, "até ao dia de hoje, a dívida é de 2,33 milhões de euros", disse a vice-presidente e porta-voz da Junta da Extremadura, Cristina Teniente, que acrescentou: "Não se paralisa, em absoluto, o serviço que se presta. O que se passa é que se arrasta uma situação económica complicada, porque já são três exercícios sem liquidação dos montantes [em dívida]". O que interessa agora é regularizar "a situação financeira" decorrente do "atraso nos pagamentos", no âmbito de "um protocolo que não se está a cumprir".

Comentários recentes

  • Anónimo

    Boa malha, Anónimo das 16:11.Há muita malta, que a...

  • Anónimo

    Noticia publicada no "Expresso " como forma de pre...

  • Zobaida

    Não há galhos reservados. Deixe de ser macaco...

  • Anónimo

    Nem mais...quem assim fala não é gago.

  • Anónimo

    GOSTAS DE CIGANOS LEVA-OS PARA TUA CASA

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.